Resenha: chuva prejudica Mastodon e Slipknot deixa São Paulo em êxtase

Chuva prejudica Mastodon e Slipknot deixa São Paulo em êxtase
 

Fotos: Stephan / Midiorama

Depois de uma semana inteira de sol escaldante em São Paulo, é claro que um fim de semana cheio de shows seria debaixo de muita chuva. Foi exatamente dessa forma como aconteceu no último domingo, 26 de Setembro, quando Mastodon e Slipknot se apresentaram na Arena Anhembi, na capital paulista.

Pouco antes do show, lá pelas 18h30, uma chuva torrencial começou a cair na cidade, pegando desprevenido quem saia do Terminal Tietê em direção ao evento. O jeito foi gastar trinta absurdos reais por cinco minutos dentro de um táxi, e mais vinte numa capa de chuva, dessas bem vagabundas. Porém, ossos do ofício para os fãs de shows.

No horário marcado, o quarteto americano Mastodon subiu no palco para uma performance pesada, que tinha tudo para, quem sabe, roubar a cena. No entanto, a banda só pôde tocar sete músicas, já que o show precisou ser interrompido por conta da forte chuva. Uma pena para os muitos fãs do grupo. A banda só teve tempo de mostrar algumas músicas do último disco, o sexto da carreira, Once More ‘Round the Sun (2014): “Tread Lighttly”, “The Motherload”, “High Road”, “Chimes At Midnight”, além da faixa-título.

As outras duas foram “Blasteroid”, do álbum lançado em 2011 The haunted; e “Aqua Dementia”, do segundo disco dos caras Leviathan, de 2002. A banda é da Georgia e faz parte de uma nova onda de metal surgida nos anos 90 e 2000, com uma sonoridade que mistura rock progressivo, stoner e um pouco de hardcore. O Mastodon é formado por Troy Sanders (baixo e vocal), Brent Hinds (guitarra e vocal), Bill Kelliher (guitarra e backin vocal) e Brann Dailor (bateria e vocal).

SLIPKNOT

Chuva prejudica Mastodon e Slipknot deixa São Paulo em êxtase

Já sem a chuva e com uma estrutura digna de uma noite de Halloween, o palco que acomodou os nove integrantes do Slipknot tinha toda uma ornamentação: uma cabeça de bode enorme no centro mais alto, com uma espécie de túnel espelhado como passagem para uma outra atmosfera, o que de fato aconteceu ao longo da hipnótica apresentação.

Quando o carismático vocalista Corey Taylor subiu no palco, a plateia surtou. “Não sei, mas acho que essa é uma das três plateias mais barulhentas desde sempre, incluindo a do Rock in Rio”, disse Taylor em dados momentos, mais de uma vez.

Posicionada, a banda mascarada conhecida pelas performances ensandecidas ao vivo tinha nas duas pontas do palco elevadores que acomodavam os instrumentos de percussão com o palhaço Shawn “Clown” Crahan de um lado e o narigudo Chris Fehn do outro. À medida que as músicas iam dando destaque aos tambores, os elevadores iam subindo, descendo e rodando com eles em cima. Delirante!

Chuva prejudica Mastodon e Slipknot deixa São Paulo em êxtase

O setlist foi idêntico ao que eles tocaram no Rock in Rio, 17 músicas que transitaram por todos os cinco discos de estúdio lançados pela banda. Eles tocaram no âmago dos fanáticos pelo grupo com músicas como “The Heretic Anthem”, com aquele refrão gritado a plenos pulmões “If you’re 555, I’m 666…”, além de grandes singles como “Vermilion”, “Wait and Bleed”, “Duality” e, entre outros, o mais recente “The Devil In I”.

Corey Taylor se mostrou bastante entregue ao que faz, e mobilizou o público em apoio ao show prejudicado do Mastodon. “Vamos fazer muito barulho para nossos amigos do Mastodon”, disse inúmeras vezes. Em meio a muitas rodas de pogo e gente entregue, Corey não cansava nunca de dizer que aquilo tudo era a sua família, aquela comunidade toda envolvida por um único amor – a música -, o principal combustível dessa família.

A banda tocou seis músicas do último disco, .5: The Gray Chapter, lançado em 2014, disco que baseia a turnê. Entre as músicas, Corey nunca deixava a plateia de lado. Quando perguntou quem estava vendo o Slipknot pela primeira vez, poucas pessoas levantaram a mão, uma ótima indicação para o grupo. Um dos momentos mais memoráveis do show, que já faz parte do enredo, é quando Taylor pede para o público sentar depois pular. O resultado disso tudo é camisa suada e alma lavada. Que venham mais tantas vezes quanto puderem, o Brasil agradece!

Setlist Mastodon:
Tread Lightly
Once More ‘Round The Sun
Blasteroid
The Motherload
Chimes At Midnight
High Road
Aqua Dementia

Setlist Slipknot:

Chuva prejudica Mastodon e Slipknot deixa São Paulo em êxtase

Comentários