Anitta faz história no Spotify Global e da América Latina com o single “Envolver”
Reprodução / YouTube

Após Anitta alcançar o top global do Spotify com seu hit “Envolver” no dia 25 de Março, a plataforma iniciou uma investigação relacionada aos números da cantora, assim como faz em todos os casos que chegam ao primeiro lugar em seu serviço.

Acredita-se que os fãs de Anitta podem ter utilizado bots e métodos alternativos para conseguir aumentar os números da artista no Brasil e em outras regiões através de VPNs (Virtual Private Network, em inglês, e Rede Virtual Privada, em português), que permitem que as pessoas simulem estar em uma localização diferente da que efetivamente estão.

Como aponta o Canal Tech, esses recursos para impulsionar o hit da cantora ajudariam na imagem da artista e também em seus ganhos em “royalties” pela música, valor calculado a partir da porcentagem de reproduções em uma determinada região.

Polêmica Anitta x Spotify

A suspeita da possível manipulação foi levantada pelo site Rest of World, que identificou mais de 100 playlists pelo Spotify com nomes relacionados à famosa faixa, como “Stream Envolver”, “Envolver #1” e “Envolver 20x”.

A estratégia de adicionar a música em listas teria como objetivo somar o número de reproduções e aumentar a popularidade de Anitta. Em diversas playlists, “Envolver” aparece repetidas vezes, interrompida por uma ou duas músicas, provavelmente com o intuito de tentar contornar o controle do algoritmo.

Sobre sua investigação, o Spotify disse em um comunicado enviado ao UOL:

Colocamos recursos de engenharia e pesquisas significativos para detectar, mitigar e remover a atividade de streaming artificial no Spotify para que nada atrapalhe nossa missão de dar aos artistas a oportunidade de viver de sua arte e para que os detentores de direitos sejam pagos da maneira mais justa possível para o seu trabalho.

Caso sejam identificadas irregularidades no número de reproduções de Anitta, a plataforma tem o poder de reter os royalties da produção até que a brasileira prove que não teve envolvimento nas ações. A empresa apontou:

Quando identificamos ou somos alertados sobre casos potenciais ou confirmados de manipulação de stream, tomamos medidas que podem incluir a retenção de royalties, a correção de números de streaming e medidas para garantir que a popularidade do artista ou da música seja refletida com precisão em nossos gráficos.

Defesa de Anitta

O assessor-chefe de comunicação da equipe de Anitta, Paulo Pimenta, publicou uma carta aberta relacionada à polêmica defendendo o mérito da cantora de ter conquistado o primeiro lugar do Top 50 global do Spotify.

Depois de afirmar que a música acumulou mais de 42 milhões de reproduções, sendo mais de 38 milhões somente no Brasil e o restante dos nove países que mais ouviram a música, Pimenta destaca que outros fatores também colaboraram com o alcance da música, como a letra em espanhol. Ele encerrou dizendo:

Mas, ainda bem que a matemática não mente e que a grande maioria dos brasileiros ainda tem orgulho dos artistas nacionais e se envolveu com a Anitta ao ponto de quebrarem juntos barreiras nunca antes ultrapassadas.

Em tempo, também existe a chance de números inflados no serviço de streaming terem sido gerados por pessoas mal intencionadas que tem o intuito de prejudicar um artista.

Pode acontecer de pessoas utilizarem bots para impulsionar a popularidade de uma música, chamando a atenção da plataforma e fazendo com que aquele artista seja prejudicado com sua retenção de royalties ou até mesmo sendo suspenso da plataforma.

“Envolver” integra o mais novo disco de Anitta, Versions of Me, que se tornou o álbum de um artista nacional solo mais reproduzido na história do Spotify.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar