Nick Cave Roskilde 2018
Reprodução/YouTube
 

Nick Cave respondeu mais uma vez as perguntas de seus fãs através de seu site.

Dessa vez, o músico divagou sobre assuntos como política e religião, já que foi questionado exatamente sobre eles por seus admiradores. Enquanto um fã perguntou sobre seu processo de composição, outro quis saber suas inclinações políticas.

Leia abaixo um trecho de sua resposta:

Então, para mim, Stella, viver em um estado de investigação, neutralidade e incerteza, além do dogma e da grande convicção, é bom para a minha composição e para a minha vida em geral. É por essa razão que eu me sinto desconfortável com todas as ideologias que se identificam como ‘a verdade’ ou ‘o caminho’. Isso não inclui apenas a maioria das religiões, mas também o ateísmo, a política bipartidária radical ou qualquer sistema de pensamento, incluindo a cultura ‘woke’, que encontra sua energia em uma crença auto justificada e na supressão de sistemas de pensamento contrários. Independentemente das intenções virtuosas de muitas questões deste movimento, é a falta de humildade e a certeza paternalista e doutrinária de suas reivindicações que me repelem.

O antifa e a extrema direita, por exemplo, com suas brigas de rua rotineiras, dramatizações e figurinos são participantes de um casamento estranhamente erótico, violento e mutuamente auto-sustentável, sustentado inteiramente pelas convicções cegas e inflexíveis da crença um do outro. Sistemas não servem para nada, exceto inflamar sua própria justiça. Os novos ateus e seus devotos oponentes estão envolvidos na mesma dinâmica.

O movimento woke, por todas as suas virtudes, é uma ideologia imune à menor sugestão de que, em uma geração, suas crenças implacáveis ​​parecerão tão obsoletas e falaciosas quanto as da geração anterior. Isso pode muito bem ser o motor do progresso, mas a história tem o hábito de bagunçar nossas preciosas crenças. Alguns de nós, por exemplo, pertencem à geração que acreditava que a liberdade de expressão era uma virtude clara e incontestada; no entanto, dentro de uma geração esse conceito é visto por muitos como um apito para a extrema direita e está sendo rapidamente consignado à pilha de lixo ideológico em constante expansão da esquerda.

Não digo isso para sugerir que não devemos ter nossas convicções ou, de fato, que não devemos ficar com raiva do estado do mundo, ou que não devemos lutar para corrigir as injustiças cometidas contra ele. Convicção e raiva podem ser as expressões mais poderosas do amor universal. No entanto, meu dever como compositor não é tentar salvar o mundo, mas sim salvar a alma do mundo.

Justo? Leia a carta completa por aqui.

Nick Cave

Recentemente, o músico emocionou seus fãs com uma carta que escreveu a uma garota de 16 anos, que alegou problemas de autoestima. Veja por aqui.

 
 
Compartilhar