Donald Trump e TikTok
Fotos via Wikimedia Commons e Shutterstock

Donald Trump está pronto para dar mais um passo autoritário em sua trajetória política e vai banir o download do aplicativo TikTok nos EUA.

Com mais de 100 milhões de usuários no país, a plataforma é acusada pelo mandatário de “ameaçar a segurança nacional, política externa, e economia dos Estados Unidos” por supostamente guardar dados sensíveis dos clientes e compartilhá-los com a China.

Depois de algumas tentativas de negociação, a empresa ByteDance, que comanda as operações do app, chegou a um acordo com a americana Oracle. Acontece que alguns detalhes, como a venda do algoritmo que é utilizado na rede social, não foram acertados e portanto o negócio não foi aprovado.

Por isso, já neste domingo (20/09), o TikTok será oficialmente tirado de todas as lojas de aplicativos dos EUA juntamente com o WeChat, aplicativo similar ao WhatsApp comandado pela mesma firma chinesa.

Os usuários que ainda tiverem o app baixado poderão utilizá-lo normalmente, pelo menos até o dia 12 de Novembro — a partir dessa data, se não houver um novo acordo fechado que agrade o presidente até lá, o serviço será essencialmente banido na íntegra.

Como reporta a Loudwire, o Secretário do Comércio do governo dos EUA, Wilbur Ross, falou que as medidas acontecem para “combater a coleta maliciosa de dados da China de dados pessoais dos cidadãos americanos, enquanto promovemos os nossos valores nacionais, normas democráticas baseadas em regras e aplicação agressiva das leis e regulações dos EUA”.

TikTok e Donald Trump

O TikTok afirmou que no último ano tentou “engajar em boa-fé com o governo dos EUA para encontrar uma solução construtiva às preocupações que foram expressadas, [mas] o que foi encontrado foi que a Administração não presta atenção aos fatos, ditou termos de um acordo sem passar pelo processo legal padrão, e tentou se inserir em negociações entre negócios privados”. Justamente por isso, a plataforma entrou com um processo.

Vale lembrar que, em meio a tudo isso, o presidente do TikTok, Kevin Mayer, renunciou de seu cargo após supostamente ter ficado de fora das negociações que envolvem a venda das operações do app.

 
Compartilhar