Teco Martins (Rancore) - Entrevista
 

Teco Martins - (Rancore) Entrevista

Teco Martins é o vocalista do Rancore, banda que lançou trabalhos aclamados no cenário independente brasileiro, arrasta legiões de fãs que berram suas letras em seus shows e acaba de assinar com a gravadora Deck, para lançar disco novo em Abril.

Os teasers de “Seiva”, o novo trabalho da banda, têm chamado muito a atenção tanto de quem já é familiar com a banda quanto de quem está a conhecendo pela primeira vez, e esse é definitivamente um dos trabalhos nacionais mais aguardados de 2011.

Por esses e outros motivos, achamos mais do que interessante a ideia de conversar com Teco sobre esse novo trabalho, os fãs do Rancore, as influências e muito mais.

Além de ter sido extremamente simpático, o cara nos contou histórias ao invés de apenas responder as perguntas, o que tornou o bate papo ainda mais interessante.

Confira logo abaixo essa conversa exclusiva que tivemos com o cara.

TMDQA!: Depois de muito tempo como uma banda do underground, como foi assinar com uma gravadora como a Deck, que apesar de independente tem uma projeção gigantesca? A banda precisou conversar muito para tomar esta decisão? Vocês sofreram algum tipo de crítica por parte dos fãs quanto a isso?
Teco Martins: A única gravadora que imaginávamos ser condizente com a nossa proposta era a Deck, sempre admiramos a postura deles e essa união aconteceu de forma natural. Já tínhamos conquistado coisas bem legais para uma banda underground e a proposta da Deck veio na hora certa, até agora tudo tem rolado de forma bem melhor do que esperávamos.
O Rancore tem uma energia bem semelhante com o pessoal da gravadora, está todo mundo na pegada de fazer o melhor som possível. Mas sim, precisamos conversar bastante, o processo de contratação durou uns 8 meses, quase um filho (risos), tínhamos vários receios e já estávamos caminhando bem de forma independente…
Durante uma conversa por telefone o Rafael nos disse que nunca tinha visto uma banda dificultar tanto uma contratação.. (risos) Dizem que a relação entre banda e gravadora é como um namoro, e dificilmente uma conquista fácil rende uma parceria longa né?

Acho que quem curte Rancore confia na gente, sabe que a banda é a paixão da nossa vida e confiaram também quando assinamos com a Deck. Uma gravadora que tem em seu casting bandas como Dead Fish, Nação Zumbi, Mukeka di Rato não assusta tanto!

TMDQA!: Entre os discos “Yoga, Stress e Cafeína” e “Liberta” houve um vísível processo de amadurecimento do Rancore. Como vocês avaliam isto? Em “Seiva” também teve um amadurecimento no som e nas letras da banda?
Teco Martins: Foi uma evolução natural…evoluímos como indivíduos e conseqüentemente como artistas. Com certeza o Seiva teve uma evolução gritante também. Só ouvindo pra sacar!

TMDQA!: Quem assistiu o documentário da “Liberta Tour”, viu que a banda passou por algumas mudanças na formação. Isto refletiu no novo disco?
Teco Martins: Gustavo Teixeira (Gulão)  assumiu uma das guitarras e o Caggegi o baixo. Isso refletiu de forma muito grande, ambos trouxeram muita coisa boa para o som da banda. Mais da metade das músicas surgiu de algum riff do Gulão que é perfeccionista de uma forma às vezes incompreendida pelos outros da banda.
O Caggegi também somou muito, ele ajudou a compor várias letras. Tem uma letra que ele assina sozinho e canta comigo (5:20) e além disso grita muito bem.
Ele cantava numa banda de Grind chamada “Aterro Sanitário” . Os dois tocam demais e ter eles na banda é muita sorte pois além de ótimos músicos são grandes amigos!

Entrevista com Teco Martins do Rancore

TMDQA!: Como foi trabalhar com o Rafael Ramos, que tem produzido vários discos muito elogiados e está envolvido também em outros processos da Deck, a nova casa do Rancore?
Teco Martins: O Rafael é um anjo nas nossas vidas. Um anjo bem atormentado (risos). Trabalhar com ele esta sendo ótimo, ele entrou de cabeça no projeto do Rancore, mais do que qualquer um de nós imaginávamos que ele faria. Veio morar em SP uns tempos pra ensaiar conosco, ajudou no processo de composição de várias musicas.
Ele manja bastante e também é muito aberto a ouvir o que a banda tem a dizer. É um cara muito especial que na gravação cobra pesado, xinga, faz escândalo, manda se foder, mas tudo sempre em busca do melhor resultado. Entrou pro time e somou muito!

