Paul McCartney e Michael Jackson
 

Já reparou que parcerias musicais são cada vez mais constantes no mundo da música? A ideia, para todos os efeitos, parece não ter lado negativo.

As colaborações juntam fãs de dois artistas/grupos diferentes, fazem com que eles saiam da zona de conforto e, não raramente, dão início a grandes amizades. Ninguém sai perdendo.

É muito bonito de se ver quando a união gera frutos além da música. As “figurinhas” trocadas podem ir de produção de discos até uma relação amorosa. Além do mais, uma boa parceria musical pode render muito mais que um só single.

Pensando nisso, separamos algumas parcerias internacionais do mundo da música que funcionaram como “via de mão dupla”, ou seja, que renderam frutos musicais para os dois lados. Confira abaixo a nossa lista:

 

10 – Kendrick Lamar e U2

Desde o início da década até hoje, o rapper Kendrick Lamar foi adquirindo um status cada vez maior no cenário do hip-hop. Em 2017, na época do lançamento de seu quarto álbum de estúdio, DAMN., os fãs ficaram surpreendidos com as participações. Apesar de Kendrick ser muito bom com parcerias (e temos mais provas disso à frente na lista), ninguém esperava parcerias com Rihanna e, muito menos, com a banda irlandesa U2.

Com uma ajudinha do vocalista Bono e do guitarrista The Edge na composição, Kendrick lançou “XXX.“. O contraste entre o hip hop e o rock alternativo se faz presente na música, cuja estética muda para a voz de Bono entrar.

Mais tarde no mesmo ano, foi a vez do U2 retribuir o favor. A banda lançou, em Dezembro, o álbum Songs of Experience, e chamaram Kendrick para uma breve participação. Na engajada “Get Out of Your Own Way“, que critica a crise política norte-americana, Kendrick aparece só no encerramento. Em ótimos versos, ele entre uma crítica baseada nas “bem-aventuranças” católicas.

9 – Nicki Minaj e Ariana Grande

As cantoras Nicki Minaj e Ariana Grande gravaram juntas pela primeira vez em 2014, quando participaram de “Bang Bang“, de Jessie J. A parceria, no entanto, foi muito além.

No mesmo ano, Nicki lançou o álbum The Pinkprint, que contou com Ariana Grande na faixa “Get On Your Knees“. Elas voltaram a colaborar em 2016 e, dessa vez, foi em um single merecedor de boas colocações nas paradas. Foi Ariana que convocou a rapper para “Side to Side“, que foi lançada posteriormente no álbum Dangerous Woman.

Passados mais dois anos, em 2018, Nicki lançou seu álbum Queen, e chamou Ariana para mais uma etapa dessa frutífera parceria. Estamos falando de “Bed“, que, assim como a parceira fez em 2016, foi lançada também como single prévio.

Se a frequência continuar, veremos uma nova colaboração em 2020.

8 – Akon e T-Pain

Outro nome recorrente no pop dos anos 2000 foi Akon. Além de seus hits, ele fundou selos musicais e ajudou a impulsionar a carreira de artistas como Kardinal Offishall, Lady Gaga e T-Pain.

O último, por sinal, começou sua carreira em um grupo de rap chamado Nappy Headz, com uma gravação de “Locked Up”, canção de Akon. Vendo potencial, o cantor sugeriu a T-Pain um contrato e a promessa de um futuro lucrativo. E não é que ele estava certo?

T-Pain foi se separando do rap para focar no R&B, o que ficou claro na estreia Rappa Ternt Sanga, de 2005. O álbum já conta com duas parcerias com Akon, nas canções “U Got Me” e “Ur Not the Same“. Nenhuma das duas, no entanto, foi lançada como single.

Akon deu um espaço para o colega em seu segundo álbum de estúdio, Konvicted. Juntos, eles cantam a faixa “I Can’t Wait“, lançada como o último single do disco. Mas a melhor performance comercial da dupla foi só em Epiphany, álbum lançado por T-Pain em 2007. Agora, mais introduzido na indústria, o cantor recrutou Akon para o hit “Bartender“.

7 – Lady Gaga e Beyoncé

Duas das artistas femininas mais poderosas do mundo da música, Lady Gaga e Beyoncé já trocaram figurinhas em forma de música. Em entrevistas anteriores, Gaga citou Beyoncé como uma de suas maiores influências. Imagina a honra que foi quando ela foi chamada para participar de um dos álbuns de sua inspiração!

Gaga participou de “Video Phone“, do álbum I Am… Sasha Fierce. No entanto, comercialmente falando, a colaboração acabou ficando na sombra de hits como “If I Were a Boy” e “Single Ladies (Put a Ring On It)”, lançados no mesmo disco.

Dois anos depois, chegou a vez de Gaga retribuir o favor. A emergente popstar chamou Beyoncé, ainda na época de divulgação da nova versão de seu disco de estreia, para participar da faixa “Telephone“. Com um videoclipe excêntrico no estilo “curta-metragem”, a canção teve melhor repercussão do que a parceria anterior, tanto em termos comerciais quanto de crítica.

6 – Kendrick Lamar e SZA

Olha ele aí de novo!

Uma das melhores parcerias de 2018, “All the Stars” uniu os talento de Kendrick Lamar e SZA em uma canção de hip-hop que flerta com elementos do pop. Trata-se do single principal de Black Panther: The Album, produzido por Kendrick.

Mas a dupla já se conhecia antes disso. Eles provaram ter uma química boa para parcerias musicais em 2017, quando Lamar participou de Ctrl, álbum de estreia de SZA (um dos melhores daquele ano). Eles cantam juntos na ótima “Doves in the Wind“, que ganhou um divertido clipe em 2018.

Podem vir mais parcerias. A gente aguenta (e também deseja).

5 – Justin Timberlake e Timbaland

Aqui temos mais uma ótima relação de parcerias, tanto em termos de canções quanto de produção. Timbaland, nome gigante da produção do pop internacional ao longo dos anos 2000, foi um dos nomes que apostou na carreira solo de Justin Timberlake, até então conhecido por seu trabalho na boy band NSYNC.

No álbum de estreia Justified, de 2002, Timbaland assina a produção de quatro músicas, incluindo o hit “Cry Me a River“. A parceria se aprofundou no álbum seguinte, já que FutureSex/LoveSounds, de 2006, tem todas as músicas produzidas por ele. Foi nesse disco, por sinal, que a canção “SexyBack” veio ao mundo, com a participação de Timbaland nos vocais também.

O famoso produtor também chamou Justin para cantar em um de seus álbuns autorais. Em 2009, quando lançou Shock Value II, Timbaland e Timberlake dividiram vocais em “Carry Out“.

Quase que inseparáveis na época, a dupla também foi para o topo das paradas graças a parcerias feitas com nomes como Nelly Furtado, Madonna e 50 Cent. E, pois bem, a parceria continua até os dias de hoje, já que Timbaland também produziu parte de Man of the Woods, o mais recente disco de Justin.

4 – Ja Rule e Ashanti

O flerte entre o hip-hop e o R&B, no início do milênio, abriu caminho para uma nova cena do pop. Um dos nomes responsáveis por isso é Ja Rule, rapper norte-americano que se responsabilizou por vários dos hits topo-de-parada da época.

Dois de seus mais famosos sucessos, “Always On Time” (de 2001) e “Mesmerize” (de 2002), contam também com a voz exuberante de outro nome em ascensão na época: o da cantora Ashanti. Entre os dois hits, a cantora lançou seu homônimo disco de estreia e recrutou Ja Rule, que a ajudou a conquistar visibilidade.

O rapper participa da faixa “Leaving (Always On Time Part. II)“, uma interessante “continuação” para a canção de 2001. E não parou por aí, já que eles voltariam a colaborar mais algumas vezes no futuro.

3 – Rihanna e Drake

A exemplo de Ja Rule e Ashanti, as colaborações musicais entre homens e mulheres sempre tiveram muita influência na música popular mundial. Aqui está mais uma que, definitivamente, conquistou as paradas do mundo inteiro: Rihanna e Drake.

A dupla virou trilha sonora de pistas de dança graças ao singleWork“, lançado em 2016 como prévia de ANTI, oitavo disco de estúdio da cantora de Barbados. Mas precisamos lembrar que a parceria já data de quase uma década.

Em 2010, ainda na época de divulgação de Loud, Rihanna convidou Drake para participar da canção “What’s My Name?“. O rapper escreveu versos para a música, que ganhou destaque ao ir para o topo do Hot 100 da Billboard.

Um ano depois, em 2011, Drake agradeceu a parceria sugerindo a participação de Rihanna na faixa-título de seu mais então novo álbum de estúdio Take Care. Já entendemos que, desta dupla, não podemos esperar nada menos do que um sucesso comercial.

2 – Michael Jackson e Paul McCartney

Um é considerado o “Rei do Pop”, enquanto foi integrante de uma das mais importantes bandas da história. É claro que estamos falando de Michael Jackson e Paul McCartney, que já uniram forças algumas vezes. E somos muitos gratos por isso!

Em 1982, contemplamos o nascimento de Thriller, um dos discos mais importantes da história do pop. Lá, em meio a tantos hits, há um dueto com McCartney que foi lançado como primeiro single do álbum. Intitulada “The Girl Is Mine“, a canção é lembrada até hoje por fãs de MJ.

Paul agradeceu a confiança logo no ano seguinte. Enquanto outros hits como “Beat It” e “Billie Jean” traçavam seu sucesso, Michael Jackson ainda emprestou a voz para “Say Say Say“. A música, lançada no álbum Pipes of Peace, foi para o topo da Billboard Hot 100 no mesmo ano.

1 – Beyoncé e Jay-Z

O casal mais influente da atual indústria fonográfica não poderia ficar de fora da lista, certo? Aliás, trata-se de uma parceria que dura quase duas décadas!

Jay-Z e Beyoncé traçam juntos uma história desde o início dos anos 2000, quando começaram a namorar. Por sinal, a primeira gravação de Beyoncé como artista solo foi justamente numa faixa de Jay-Z, intitulada “03 Bonnie & Clyde“, em 2002.

Após os comentários positivos que faixa recebeu na época, Beyoncé convidou o namorado para participação em duas canções de sua estreia solo Dangerously in Love. Jay-Z emprestou voz às faixas “That’s How You Like It” e no principal single do disco “Crazy in Love“. Com a última, a parceria foi novamente para o topo das paradas e mostrou a força que o casal tem.

Beyoncé o convocou para mais canções em futuros álbuns, todas com sucesso comercial: “Deja Vú“, “Upgrade U” e “Drunk in Love“. Jay-Z também aproveitou o talento da atual esposa para canções como “Part II (On The Run)” e “Family Feud“.

Não podemos esquecer também, é claro, do projeto The Carters, que rendeu um álbum em 2018.

Menção honrosa – Travie McCoy (Gym Class Heroes) e Patrick Stump (Fall Out Boy)

Aqui temos um caso um pouco mais sutil e com muita informação. Lembra de “Cupid’s Chokehold“, hit dos anos 2000 do grupo de hip-hop alternativo Gym Class Heroes? O refrão, basicamente um sample da canção “Breakfast in America” do Supertramp, é cantado por Patrick Stump, conhecido até então por seu trabalho como vocalista da banda Fall Out Boy.

A parceria deu tão certo que Stump foi chamado para produzir o álbum seguinte, As Cruel as School Children, além de também emprestar a voz ao também sucesso “Clothes Off!!“.

A amizade rendeu frutos também para o lado o Fall Out Boy. Três anos depois, a banda chamou Travie McCoy, vocalista do GCH, para uma pequena participação em uma canção do álbum Folie À Deux. Muita gente nem sabe, mas o rapper canta um trecho de “Sugar We’re Going Down” no final da faixa “What a Catch, Donnie“. E ele não é o único a participar, já que Brendon Urie, Gabe Saporta, William Beckett e mais artistas também homenageiam sucessos antigos do F.O.B. na música.

Confira abaixo. A voz de Travie pode ser ouvida a partir de 3:54 no player do vídeo.