David Bowie
Foto: Reprodução/YouTube
 

O tempo realmente voa. Há exatos 4 anos, recebíamos durante a madrugada uma das notícias mais chocantes da história da música: David Bowie morreu aos 69 anos de idade.

Primeiro veio a surpresa, já que ninguém sabia sobre o diagnóstico de câncer do músico (que fez questão de escondê-lo). Depois, inevitável como ela só, veio a tristeza, e também a noção de que acabávamos de perder um dos cantores mais talentosos, celebrados, icônicos e famosos de todos os tempos. Um artista verdadeiramente à frente de seu tempo desde sempre — ou, quem sabe, o tempo corria de forma diferente para ele.

Tempo, tempo… foram 54 anos de carreira nos quais ganhamos de presente 25 discos solo e outros tantos de projetos diferentes. O último deles, Blackstar, foi planejado nos detalhes por um Bowie que já sabia de sua partida. Perfeccionista em tudo que fez, ele também escolheu como queria nos deixar (entenda por aqui).

Poucos têm esse poder, mas ele teve.

O início

David Robert Jones nasceu no dia 8 de janeiro de 1947 em Brixton, Londres, na Inglaterra.

Exalando sua musicalidade desde muito novo, foi aos 15 anos que ele formou sua primeira banda, o Konrads. Depois ainda vieram os King Bees, Manish Boys, Lower Third, Buzz e o Riot Squad, todos como uma preparação para a prolífica carreira solo que começaria nos anos 60.

Em 1969, o cantor lançou seu primeiro single de sucesso e até hoje uma das músicas mais famosas no mundo, “Space Oddity”. A partir daí, o planeta ficou pequeno para Bowie e seus álbuns, que realmente pareciam vir de outro lugar do universo.

Carreira icônica

Após sua estreia com o homônimo, Bowie ainda lançaria títulos como The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars (1972), Aladdin Sane (1973), Young Americans (1975), “Heroes” (1977), Let’s Dance (1983), Hours (1999) e o derradeiro Blackstar (2016).

Além da carreira solo, o músico ainda lançou três discos com o Tin Machine, fora uma série de projetos com nomes como Placebo e muitos outros.

Mas um dos maiores destaques além da música é sua trajetória no cinema. Bowie atuou em uma série de filmes, alguns deles como protagonista — The Man Who Fell to Earth (1976), Labyrinth (1986), entre outros –, ganhando inclusive prêmios por isso.

Seu último papel de destaque foi em O Grande Truque, filme de 2006 onde interpretou Nikola Tesla.

David Bowie para sempre

É no mínimo reconfortante saber que Bowie foi extremamente celebrado em vida, e não apenas após sua morte.

Quatro anos depois de sua partida, ainda estamos sendo presenteados com novas versões, coletâneas e mais — o que confirma que seu legado não partirá tão cedo.

Viva David Bowie!

   
 
Compartilhar