Alex Lifeson do Rush
   

Foto de Alex Lifeson via Shutterstock

Alex Lifeson, guitarrista da icônica e influente banda canadense Rush, deu uma entrevista para o site Team Rock e por lá contou sobre suas experiências com drogas.

Ao falar que a maconha é a sua preferida, ele começou a abordar outra droga com a qual se divertiu bastante, o ecstasy:

Eu tomei ecstasy e foi muito divertido. Isso foi no meio dos anos 90. Eu amei. Muitos relacionamentos se abriram e se tornaram mais profundos, e continuam assim. Essa é a droga com a qual você tem todos os tipos de experiências e elas ficam com você. Eu descobri que depois de um tempo o efeito passou. Quanto mais você usa, menos se parece como as primeiras vezes.

Para ser mais específico, Lifeson ainda falou sobre um dia em que usou a droga com a sua mulher:

Eu me lembro de tomar E uma noite com a minhas esposa, só nos dois. Na sala de estar de nossa casa antiga a gente tinha um aparelho de som enorme – 6.000 watts ou algo assim. Nos vestimos e sentamos lá tomando suco de laranja e fumando milhares de cigarros e ouvimos Nine Inch Nails e Tool – todo tipo de música pesada, alta e intensa. Nos divertimos muito.

Piores músicas do Rush

Na mesma entrevista, Lifeson ainda citou algumas das músicas do Rush que considera as piores da banda, falando de “Tai Shan”, do disco Hold Your Fire (1987) e “Panacea”, do disco Caress of Steel (1975).

Quando o repórter diz que elas soariam bem sob o efeito de ecstasy, Alex brinca com a característica “social” e “amorosa” que a droga proporciona: “Oh meu Deus! Nós mandamos muito bem nessa música! E eu te amo!”