Crédito: divulgação
 

Após lançar o álbum manda notícias no final do ano passado, o cantor e compositor baiano andre L.R. mendes está de volta com o single “O Samba do Homem Comum”.

A canção estará no próximo disco do artista, previsto para sair no segundo semestre, e sucede “Beatriz”, faixa que também vai integrar o novo trabalho de estúdio.

O lançamento versa sobre a “uberização” das relações de trabalho, que consiste na precarização dos direitos trabalhistas que culmina em maratonas extenuantes de expediente para fazer mais em menor tempo.

O sujeito de “O Samba do Homem Comum” se chama “Riobaldo” em alusão ao personagem narrador do clássico romance brasileiro Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa.

Szel

foto: Rhay Salina

O cantor e compositor fluminense Leo Szel, que assina artisticamente apenas como SZEL, gravou uma releitura para “Temporal”, clássico do pagode lançado pelo Art Popular em 1996.

O vídeo foi produzido pela Ziriguidum Filmes e dirigido por Jorge Badaue, carregando bastante elementos do trabalho de SZEL como artista visual, o que influenciou na estética de cenários, composição dos looks, maquiagens e cores do clipe.

“No clipe, vamos ressignificar o tema da ruptura de um relacionamento, da música original, tratando-o de forma alegre. Também vamos brincar com uma artificialidade proposital, mostrando, por exemplo, o backstage do estúdio. Sempre levo outras expressões de arte para meu trabalho. Gosto daquilo que transborda à música,” afirma o cantor.

Cofundador do famoso bloco de carnaval no Rio de Janeiro “Sereias da Guanabara”, SZEL destaca sua versatilidade e pluralidade na vida e na música.

“Sempre fiz muitas composições e, em 2019, resolvi me direcionar para a minha carreira musical autoral. Meu primeiro EP teve uma ótima aceitação pelo público e pude transitar entre diversos estilos musicais como indie e pop rock e, hoje, percebo que meu público é mais voltado ao Pop e à nova MPB,” comenta SZEL, que deu uma roupagem mais voltada para o brega funk à famosa canção.

PC Silva

foto: André Sidarta

O cantor, compositor e instrumentista pernambucano PC Silva disponibilizou nas plataformas digitais o clipe da faixa “Loja de Chocolate”.

A letra faz alusão à investigação de lavagem de dinheiro que seria operada em uma empresa de Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro e senador pelo Rio de Janeiro.

O artista foi inspirado pela profusão de denúncias, brigas e disputas políticas que marcaram o ano de 2020 enquanto o Brasil sofria com a maior crise sanitária dos últimos tempos.

É uma crítica motivada pelos casos mais emblemáticos enfrentados pelos brasileiros na história recente da nação.

“O país parece uma grande mentira diária. Uma grandiosa e impossível realidade às claras,
à luz do dia e à queima roupa. Absurdos sempre existiram ao longo da história política.
Acredito que nunca houve tanta verbalização desses absurdos por parte de um governo,
pelo menos não em tempos de democracia vigente. A sensação é de um cansaço mental e
que, apesar dele, é necessário remar, pois não há outra opção. É preciso encontrar terra
firme novamente para esse país levantar a cabeça,” desabafa PC Silva