CPM 22 na Live do João Rock
Foto por Matheus Ramos
   

Recentemente, o CPM 22 nos presenteou com “Escravos”, single que surpreendeu pela sonoridade mais pesada do que de costume, e não apenas no instrumental, mas também na letra, que mistura críticas aos políticos, questões sociais, fake news e outros temas.

Além disso, foi a primeira música gravada após turbulentas trocas de integrantes na banda, mostrando que o ânimo e a produtividade não foram abalados. A nova formação, tem Ali Zaher (ex-Reffer) no baixo e Daniel Siqueira (Garage Fuzz) na bateria, além do vocalista Badauí e dos guitarristas Luciano Garcia e Phil Fargnolli.

Em conversa com o Podcast TMDQA!, Badauí disse que a faixa foi composta no começo do ano, antes dos acontecimentos internos e da pandemia, quando a banda planejava lançar um EP e sair em turnê comemorativa dos 25 anos de CPM 22.

Apesar de não ser tão recente, ‘Escravos’ tem esse clima mais ‘pegado’ e atual mesmo, graças à energia dos novos integrantes. Antes da pandemia, a ideia era soltar algumas poucas inéditas e incluir numa turnê especial que começaria em maio, em Porto Alegre, e seria cheia de homenagens e músicas antigas. A gente queria inclusive tocar o Felicidade Instantânea na íntegra, porque o disco também tá comemorando 15 anos. Mas, quando veio o isolamento, eu o Luciano ficamos presos em casa e começamos a compor uma atrás da outra, saíram mais 18 músicas novas. Aí depois de tudo que rolou com a banda, e quando a pandemia deu uma acalmada, começamos a gravar cada um no seu canto.

O cantor revelou, em primeira mão, que a banda irá lançar um single novo por mês de outubro a janeiro, e antecipou o que os fãs podem esperar das canções.

A gente nunca foi muito de lançar uma música por vez, mas é uma tendência nova de consumo, então vamos fazer assim. Dessas que vão sair nos próximos meses, tem um pouco de tudo. A banda sempre levou em conta diferentes influências do punk, hardcore, emo, indie e ska. Mas tudo isso tá dentro de um contexto alternativo, de uma forma ‘visceral’ de música, e a gente sabe encaixar as coisas dentro da ‘cara’ do CPM. O que muda é só o amadurecimento, porque nos primeiros discos eu tinha 20 anos, o vocabulário muda e as experiências que você adiquire na estrada também. A que vai sair em dezembro é meio diferente de tudo, mas também tem algumas reconhecíveis de cara, como uma que eu fiz pra minha mulher, ou outra chamada ‘Ditados’ que faz uma brincadeira com frases populares que o Brasil tem.

Você pode assistir a esse trecho específico através de vídeo publicado no canal do Tenho Mais Discos Que Amigos! no YouTube.

Para ouvir o episódio completo, é só usar o player abaixo e/ou procurar pelo Podcast do Tenho Mais Discos em sua plataforma de streaming/podcasts favorita.