Joe Corré é o filho do falecido Malcolm McLaren, empresário do Sex Pistols, e a famosa fashion designer Vivienne Westwood. Tendo crescido em um ambiente fortemente relacionado ao punk rock, o cara conseguiu colecionar um imenso acervo de itens raríssimos do gênero, mas pelo jeito ele não está nem aí.

No começo da semana passada, ele queimou uma edição raríssima de um disco do Sex Pistols por conta do sentimento de repulsa contra o Punk London, uma série de eventos celebrando o quadragésimo aniversário do gênero no Reino Unido, patrocinado por uma série de instituições… não muito punks.

Isso o levou a queimar um acervo avaliado em 24 milhões de reais em peças raríssimas do estilo em protesto contra o que ele chama de “crescente comercialização do gênero”.

Em uma coletiva de imprensa, ele foi direto:

A Rainha dando sua bênção a 2016, o Ano do Punk, é a coisa mais assustadora que eu já ouvi. A cultura punk e alternativa está sendo apropriadas pelo mainstream. Ao invés de um movimento de mudanças, o punk virou uma fodida peça de museu ou ato de tributo.

Então, no último sábado, ele botou fogo em toda sua coleção punk, incluindo várias gravações raras do Sex Pistols, roupas que pertenceram a Westwood e Johnny Rotten, e um boneco do Sid Vicious com uma suástica gravada. Os itens foram carbonizados junto de efígies de políticos dentro de um navio parto da Albert Bridge em Chelsea.

Corré ainda afirmou que se seu pai ainda estivesse vivo, ele “teria aproveitado essa oportunidade para dizer algo… sobre o punk rock ser tomado pelo setor corporativo. Independentemente se ele teria ou não concordado em queimar todas as coisas — e eu acho que ele teria — eu acho que ele acharia bem engraçado.”

Logo abaixo você pode conferir um vídeo e uma foto do “evento”.