TMDQA!: Entre os convidados que participaram de “Seiva” estão o Rodrigo Lima (Dead Fish) e Sabine Holler (Jennifer Lo-Fi). Como surgiu a ideia de tê-los no álbum e como ficou o resultado?
Teco Martins: O Rodrigo é o cara! Todas as vezes que o Rancore toca com o Dead Fish eu fico olhando o show deles e pensando : eu sou um merda (risos). O processo de composição de um disco do Rancore para mim pelo menos funciona muito como um momento de auto-critica, de eu olhar pra mim mesmo e perceber no que eu estou vacilando, no que eu preciso evoluir para criar um som melhor.
Durante esse processo cai na real sobre o consumo desenfreado de carne da sociedade. Mesmo sem conhecer o Rodrigo direito arranjei o telefone dele e pedi para ir encontrá-lo para discutir sobre uma letra (pelo fato de ele ser vegetariano e por ser um letrista que eu admiro) . Ele me recebeu na casa dele e ficamos conversando sobre a letra, ele disse que tinha algumas coisas boas, outras que ele discordava, na real ele não escreveu nenhuma frase mas me indicou o caminho, me falou para ler sobre “impermanência”, conversamos sobre a vida e foi muito bom para mim. Quando fomos gravar a musica já tinha se passado uns 8 meses e convidamos o Rodrigo para ouvir, com receio de que ele não curtisse e não quisesse cantar, mas assim que ele ouviu o som perguntou: “- Onde eu entro? “ (risos)
Fiquei sem palavras, o melhor que eu pude falar na hora foi : “- Onde você quiser!” (risos)
Tê-lo no disco é ótimo não só pra mim mas pra todo o Rancore, todo mundo pira em Dead Fish que esse ano completa 20 anos de banda e logo menos grava disco novo apavorando todo mundo.

Quanto à Sabine eu disse pro Rafa que queria chamar uma menina muito especial para cantar em duas músicas e ele ficou receoso dizendo que eu era hippie que tava viajando na onda de energia, fazendo tudo de última hora, mas eu insisti e no último dia de gravação a Sabine foi lá e quebrou tudo. Todo mundo curtiu, ela fez uma espécie  de solo de voz no final da musica “A Ponte” e em “Inocentes”. O Rafa curtiu tanto que contratou a banda dela na semana seguinte! A Sabine é muito talentosa, sou apaixonado pela musicalidade dela.

TMDQA!: Por que o novo disco chama-se “Seiva”? O que os fãs podem esperar dele em relação aos outros trabalhos da banda?
Teco Martins: Essa palavra é linda cara! Procura num dicionário bom o significado, tem muito poder! Eu tinha um caderninho de letras e durante uma volta de show na estrada à noite na van eu rabisquei bem forte a palavra Seiva. Quando estávamos procurando o nome do disco encontrei essa palavra no caderno e todo mundo curtiu.
Durante um ritual de ayahuasca que eu participei eu tive uma experiência muito forte com a Seiva também! A ayahuasca faz uma espécie de limpeza no nosso corpo e alma, no começo do ritual ingeri o chá e fiquei na fogueira, pensando em tudo que eu estava errando e olhando uma lenha na fogueira queimando e babando a seiva, imerso totalmente naquela espuma e passando meio mal refletindo sobre a vida. Aí fiz a limpeza (leia-se cagar e vomitar) e me senti muito bem, em conexão com a natureza de forma muito forte, com pensamentos bons. Encostei minha cabeça em uma árvore a me senti ligado a ela, de olhos fechados assistindo muita coisa bonita, não sei quanto tempo passou mas quando “acordei” vi que saía um liquido dos meus olhos nariz e boca que se misturavam, como se fosse uma seiva, igual a lenha na fogueira! E o disco é essa seiva, é aquilo que saiu de todos nós que trabalhamos nele! Os fãs podem esperar um disco feito com toda dedicação, amor e alma, e que acreditamos ser o nosso melhor trabalho!

TMDQA!: Como  serão os formatos de “Seiva”? Além de CD e digital o disco será lançado em vinil?
Teco Martins: Acho que esse é o plano!

Entrevista com Teco Martins, do Rancore

TMDQA!: Aproveitando a pergunta anterior. Para vocês, a música no formato digital tem atraído mais as pessoas que no formato físico (CDs, LPs)?
Teco Martins: Acho que hoje mais gente consome a música de forma digital apesar da procura por vinil estar aumentando. Quem curte bastante o trabalho da banda compra o cd, principalmente de bandas brasileiras, pois além de ter um som melhor e ser acompanhado pela arte do disco, ajuda a banda a continuar produzindo.

TMDQA!: Tivemos a oportunidade de assistir três shows da “Liberta Tour” e eles eram caóticos, no bom sentido. Quais músicas do “Seiva” vocês acham que vão empolgar o público como acontece em sons com “Canto Gritando” e “Quarto Escuro”?
Teco Martins: Estou curioso também! Quem viver verá!

TMDQA!: Existe alguma novidade na sonoridade do disco ou outra curiosidade que você pode adiantar para os fãs da  banda ansiosos pelo novo trabalho?
Teco Martins: O Seiva é um disco mais amplo em todos os sentidos. Com certeza quem estiver esperando um Liberta 2 vai se surpreender, espero que para o bem!

TMDQA!: No documentário sobre a “Liberta Tour”, dá para perceber que o Rancore tem muitos fãs fieis. Alguns até chegam a tatuar o símbolo da banda ou trechos de letras. Como isso reflete para vocês membros da banda, já que marcar a pele é uma das maiores provas de admiração, respeito e até amor entre 2 partes?
Teco Martins: Esse lance da tatuagem saiu do nosso controle total né? Quando eu e o Ale fizemos a tatuagem do símbolo eu imaginei que algumas pessoas fariam isso mas realmente não imaginava que seria tanta gente. Quando caí na real que eu tinha que compor o sucessor do Liberta fiquei com medo, pensei em fingir que eu tinha morrido e sumir do país (risos)
Eeu senti muito a responsabilidade de mandar bem no cd principalmente pelas pessoas tatuadas, era algo que realmente não me deixou dormir bem por um ano saber que eu devia dar o melhor aquelas pessoas, sem descansar e sem vacilar. Ao mesmo tempo que isso nos dá muita felicidade e orgulho nos preocupa também!!!

Rancore - Tatuagem

O que eu acho bacana da tatuagem e que me acalma é que a pessoa não esta escrevendo RANCORE na pele, ela está fazendo o símbolo da banda e que além disso também simboliza algo muito bonito, que é a busca da evolução espiritual. Mas que fique claro: você não precisa ter tatuagem para se considerar fã, e se for fazer pense muito bem pois é algo pro resto da vida e a vida muda muito!!!!!

TMDQA!: Quais bandas vocês têm ouvido ultimamente? Alguma delas influenciou no novo disco?
Teco Martins: Ouvimos muita coisa durante a composição do Seiva, vou citar aqui algumas: Fugazi, At the Drive In, Radiohead, Nação Zumbi, Jorge Ben, Afhgan Whighs, Nirvana, Rancid, Thrice, Sabotage, Red Hot Chilli Peppers, Fiona Apple, The Clash, Alexisonfire, Phoenix, The Mars Volta, Rage Against The Machine, Sepultura, Ocean Size, Fu Manchu, Aerosmith, Belvedere, Queens of the Stone Age, Sá, Rodrix e Guarabira, Pixies, Pavement, Cripple Bastards, Arcade Fire, Jimi Hendrix, Bob Marley, Cássia Eller, Pearl Jam, Iggy and the Stooges, He is Legend, Morrissey, Planet Hemp, PJ Harvey, Ratos de Porão, Tim Armstrong, Tim Maia, Black Sabbath, The Growlers, entre outros.

TMDQA!: Ano passado eu tive a oportunidade de acompanhar um show solo seu aqui em Floripa, feito numa sala de estar. Sem falsidade, foi uma das apresentações mais fodas que eu já tive a oportunidade de presenciar, porque além do clima estar perfeito com frio, lareira, tapetes e vinho, seu material solo é bom demais. Você pretende continuar esse lado da carreira e até mesmo lançar um full length?
Teco Martins: Poxa valeu, legal saber que você curtiu, eu curti bastante esse show em Floripa também! Pretendo continuar sim com certeza, conciliando com meus compromissos com o Rancore que é minha prioridade… Quanto ao full length não há nada previsto, o que quero por enquanto é continuar me apresentando em parques, praças e salas de estar!

TMDQA!: Você tem mais discos que amigos?
Teco Martins: Sim!

Entrevista com Teco Martins, do Rancore