Introdução por Caio Stanccione

É impossível datarmos um dia, uma semana ou mesmo um ano em que cultura clubber se iniciou, o mais correto é procurarmos entender de onde veio sua essência. Se estudarmos mudanças de comportamento, fatos históricos e claro, o caminho que o mercado da música tomou em um período específico da história da humanidade, fica evidente quando e por que o conceito de se reunir em um ambiente escuro, pouco ventilado e com um som extremamente alto surgiu. Mas, calma, hoje a aula será prática e o nosso professor é um dos melhores DJs que o Brasil possui: Kaká Franco.

Kaká é um ávido colecionador de discos de vinil — hábito que se mantém por mais de duas décadas — e alimenta seu acervo principalmente com House Music, tanto que é um dos personagens mais fundamentais em manter viva essa cultura no Brasil. A bagagem adquirida por ele durante todo esse tempo o tornou um dos expertises no assunto e isso garantiu convites para apresentações em projetos de nível mundial como o Boiler Room, além de já ter passado por quase todos os clubs e festas do eixo sudeste-sul do nosso país, incluindo os grandiosos Warung Beach Club e D-EDGE.

Em contato direto com Kaká, nós o convidamos para que ele selecionasse 5 discos que foram fundamentais na transformação e evolução da Dance Music para o que conhecemos hoje. A dica é dar o play em cada um dos lançamentos.

Kaká Franco e 5 Discos Para Entender a Música Eletrônica

1. Kraftwerk – Autobahn [1974]

É impossível falarmos de música eletrônica sem citar a banda que inspirou praticamente todos os artistas que viriam se tornar os fundadores da House Music e Techno nos Estados Unidos.

Eu escolhi o quarto álbum de estúdio do Kraftwerk, Autobahn porque foi justamente nesse trabalho em que a banda mergulhou de vez na sonoridade sintética que drum machines e sintetizadores produzem. A faixa “Autobahn”, que intitula o trabalho, foi uma revolução em termos de sonoridade e estética, quase que um prenúncio de como a música clubber se comportaria no futuro. Uma curiosidade é que o álbum desde 2015 faz parte do Hall Da Fama do Grammy, onde são nomeados os álbuns de mais impacto na música como um todo.

2. Giorgio Moroder – From Here to Eternity [1977]

Giorgio Moroder foi o artista que pegou a Disco Music e substituiu quase todos os elementos que o estilo tinha como padrão por sintetizadores e baterias eletrônicas. Os metais deram lugar a riffs e leads, as sessões de cordas se tornaram arpejos sintetizados — marca registrada de Moroder — assim como as linhas de baixo, que vinham de sintetizadores como o clássico Moog.

Com toda essa revolução sonora somada ao andamento 4/4 que a Disco Music tem, fica fácil entender o porque de Giorgio é considerado um dos pilares que a música eletrônica possui através da Italo Disco. From Here to Eternity é um álbum contínuo, sem pausas entre as músicas, remetendo a principal função de um DJ, que é de não deixar o som parar nunca. Giorgio Moroder ainda trabalhou ao lado de Donna Summer, David Bowie, Kylie Minogue e também compôs trilhas sonoras filmes como Scarface e Midnight Express. Giorgio também compôs a música tema da Copa do Mundo de 1990 e assinou até um carro, o Cizeta-Moroder.

3. Frankie Knuckles – Your Love [1987]

Frankie Knuckles é considerado o patrono da House Music, fez parte da primeira leva de DJs residentes do club Warehouse em Chicago, local onde é creditado o nascimento da cultura House Music — inclusive o nome House Music vem justamente do nome do club, Warehouse. Responsável por uma quantidade enorme de hits que são tocados até hoje, eu escolhi “Your Love” para essa lista por ser a primeira música que Frankie fez em sua carreira, logo de cara tornando-se um hit pela cidade de Chicago.

4. Cybotron – Clear [1983]

A música eletrônica como nós conhecemos nos dias de hoje nasceu de forma quase que simultânea em duas partes dos Estados Unidos durante os anos 80, Chicago e Detroit. Para representar Detroit, acredito que não exista um álbum melhor que Clear do duo Cybotron formado por Juan Atkins e Richard Davis, artistas que estavam muito à frente de seu tempo com a sonoridade apresentada neste álbum. Chicago sempre teve um lado mais orgânico e menos agressivo em termos de sonoridade, enquanto Detroit com suas inúmeras fábricas e clima industrial causava o oposto nos grupos e DJs que ali viviam. As músicas são sempre bem sintéticas e obscuras. É por isso que Detroit é o berço do Electro e do Techno.

 

5. Marshall Jefferson – Move Your Body [1986]

Marshall Jefferson não imaginava o impacto que “Move Your Body” causaria na então jovem House Music adicionando um instrumento conhecido por todos, o piano. Antes de ser lançada, nenhum DJ havia tentado trabalhar um beat eletrônico com piano, sem querer Marshall Jefferson acabou criando o que seria a marca registrada da vertente musical e é justamente por isso que escolhi esse disco para encerrar essa lista. Sem “Move Your Body” a House Music não teria uma música tema.