Black Pumas

A banda americana Black Pumas, sete vezes indicada ao Grammy, parece mais experiente do que de fato é, tendo lançado recentemente apenas seu segundo álbum, Chronicles of a Diamond. O disco, que conta com 11 faixas, foi produzido pelos próprios Adrian Quesada e Eric Burton, em um processo criativo mais colaborativo que transparece nas canções.

A familiaridade se deve, talvez, à sonoridade do soul e rock que o duo evoca, com o vocal de Burton sendo comparado a pesos pesados como Otis Redding, Al Green, Sam Cooke e Curtis Mayfield. Mas o Black Pumas não é uma cópia dessas que são, claramente, suas influências, trazendo uma produção moderna para canções que já nascem maduras.

No novo disco, Eric e Adrian oscilam entre baladas cheias de alma, como a gospel “More Than a Love Song”, e canções intensas, culminando na barulhenta “Rock and Roll”, gravada ao vivo em estúdio com banda completa. Chronicles of a Diamond é exatamente o que se propõe: um retrato de uma obra sendo lapidada.

A banda faz deste um aguardado segundo capítulo, após o bem recebido debut homônimo, que vendeu um milhão de álbuns pelo mundo graças ao sucesso do single “Colors”.

Black Pumas

O Black Pumas surgiu em 2017, unindo a trajetória de dois artistas que se complementam. Burton é um músico autodidata que começou a se apresentar em sua cidade natal, Los Angeles. Quesada é um vencedor do Grammy cujo histórico inclui tocar na orquestra de funk latino Grupo Fantasma.

Com passagens que vão do Grammy à posse presidencial de Joe Biden, incluindo um show no Lollapalooza Brasil, os músicos estão prontos para esta nova fase. Conversamos sobre o momento atual com Eric Burton por telefone. Confira logo abaixo!

Continua após o vídeo

TMDQA! Entrevista: Black Pumas

TMDQA!: Olá, Eric, tudo bem?

Eric Burton: Olá, estou muito bem, obrigado por perguntar. Como vai você?

TMDQA!: Estou ótima. É tão bom falar com você hoje, no dia do lançamento. Parabéns pelo novo álbum.

Eric: Obrigado [em português].

TMDQA!: Quero mergulhar de cabeça nesse novo disco. Estava pensando que o primeiro álbum geralmente é aquele que te dá tempo, certo? Você tem uma vida inteira de músicas. E aí você as grava no seu ritmo, mas com o segundo álbum, se tudo correr muito bem, haverá turnê, muitas expectativas. Então eu sei que vocês gravaram esse disco por talvez três anos ou mais. Então, como foi esse processo comparado ao que vocês tiveram antes?

Eric: Ah, sim, foi igualmente lindo. O processo foi diferente e baseado em onde estávamos individualmente. Com o primeiro álbum, eu estava fazendo shows solo e tocando na rua, escrevendo músicas, apenas usando violão e, às vezes, um piano. E Adrian iniciou seu envolvimento comigo me enviando instrumentais para escrever a música, para letras e melodia, e então metade do álbum parecia uma espécie de cobertura do material de outra pessoa nas letras e melodia, enquanto a outra metade do álbum foi como trazer meu material pessoal para a discussão entre um produtor e um compositor, onde tive algumas músicas que escrevi e estou trabalhando com o produtor. Então, o primeiro álbum foi 50/50 dessas duas coisas. E este álbum, embora tenha sido criado ao longo do tempo, tivemos mais colaborações conosco e entre a banda, desde a primeira conceituação da música sonoramente. Eu não acho que nenhum dos membros da banda com que tocamos ao vivo esteve presente no primeiro álbum. Então o segundo álbum pareceu um pouco mais colaborativo, nesse sentido.

Desde Adrian tendo sessões de uma semana com JaRon Marshall e apenas se divertindo produzindo faixas de Hip Hop, foi daí que veio a música para “Mrs. Postman”. Revisitamos a dinâmica do primeiro álbum para colaboração com “More Than a Love Song”, onde Adrian me enviou uma faixa que ele havia produzido para eu escrever algumas letras e melodias. E então começamos a colaborar um pouco mais na música em si. Enquanto estávamos em turnê, as ideias borbulhavam, como em “Sauvignon”, Adrian começou a fazer uma faixa, mas não tinha baixo, não tinha guitarra, em certos elementos, em certas partes dela. E então toquei guitarra no refrão de “Sauvignon”. E Brendan Bond tocou baixo durante toda a faixa. E isso foi algo que se tornou tangível enquanto estávamos em turnê, e então comecei a me encontrar em uma situação em que era esperado que eu chegasse à mesa com um pouco mais do que letras e melodias. Então desta vez também tem um pouco da minha produção no álbum, com músicas como “Ice Cream (Pay Phone)”. E também tive muito a ver com a música de “Rock and Roll”. E obviamente, “Angel” é uma música minha mais antiga, talvez eu a tenha escrito há 10 anos ou algo parecido.

A dinâmica com a qual criamos o álbum desta vez mudava de tempos em tempos. Quando gravamos “Angel”, revisitamos a dinâmica que utilizamos para tornar as faixas tangíveis, da mesma forma que fizemos com “Colors”, onde apresentei uma música completa e Adrian meio que entendeu como soava quando toquei com a banda, pela primeira vez, apresentei isso a ele. E ele disse, “ótimo, eu amo sua música. Eu amo o que a banda está fazendo nessa. Vamos gravá-la e juntar nossas cabeças em busca de ideias e como dar vida a ela”. E então ele teve muito a ver com a produção daquela música. É meio difícil dizer que desta vez tivemos apenas uma maneira de trabalhar. Mas no geral, foi muito mais um esforço colaborativo entre as pessoas que realmente tocam na banda. Então, para mim, parece um pouco mais exploratório e honesto, com um pouco mais de profundidade, eu acho.

