Linn da Quebrada
Crédito: Cai Ramalho

Na última semana, Linn da Quebrada participou da Rio2C, realizada na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, para falar sobre como a publicidade pode se adequar à comunidade das travestis e deixou claro que ainda existe muito a ser feito para esta relação chegar onde deveria.

No painel intitulado “Comunicação de Marca: Inclusão, Respeito e Diversidade” que também contou com a pesquisadora trans Mariah Rafaela Silva, Lina lembrou que o mercado precisa parar de usar a diversidade de forma oportunista:

O que está sendo vendido ali não é a minha música, não é o meu filme, nem o meu desenho, sou eu mais uma vez. Sou eu mais uma vez que tenho que ficar exposta e expor as minhas cicatrizes. E, para isso, eu preciso continuar me machucando, porque eu preciso continuar falando sobre as minhas dores [para que] isso possa vender. Em uma de minhas músicas, eu tenho tentado me convencer que nem tudo que vende vem de mim ou vem de nós para que a gente possa vender outros produtos e eu possa descolar a minha pessoalidade daquilo que está à venda. Do contrário, constantemente o que prevalece à venda sou eu.

Linn da Quebrada e seu corpo político

Além de discutir a importância da discussão sobre linguagem neutra e lembrar sua participação no BBB22, Linn defendeu seu corpo como um ato político:

Eu venho de um atravessamento de territórios. Antes, eu já trabalhava com música, trabalho com arte. Eu acredito que meu corpo é político e que o corpo de cada uma de nós aqui também é político. Porque, se não, há uma sobrecarga sobre mim, como se os nossos corpos, os corpos trans, fossem mais políticos que os outros e por isso eu tivesse uma responsabilidade maior nesse debate e nesse embate.

Certíssima, hein!?

LEIA TAMBÉM: “Maior chiqueiro do mundo”: Roberto Medina fala sobre lama no primeiro Rock in Rio

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar