richard-branson-led-zeppelin

Essa semana publicamos aqui uma história divulgada originalmente pelo Mirror que dizia que o bilionário Richard Branson, dono da corporação Virgin, teria oferecido 500 milhões de libras, ou cerca de 2 bilhões de Reais, para que o Led Zeppelin se reunisse em 35 shows.

A notícia correu o mundo, principalmente porque dava conta de que o vocalista Robert Plant teria recusado a oferta e rasgado os papeis na frente de Branson, e agora começam a surgir novos capítulos da história.

(Leia: Robert Plant toca na TV e dá cigarro de maconha a apresentador)

Primeiro, o próprio Plant disse que a história não era verdadeira e a chamou de “lixo”, através de um representante.

Agora foi a vez de Branson publicar um longo texto em seu blog e, além de desmentir a história, ainda revelou uma conversa com Plant na qual ele deixa poucas esperanças sobre um possível retorno do Led Zeppelin:

Fiquei atordoado e confuso (“Dazed and Confused”) com uma história que surgiu essa semana sobre como nós teríamos oferecido 500 milhões de libras para reunir o Led Zeppelin e organizar uma turnê. Por mais que eu ame a banda, não há verdade alguma nisso.

Falei com Robert Plant sobre isso, e ele também confirmou que do lado dele não existe nada de verdade. Robert me disse que tem muito orgulho da sua história e do passado da banda, e muito respeito pelo trabalho que fez durante a carreira. Entretanto, ele realmente acredita que deve seguir em frente com a carreira hoje em dia.

Inventar essa história é uma falta de respeito com sua maravilhosa carreira solo com os International Space Shifters. Ele está embarcando em uma turnê com ingressos esgotados e lançaram um ótimo álbum no ano passado [na verdade o disco é desse ano]. Seus colegas Jimmy Page e John Paul Jones também estão trabalhando em projetos empolgantes e deveriam ser respeitados.

Você pode ler a declaração de Branson clicando aqui.

Apesar de dizer que conversou com Plant a respeito, um representante do músico disse que os dois não se falam “há 50 anos”.

Em tempo, a publicação no Mirror foi retirada do ar.