Continua após o vídeo

TMDQA!: Sim, isso transparece totalmente nas músicas. E você, na verdade, tocou em muitos tópicos que eu queria discutir, e gostaria que pudéssemos falar sobre todas as músicas, mas vou falar apenas sobre More Than a Love Song. É uma maneira tão impressionante de começar o álbum, eu ficava toda hora voltando a ela. Eu sinto que essa é a melhor música que vocês lançaram, ponto final. Então você pode falar um pouco sobre a decisão de fazer dessa faixa de abertura?

Eric: Sim, o aspecto musical de More Than a Love Song veio de Adrian, a mensagem lírica por trás dessa música veio do meu tio, que costumava me encorajar o tempo todo, me dava “joias”, me lembrando que a vida é mais que uma canção de amor. Então isso significou muito para mim, poder compartilhar essa mensagem com o resto do mundo. Foi uma das primeiras músicas que gravamos para este álbum e também foi uma música que apresentamos ao nosso público ao redor do mundo. Então foi muito fácil para nós lembrar o efeito positivo que teve sobre nossos ouvintes e abrir logo com alguma familiaridade.

TMDQA!: Sim, isso totalmente faz sentido. E essa familiaridade é na verdade algo que eu queria perguntar a você. É apenas o seu segundo álbum, mas parece que estamos ouvindo vocês há muito tempo. De onde você acha que vem essa familiaridade?

Eric: Bem, acredito que os artistas foram cultivados dentro de todos nós, como banda, individualmente… viemos de uma longa linhagem de cantores de rock and roll e soul, e definitivamente somos de um lugar onde parece bastante natural seguir o modelo de cantores soul e bandas de rock que vieram antes de nós, bem o suficiente para pedir emprestado o carinho dos ouvintes. O carinho que os ouvintes têm por alguns dos artistas que vieram antes de nós é tão familiar, porque a nossa música está vestida com a estética de alguns dos maiores músicos e bandas de todos os tempos.

Continua após o vídeo

TMDQA!: Certamente parece muito familiar. Mas traz algo novo, certo? E você mencionou seus dias de cantar na rua, e acabei de ver um post no Instagram onde você estava muito animado para apresentar uma master class. E você disse que, se não fosse pela música, você teria ido para a área da educação. E eu ia falar sobre como tocar na rua pode ser uma forma realmente poderosa de aprender como conquistar um público, certo? Mas você está passando adiante desta vez. Você não sente que há uma sobreposição entre o que você faz no palco e, de certa forma, educar as pessoas?

Eric: Sim, mais ou menos, eu acredito nisso. Atuar no palco é uma forma de educar as pessoas. E vou dizer desta forma, acho que quando chegamos a shows, nos sentimos atraídos pela necessidade de ver uma reciprocidade de sua vida refletida em outra pessoa. Ela está exibindo como é ir de um lugar para outro, isso quase funciona para inspirar as pessoas, as pessoas são capazes de viver indiretamente através da maneira como superamos nossos obstáculos no palco. E assim, num nível superior, parece uma educação energética, para quem tem olhos e ouvidos para ouvir a música, além de se emocionar com a nossa interpretação da vida.

Continua após o vídeo

TMDQA!: Sim, é isso que o torna lindo. Você estava falando sobre ter um papel mais ativo na forma como esse álbum soaria. Eu li em algum lugar seus pensamentos sobre composição, e você se refere a isso como a busca pela verdade e honestidade. E muitas pessoas veem a escrita como uma forma de explorar a si mesmas, de se conhecer. Então, eu só estava curiosa para saber se há alguma coisa que a composição lhe ensinou sobre você, que você só descobriu através da música.

Eric: Eu acho que, especialmente no que diz respeito ao meu relacionamento com aqueles que pilotam a música no lugar de ouvintes, a composição me ensinou que minha voz é válida, independentemente de onde ela vem, ou como soa no momento, que a voz humana é válida pelo simples fato de estarmos todos vivos hoje. E todos refletem uns aos outros, sentindo as mesmas necessidades e emoções de várias maneiras. Saber disso e aprender isso continuamente me encorajou a continuar a ser honesto e a buscar aquilo que me move pelo simples fato de que, se eu for honesto, isso irá, inegavelmente, comover outras pessoas também.

TMDQA!: Sim, com certeza. Agora, Eric, eu sei que tenho que te liberar. Mas quero encerrar a nossa conversa falando do seu último show aqui no Brasil, porque vocês tocaram no Lollapalooza. E agora vocês terão uma nova turnê já na próxima semana, eu acho. Então você sabe que preciso perguntar: há alguma chance de adicionarem a América do Sul em algum momento?

Eric: Acredito que a América do Sul é definitivamente um dos nossos lugares favoritos, nossa região favorita do mundo pelo simples fato de que as pessoas estão muito entusiasmadas com a música, acho que tem uma maneira muito rica de receber o que temos que a oferecer, o que valida todo o nosso trabalho árduo. Então se ainda não tem nada programado, garanto que vai ter. Sentimos muito a falta de vocês.

TMDQA!: Sim, e nós de vocês. Então, por favor, venha.

Eric: Pode deixar!

TMDQA!: Então, muito obrigado. Espero que você se divirta com este novo álbum e talvez ele o traga de volta para nós.

Eric: Obrigado. [em português]

TMDQA!: Até breve.

OUÇA AGORA MESMO A PLAYLIST TMDQA! BRASIL

Música brasileira de primeira: MPB, Indie, Rock Nacional, Rap e mais: o melhor das bandas e artistas brasileiros na Playlist TMDQA! Brasil para você ouvir e conhecer agora mesmo. Siga o TMDQA! no Spotify!