Cuatro Pesos de Propina no Festival Bradamundo
Foto: Suelen Grimes

O sábado no Bradamundo já chegou mostrando um dia quente, com o vento mais calmo e com a programação começando cedo. Ainda pela manhã, teve o início das excursões  levando o pessoal para os cânions e também para a praia, proporcionando belas imagens para o público sem custo algum.

Já no parque, às 14h foi a Irmão Victor que inaugurou as atividades no Palco Floresta com um show criativo e psicodélico que teve no seu final os membros da Exclusive e os Cabines cantando 4 músicas (de ambas as bandas) junto com eles. Pelo estilo semelhante das duas bandas, elas se tornaram complementares para essa apresentação.

A sequência no Palco Floresta foi com O Mundo Analógico trazendo uma mistura de ska e hardcore que agitou o público presente.

A próxima atração, ainda no mesmo palco, foi a Vlad V cantando as músicas de sua carreira acompanhado dos meninos da Máquina Seca, ex-membros da ótima Scarlett, que deram um caldo belíssimo para o prog-rock-blues da apresentação.

A última banda do dia a tocar no Palco Floresta foi a Oros Boros que mostrou como é possível ser intimista, dançante e até hipnótico através de um som orgânico, com destaque para o modo particular de como o violoncelo era tocado nas músicas da banda.

Após a Oros, foi iniciado os shows dos palcos principais com a primeira apresentação de hip hop do festival, que veio através das vozes das mulheres. A rapper Versa trouxe seu boom bap agressivo acompanhada das convidadas Preta Keity e Anarima, realizando as três juntas uma parceria bem harmônica.

A segunda atração de hip hop foi a primeira apresentação internacional. A uruguaiana Eli Almic rimou em cima de uma sonoridade e de arranjos muito bem construídos por sua banda nesta que foi a primeira apresentação da artista no Brasil.

Na sequência, tivemos a Muñoz com um dos shows mais marcantes da noite. Na turnê de seu mais novo álbum, Nekomata, o duo veio acompanhado de duas mulheres que ajudavam a banda com as percussões e também vocais. O show da Muñoz foi especial por mostrar uma mistura muito única de ritmo, peso e lisergia. Não é à toa que esta banda está presente no line-up de todos os festivais do Circuito Psicodália de Carnaval.

Foto: Muñoz – Por Suelen Grimes

Depois deles, tivemos mais uruguaios! A banda Cuatro Pesos de Propina fez um show contagiante com a sua cumbia-rock que botou a galera para dançar e justificar o reconhecimento que essa banda vem tendo por toda América Latina.

Deixando a dança de lado e voltando ao peso, a temática e caracterizada Apicultores Clandestinos fez um show animadíssimo com seus riffs exemplares e um performance potente.

Os últimos shows da noite vieram em dobro com a dobradinha das lisérgicas e gaúchas Mar de Marte e Quarto Ácido fazendo duas apresentações curtas, mas de muita presença.

Depois da tradicional discotecagem ao fim da noite, o terceiro dia começa e já promete muito som com shows de Terno Rei, Potyguara Bardo, Francisco, el Hombre, El Efecto e muito mais!

Leia o relato do primeiro dia por aqui.