Antes de qualquer coisa:

  1. Podcast #4 no ar! Assunto da semana: Bandas paralelas. Com Green Day, Blink 182, Rancid, Get Up Kids, Operation Ivy, Reel Big Fish e muito mais.
  2. Nova promoção rolando. Concorra a um pôster, um CD e um DVD. Clique e saiba como participar.

Sunny Day Real Estate

Sunny Day Real Estate - Diary Sunny Day Real Estate - LP2

EMO. Tá aí uma palavra que você nunca deve ter ouvido. Muito menos deve ter visto meninos e meninas de franjas com lágrimas nos olhos reclamando que a vida é uma merda porque não receberam a mesada do pai ou porque o fotolog está fora do ar.

Pois bem, saiba que bem antes disso o emo já existia e não era esse estereótipo que é hoje em dia. Sem delineadores, sem chapinhas, sem franjinhas, o pessoal que tocava emo era assim considerado porque escrevia músicas emocionais sim, mas nunca melosas, sempre bem arranjadas e na maioria das vezes tocadas com energia e intensidade incríveis no palco, o que lhes rendia comentários sobre o quão emotivos ou emocionados eles eram em relação à sua música.

Uma das bandas pioneiras no estilo foi o Sunny Day Real Estate. Os caras foram os primeiros a levarem o estilo para as rádios, festivais de música, talk shows e MTV.
O primeiro disco dos caras, “Diary”, lançado em 1994 é respeitado por 9 entre cada 10 críticos e é considerado um marco na história do emo. Muitos o consideram o pilar do emo “segunda onda” que surgiu no meio dos anos 90.

Após o sucesso de “Diary” logo veio o “LP2” em 1995, mas poucos meses após o lançamento do mesmo a banda acabou pela primeira vez. Quem se deu bem foi Nate Mendel, baixista da banda, que desde então passou a tocar em uma certa banda de rock chamada Foo Fighters.
Entre 1998 e 2000 a banda lançou 2 discos de estúdio e um ao vivo, sem Nate Mendel, mas acabou se separando denovo em 2001.

Após varios boatos, tentativas, idas e vindas, esse ano o Sunny Day Real Estate finalmente se reuniu  para alguns shows com a formação original e é justamente para comemorar o fato que a Sub Pop está relançando os 2 discos da banda em vinil.

Ambos ganharão 2 músicas extras, serão remasterizados e contarão com informações de encarte adicionais, somando com as originais.

Se você nunca ouviu os caras, ouça. Mesmo que só a palavrinha de 3 letras lhe cause dores de estômago, você vai ver que emo de verdade pode sim ser muito legal, sem choradeira e sem fazer parte de uma caricatura como acabou acontecendo hoje em dia.

Os 2 discos já podem ser comprados em pré-venda aqui.

Thrice

Thrice - Beggars

Como eu já havia falado em outro post, o Thrice resolveu fazer uma piração ao lançar um conjunto de discos chamados “The Alchemy Index”, homenageando os 4 elementos naturais fogo, água, ar e terra, mas a antiga gravadora dos caras, Island Records, não gostou muito da ideia e a Vagrant os acolheu de braços abertos.

Após lançar o “The Alchemy Index” em uma caixa quádrupla de discos bem legais, a Vagrant lançará em Outubro o novo disco de inéditas dos caras, chamado “Beggars“.

O ruim é que o que tinha tudo pra ser uma volta triunfal do Thrice a  uma gravadora independente, com um lançamento bacana depois de muito tempo sem um disco fechadinho, acabou virando um pesadelo para banda e gravadora já que com TRÊS MESES de antecedência “Beggars” vazou na Internet.

Olha, eu não sou hipócrita, eu sei que baixar música é comum, e é um dos melhores meios para descobrir artistas novos, mas três meses é sacanagem. Imagine todo o trabalho feito pela gravadora com teasers, banners, faixas disponíveis aqui e acolá, streaming do disco completo, toda uma agenda a ser cumprida antes do lançamento indo por água abaixo porque qualquer um pode ouvir o disco inteiro se quiser.

Enfim, vai de cada um baixar ou não, mas eu nunca trocaria a surpresa e a ansiedade de esperar um disco sair, comprá-lo, recebê-lo em casa e ouvi-lo pela primeira vez.
Se for pra vazar, que seja no máximo uns 15 dias antes! hehehe

Polêmicas à parte, o CD estará disponível aqui, em Outubro.

Polar Bear Club

Polar Bear Club - Sometimes Things Just Disappear

Para terminar hoje, temos o Polar Bear Club, banda que se auto-classifica como de post-hardcore e punk rock mas que na minha opinião flerta mais com o emo/hardcore melódico do que com os estilos ditos previamente.
Influenciados por bandas como Hot Water Music e Lifetime, a carreira dos caras pode ser considerada meteórica, já quem em 2005 eles começaram a banda, em 2006 lançaram o primeiro EP “The Redder, The Better” que foi sucesso de público e crítica, e em 2008 lançaram “Sometimes Things Just Disappear”, primeiro álbum full-length dos caras que foi incluído em uma série de listas de “Melhor do ano” por sites e outros tipos de mídia musical pelo mundo.

O disco foi lançado primeiro pela Red Leader Records, em CD, mas esse ano ganhou edições especiais em vinil, lançadas pela nova casa dos caras, a Bridge Nine Records.
Tem pra todos os gostos: CD, Download e Vinil, sendo que o vinil está disponível em 2 cores, um azul parecidíssimo com o azul da capa, bem bonito e um oliva muito muito bonito que combina com as partes mais escuras da capa.
Os caras da Bridge Nine estão de parabéns, já que a capa é uma obra de arte e ganhou 2 versões em vinil a sua altura, combinando bem cores de capa e disco.

Todas essas versões e muito mais merchandising da banda pode ser encontrado aqui.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!