Sum 41 - Still Waiting e The Hell Song
 

Ah, os Anos 2000! Que saudades de uma época em que as redes sociais nem sonhavam em existir, o Rock disputava as paradas com a música Pop e diversas bandas interessantes saíram do underground para tomar conta do mainstream.

Foi nesse contexto que o grupo canadense Sum 41, formado em 1996, causou seu impacto no mundo principalmente através dos dois primeiros discos, All Killer No Filler (2001) e Does This Look Infected? (2002).

No último, demos muita risada com dois clipes que mostram exatamente o que acontecia na música global da época.

Sum 41, The Strokes, Napster e mais…

A banda liderada por Deryck Whibley se deu bem apresentando uma visão bem característica para o Pop/Punk que, junto com o Emo, arrastava multidões de jovens que vinham descobrindo novos sons através de shows de bandas independentes.

Acontece que ao mesmo tempo em que tudo isso acontecia, a indústria da música também estava em ebulição com “os pais do indie”, que ganhavam força principalmente através de bandas como o The Strokes, que explodiu logo no disco de estreia com sua mistura de revival do rock das décadas anteriores e muito rock alternativo.

Como sempre acontece com grandes movimentos musicais, as gravadoras rapidamente começaram a catapultar outros nomes e foi isso que aconteceu, por exemplo, com The Hives, The Vines, The White Stripes e The Libertines.

Caso você não tenha percebido, todos eles tem o “The” no nome e foi justamente isso que o Sum 41 resolveu sacanear no clipe oficial de “Still Waiting”.

“Still Waiting”

No início do vídeo, os integrantes do grupo aparecem conversando com um empresário que diz que “o lance dos números” já é coisa do passado, falando sobre o Sum 41 e citando o blink-182, inclusive, além de inventar o “Green Day 75”.

Segundo ele, a moda agora era usar o “The”, e por isso a banda passaria a se chamar The Sums.

No clipe, a estética faz referência ao vídeo oficial de “Last Nite”, do The Strokes, e até seus integrantes ganharam novos nomes como Sven, conectando-se a bandas europeias como o The Hives, e Sergio, fazendo referência ao baterista brasileiro do Strokes, Fabrizio Moretti.

Mas não foi só essas trolladas que a banda deu na música da época não…

“The Hell Song”

O segundo single do álbum foi a sua faixa de abertura, “The Hell Song”, e o Sum 41 resolveu fazer uso do humor novamente.

Aqui, todos os integrantes foram transformados em brinquedos e seus rostos aparecem colados em shows improvisados, viagens de helicóptero, cenas de bebedeira no backstage e mais.

Acontece que na maior parte do tempo eles não estão sozinhos, e podemos ver bonecos que representam inúmeros personagens da cultura pop dessa época.

Marilyn Manson aparece no visual “Mechanical Animals”, o Metallica dá as caras com Lars Ulrich segurando uma placa contra o Napster, plataforma de compartilhamento de MP3 que ele levou aos tribunais, a família Osbourne aparece com bonecos de Ozzy, Sharon, Jack e Kelly por causa do reality show The Osbournes e muito mais.

Ainda temos artistas como o rapper Snoop Dogg, as Spice Girls, KISS, o ex-presidente dos Estados Unidos, George Bush, a boy band NSYNC, Alice Cooper, o nu metal muito bem representado pelos membros do KoRn, Angus Young (AC/DC), Eminem, Destiny’s Child, Ludcaris e outros.

Mais do que falar, o divertido é dar logo o play nessa verdadeira pérola lançada há quase 20 anos, e você pode fazê-lo logo acima.

Em tempo, o clipe de “The Hell Song” foi indicado ao prêmio de “Melhor Clipe Inovador” no VMA de 2003, na MTV, concorrendo com nomes como Queens Of The Stone Age (“Go With The Flow”) e Coldplay (“The Scientist”).

Ao final das contas, perdeu tanto essa quanto a categoria de Melhor Direção para o Coldplay.

LEIA TAMBÉM: o clipe de “Break Stuff”, do Limp Bizkit, é um retrato bem doido dos Anos 2000