Ouça na íntegra a performance de Jim James no Newport Folk 2013
 

“Música é a minha força vital”, declara JIM JAMES

Entrevista exclusiva: Jim James (My Morning Jacket)
(Foto por Neil Krug)

*To read the English version go to page 2.

O ano de Jim James custou, mas finalmente chegou. Em 2013, o carismático e exímio artista norte-americano, líder do My Morning Jacket e integrante de projetos como Monsters of Folk, salta alto e amplia sua merecida notoriedade com o lançamento de seu primeiro álbum solo, Regions Of Light And Sound Of God, que chegou ao Brasil em CD e em versão digital via Slap (Som Livre).

Em Fevereiro, James nos presenteou com um dos registros mais aguardados e interessantes do ano, inspirado liricamente pelo livro “God’s Man” (escrito por Lynd Ward e lançado em 1929), com qual obteve identificação imediata e bastante pessoal – tanto que o material do álbum ficou totalmente sob os seus cuidados. Já na parte melódica, ele conta que foi influenciado desde o funk, soul e gospel dos anos 70 e 80, até o latido do cachorro de seu vizinho.

Nesta entrevista exclusiva feita para o Tenho Mais Discos Que Amigos!, James não só conversou sobre seu novo disco, suas bandas e suas colaborações, mas também sobre o quanto a música age de forma impactante em sua vida, desde quando assistiu ao The Muppet Show na TV, aos 3 anos de idade.

 

TMDQA!: Primeiramente, parabéns por mais este incrível trabalho. Você ouve muito as pessoas dizerem que você é uma pessoa bastante espiritualizada e enigmática, algo que fica ainda mais explícito em seu novo disco. A prática da meditação tem trazido mais respostas ou mais dúvidas aos seus questionamentos sobre temas como vida e religião?

Jim James: Obrigado. Sim, a meditação tem me dado a paz necessária, assim como tem aberto a mente para questões maiores e para a busca da verdade e da paz de uma maneira que isso pareça ser correto…

TMDQA!: Suas músicas são sempre muito carregadas de sentimento, sinceridade, intensidade e histórias pessoais, como “Dondante” (My Morning Jacket). De todas as suas criações, qual foi a que exigiu mais de você, como escritor e músico?

Jim James: Bem, é um processo estranho… Eu sempre digo que é como o velho ditado: “50% transpiração e 50% inspiração”, porque a ideia para uma música surge de algum outro reino, algo divino – então você tem que estar aberto a isso e em contato com isso. Mas você também tem que colocar o “suor” e realmente trabalhar em uma música para fazê-la ganhar vida neste reino.

Entrevista exclusiva: Jim James (My Morning Jacket)

TMDQA!: Além de cantar e tocar todos os instrumentos, você cuidou dos detalhes técnicos de Regions Of Light And Sound Of God. Como foi o processo de gravação?

Jim James: Foi uma experiência muito solitária e eu me diverti bastante fazendo música desta forma e tocando todos os instrumentos que eu gosto de tocar. Eu amo trabalhar sozinho e eu amo trabalhar com pessoas, então eu tento fazer ambos. Eu contei com meu velho amigo e ex-companheiro de banda, Dave Givan, para tocar bateria em quase todo o álbum para que nós pudéssemos gravar takes ao vivo, e isso foi muito divertido também.

TMDQA!: O disco foi inspirado liricamente em “God’s Man”, livro que você disse ter lhe concedido a experiência de um forte déjà vu. Como você chegou até essa obra? E você poderia nos falar sobre qual foi o fato que mais mexeu com você?

Jim James: Um amigo me deu esse livro de presente e eu senti que já o conhecia de uma vida passada. É uma das mais belas obras de arte já criadas no mundo. É como ver o interior dos vasos sanguíneos de Deus.

TMDQA!: Ainda mencionando “God’s Man”, você contou recentemente que deseja ampliar sua conexão com o livro e fazer uma adaptação do mesmo para o cinema. É esse o roteiro que você está fazendo ao lado de seus companheiros de Monsters of Folk?

Jim James: Não, esses são dois projetos diferentes, os quais eu espero que aconteçam algum dia!!

Entrevista exclusiva: Jim James (My Morning Jacket)
(Foto por Neil Krug)

TMDQA!: Essa sua paixão por filmes é antiga, sei que você inclusive tentou lançar dois longas. Mas, agora, você pretende mergulhar de fato nesse tipo de arte e tentar fazer filmes?

Jim James: Sim, eu realmente amo fazer isso e espero que o universo permita que isso aconteça em algum momento.

TMDQA!: Falando agora sobre seus outros projetos musicais, já sabemos que você está trabalhando em 5 músicas com o Monsters of Folk. Pode nos atualizar quanto a novos materiais com My Morning Jacket e também como Yim Yames?

Jim James: Bem, eu tenho diversas ideias para um novo álbum do MMJ, o qual esperamos começar a fazer no Outono (hemisfério Norte)… Estou muito animado em relação a isso.

TMDQA!: Como foi trabalhar ao lado de Jay Farrar, Will Johnson e Anders Parker no álbum New Multitudes? E você pretende aproveitar a parceria para um novo projeto?

Jim James: Foi lindo e muito enriquecedor, e espero que tenhamos a chance tocar um pouco mais.

Entrevista exclusiva: Jim James (My Morning Jacket)

TMDQA!: Sobre colaborações recentes, além de você ter gravado um álbum com a Preservation Hall Jazz Band, Questlove, do The Roots, expôs que deseja lançar material com você. Já existem conversas mais concretas sobre isso? Podemos realmente esperar ouvir em breve um EP ou um LP criado por vocês dois?

Jim James: Quest é incrível. Eu adoraria gravar um álbum com ele e espero que façamos isso logo, em algum momento.

TMDQA!: Como você designa as músicas que compõe? Digo, antes de compor, você pensa para qual projeto deseja fazer novo material ou o destino da música surge após sua conclusão?

Jim James: Cada música é encaixada com uma codificação genética especial dentro de seu DNA, de forma profunda. É o mesmo processo como o interior de uma semente que cai do carvalho, ela será um carvalho; e uma semente que cai de uma mostarda será uma mostarda e assim por diante. As sementes caem e corro em torno delas recolhendo-as, mas não é sempre que eu sei de qual árvore que elas caíram, mas elas sempre sabem que um dia irão nascer para estar neste mundo.

TMDQA!: Você sempre falou de sua relação com a música de uma maneira extremamente apaixonada e profunda – e eu confesso que adoro ler essas suas declarações, pois são bastante inspiradoras. O que a música significa para você?

Jim James: Ah sim, eu sinto um amor profundo pela música. Ela é o meu coração, minha alma e minha força vital, ela me leva e me faz dançar por esta vida conectando todos nós com as vidas passadas e com o amor, a magia e beleza. Não tem limites.

Entrevista exclusiva: Jim James (My Morning Jacket)
(Foto por Neil Krug)

TMDQA!: Você já fez inúmeras versões de músicas de artistas que admira. Você tem alguma canção favorita? Alguma que te faça dizer “nossa, eu gostaria de ter criado isso”?

Jim James: Ai meu Deus, existem tantas para eu citar!!! Sim, eu amo toda canção que eu já fiz cover! Eu certamente gostaria de ter escrito todas elas.

TMDQA!: Eu sei que você coleciona discos de vinil. Você tem mais discos que amigos?

Jim James: Eu AMO colecionar vinil e eu tenho amigos que fazem o mesmo. Nós nos reunimos e ouvimos os discos frequentemente, trocamos novas músicas e apreciamos as antigas. Deus, é uma coisa linda ficar ouvindo a música rolando daquele belo pedaço de vinil… é algo tão grandioso.

TMDQA!: Eu não poderia finalizar essa entrevista sem perguntar: Você conhece algo sobre a música brasileira? Há planos para um futuro próximo de shows seus aqui no Brasil, seja como artista solo ou com o My Morning Jacket?

Jim James: Bem, eu conheço e eu amo os artistas mais conhecidos, como Antonio Carlos Jobim e Astrud Gilberto, até mesmo o Sepultura eu admiro bastante e considero o álbum Chaos AD como um dos melhores registros já feitos. Eu adoraria aprender mais sobre o que acontece na cena musical moderna daí e eu espero ir ao Brasil um dia e em breve, já que eu nunca fui.
Obrigado pelo apoio e por todas as palavras amáveis.