Armie Hammer
Foto via Wikimedia Commons

Na última segunda-feira (11), tivemos que dar a chocante notícia de que o ator Armie Hammer foi acusado de canibalismo e diversos abusos, tanto físicos quanto mentais.

O caso chocou a internet justamente por estar acompanhado de conversas que o cara supostamente teve com as vítimas, e agora foram publicados novos trechos que adicionam ainda mais provas de que o caso é bastante real.

Naturalmente, avisamos que o conteúdo é bem pesado e gráfico e recomendamos que pessoas com possíveis gatilhos não leiam os próximos parágrafos.

As imagens foram novamente compartilhadas pela usuária @houseofeffie no Instagram, e incluem falas tão pesadas quanto as de antes. Armie teria dito coisas como “quero ver seu cérebro, seu sangue, seus órgãos, cada parte de você” e afirma que “definitivamente tentaria mordê-los” ou então que tentaria transar com as vísceras da mulher.

Ele teria falado ainda sobre transar com a mulher até ela “entrar em estado vegetativo”, no qual ele iria “mantê-la, lavá-la e continuar transando” com ela “até que ela estivesse tão dolorida e quebrada”. Hammer também volta a falar de forma excitada sobre consumir o sangue da mulher.

Novas conversas de Armie Hammer

Além de tudo isso, o ator que ficou famoso por sua participação em Me Chame Pelo Seu Nome ainda enviou uma foto em que aparece simulando um enforcamento, conforme você pode ver no Tweet ao final da matéria.

Como contou o site de Hugo Gloss, também foram publicadas conversas em outras plataformas como o WhatsApp, onde ele chegou a dizer para a mesma garota que precisava “comer o seu corpo inteiro” e que queria “morder pedaços dela”. Ela responde questionando quão bêbado ele estaria.

Já em outra plataforma, Armie parecia combinar um encontro com a mulher enquanto cuidava da filha pequena, Harper. O caso obviamente teve um impacto enorme na família de Hammer, e a sua ex-esposa Elizabeth Chambers teria dito estar chocada com tudo que surgiu na mídia mas não duvida da veracidade dos relatos.

Quem confirmou que as “mensagens sexuais canibais” são reais foi a escritora e editora Jessica Ciencin Henriquez, com quem Armie teve um caso em 2020. Ela disse que é hora de nos questionarmos por que “vivemos em uma cultura disposta a dar aos abusadores o benefício da dúvida em vez das vítimas”.

Armie e sua equipe ainda não se pronunciaram sobre as acusações.

 
Compartilhar