Capa de
Foto: Divulgação
   

Aos 24 anos, podemos dizer que a cantora Ana K está muito bem encaminhada. Através do Inbraza, selo da Som Livre, ela lançou seu primeiro EP, intitulado Tudo Pra Mim. Nas três faixas, ela mostra sua versatilidade de forma divertida e descontraída.

Mesclando R&B com elementos da MPB, a faixa-título ganhou um videoclipe produzido por Ygor de Oliveira, que tem trabalhado com nomes da atual cena pop, como OUTROEU, Carol Biazin e Day.

Sobre o lançamento, a cantora conta:

Me sinto eufórica em colocar minhas músicas no mundão, soltar o clipe e ver as pessoas sentindo coisas boas com a minha arte. A gratidão de estar com um time tão maravilhoso me dando suporte e acreditando comigo, tornou essa história uma trajetória extraordinária e que, se Deus quiser, está só começando.

Além de “Tudo Pra Mim”, o EP conta com as faixas “Chamar Seu Nome” e “Deus É Mãe“. Confira abaixo, assim como o clipe.

 

Ok John

Ok John
Foto: Divulgação

Por falar em artistas jovens, precisamos falar também sobre o cantor e compositor João Pedro Leite, que, aos 22 anos, disponibilizou seu primeiro EP sob o nome artístico Ok John.

Disponível em todas as plataformas, o homônimo lançamento, gravado em um estúdio no Rio de Janeiro, conta com três faixas inspiradas fortemente pelo rock alternativo. Entre suas principais influências estão nomes britânicos como Oasis, Arctic Monkeys e The Beatles.

Confira abaixo o material, que conta com riffs marcantes, guitarras distorcidas e refrães melódicos.

 

Bella Schneider

Bella Schneider
Foto: J.G.Schneider / Arte: Tiago Selva

Diretamente de Pernambuco, a cantora Bella Schneider lançou recentemente seu disco de estreia, intitulado ELA.

Com temáticas fortes e uma estética singular que vê o pop eletrônico sob uma perspectiva mais brasileira, o trabalho conta com oito faixas, que incluem uma parceria com Romero Ferro (“TAKE ME“). A produção do disco é assinada por Diego Marx, enquanto a mixagem ficou por conta de Henrique Andrade e Ricardo Ponto. Já a masterização foi feita pela E-master (Holanda) e por Felipe Tichauer. Todos esses mencionados, vale enfatizar, já ganharam prêmios do Grammy.

As músicas tratam de temas relacionados ao amor, a experiências da vida e a superações. Sua versátil sonoridade é definida, segundo a própria Bella, como “popzeira”:

As músicas desse álbum narram as minhas vivências, meus sentimentos, as experiências que me marcaram profundamente e questões que modificaram meu olhar, como a depressão, os relacionamentos abusivos e a sociedade líquida. Eu desejo do fundo da minha alma que estas canções cheguem no coração das pessoas, quero que elas se sintam encorajadas e felizes.

 

Amorym

Amorym
Foto: DIvulgação

Dando início à divulgação de seu novo EP Alma e Violão, o cantor Amorym divulgou o single “O que Toca o Peito“.

Como o nome entrega, a canção é, de fato, um manifesto feito de peito aberto. Trata-se de uma reflexão às injustiças sociais e ao preconceito estrutural que permeia nossa sociedade. “Eu quis me abrir, mostrar ao ouvinte como nascem as canções e fazer de forma mais intimista e verdadeira possível”, conta Amorym.

Após um currículo com passagens por diversos projetos e estudos voltados ao jazz, à bossa e à música instrumental, ele entra em uma nova fase de sua carreira, mais intimista. Confira abaixo o lyric video:

 

Urbanites

Urbanites
Foto: Divulgação

Resgatando o lado mais melancólico do movimento britpop, a Urbanites lançou a nova música “Here with You“. Inspirada por Oasis e The Verve, a novidade, que estará presente no próximo EP da banda, traz um clima mais introspectivo e reflete sobre aprendizados pessoais.

A narrativa musical apresentada evidencia um processo de amadurecimento e auto-descoberta. São contemplados temas como ilusão, autoengano, percepção e perseverança. No entanto, a mensagem que fica é positiva: é possível ser feliz com o que existe dentro de nós. Segundo o vocalista Guilherme Lazzari:

A música tem essa nostalgia com situações boas do passado, mas reviver isso nos distrai do que está acontecendo no presente. O momento atual nos mostra que precisamos de muito menos do que achávamos que era necessário. A chave para a nossa realização está dentro de nós mesmos.

A canção veio acompanhada por um clipe que puxa uma estética “anos 90”, que conta com a direção de Joaquim Sarmento. Confira abaixo:

 

O Limce

O Limce
Foto: Divulgação

A denúncia das desigualdades sociais adotam um outro tom na voz do rapper carioca Luciano Moreira, O Limce. No novo EP 1985, lançado recentemente, ele relembra o ano em questão, marcado por muita violência e corrupção. Por sinal, foi nesse período que Luciano se descobriu um agente de transformação através do poder da arte.

São nove músicas em tom confessional, que são ao mesmo tempo nostálgicas e atuais. O repertório narra as vivências de um jovem cheio de sonhos que foi criado na periferia. Também marcam presença temas como autoconhecimento e mudanças de comportamento.

Sobre o conceito do disco, O Limce conta:

‘1985’ fala sobre quando entendi quem eu era diante de um cenário difícil que um jovem negro e favelado encontra no Brasil, com perspectivas muito baixas, e mostra todo o caminho que fiz até aqui.