Seu Jorge, Papatinho e Black Alien
Foto por Lana Pinho
 

Considerado um dos maiores produtores do Brasil atualmente, Papatinho resolveu trazer uma mistura única em sua nova música “Final de Semana”: a lenda do Rap nacional Black Alien Seu Jorge.

Como a própria letra diz, “é uma mistura de samba com rap, baile de favela com pagode e boombap na medida pra fazer seu corpo todo mexer”. Aproveite que o final de semana está chegando e dê o play logo a seguir!

Rimon Guimarães

O multiartista Rimon Guimarães já pintou murais em mais de 27 países, mas agora traz sua expressão em formato de música — e é com a excelente “Luta Diária”, uma posição forte dentro do contexto político-social que vivemos.

Na faixa, ele enxerga a arte como forma de resistência e luta e também como instrumento para debater desigualdades e apresentar realidades. Instrumentalmente, a canção une elementos analógicos e digitais como uma flauta indiana e um beat digital.

Além de Rimon na voz e concepção, “Luta Diária” tem produção e percussão de Gui Miúdo, baixo de Allan Giller Brancostill-drum (instrumento exótico do Caribe) tocado por Ian Giller Branco e participação especial de Maurício Fleury no sintetizador e Daniel Gralha (Bixiga 70) no trompete, processado com pedais de efeito.

O resultado é fantástico e é só curtir a seguir.

Axel Lór

Unindo o Trap e o Pagode Baiano, Axel Lór segue sua ótima carreira música com “Reinado”, que exalta a ancestralidade de reis e rainhas africanas trazidos e confundidos para um Brasil Colônia escravista — segundo o próprio Axel, “o refrão ‘Eu sou rei seu puto’ nada mais é do que um corpo negro e periférico protestando por respeito”.

Com forte influência do álbum visual Black Is King, de Beyoncé, o artista baiano faz jus à sua proposta de representatividade no clipe da faixa. Como ele mesmo descreve, as pessoas presentes representam “corpos normais, dança popular e muita alegria”, contando com “a mulher negra, os rapazes festivos, gays e duas meninas transgêneros” para isso.

Além de tudo, a inserção de elementos do Pagode Baiano ajuda o artista a dialogar com um público mais geral do que em seu som tradicional, mais puxado para o Rap. Segundo ele, esse gênero “é o carro-chefe quando se trata de música na cidade de Salvador” e isso faz com que “o estilo [se torne] mais acessível à minha classe”.

Composta por Axel, “Reinado” tem produção, mixagem e masterização de Faustino Beats  e captação de efeitos assinada por Berott. O clipe foi concebido pelo próprio artista e dirigido por Itan Viana (também responsável pela capa do single), com produção da Studio Hat e maquiagem de Reynaldo Alves. Os atores presentes são Ebert Amorim, Gabriela López, Marina Rodrigues, Nicolas Mateus, Pietra Felipa, Rebeca Cainã, Yuri Alves e Yuri Rodrigues, com making of assinado por Diney Araújo.

The Boy

Trazendo uma nova estética que inclui até elementos da língua francesa, o rapper The Boy está de volta com “Mademoiselle”.

A canção não abandona totalmente a estética do Trap estadunidense que o artista costuma explorar, mas ele mesmo explica que quer “abrir a mente do Trap nacional mostrando que tem como trazer vários elementos diferentes para o som”, destacando que não é preciso se restringir ao Brasil e EUA.

Ele destaca também que estava “estudando bastante” e reparou que o francês é uma “língua muito elegante”, encaixando perfeitamente como o “toque especial” que buscava para sua nova música, que conta com produção de @neckkklace e mixagem e masterização de Luciano Scalercio. O clipe é dirigido por Flipp e @thejp_oficial.

MC Cabelinho

Flamenguista apaixonado, o MC Cabelinho usa a célebre frase do atacante Bruno Henrique sobre estar em “Outro Patamar” como título de um single que abre a nova fase de sua carreira, que será imortalizada no disco Little Hair, previsto ainda para este semestre.

Conhecido pelo trabalho no Funk, Cabelinho abre espaço para a batida do Rap e do Trap na nova canção que tem produção assinada por Ajaxx, Dallas DJ Juninho. Confira!