Sam Kiszka, do Greta Van Fleet
Foto: Wikimedia Commons
 

Que o Greta Van Fleet está com tudo ninguém duvida, e a popularidade da banda acaba dando voz aos integrantes para que opinem sobre outros músicos.

Foi o que aconteceu recentemente com o baixista Sam Kiszka. Em conversa com a revista australiana HEAVY, Kiszka comentou sobre a dupla americana The Black Keys. Como Dan Auerbach e Patrick Carney lançaram o último disco, Turn Blue em 2014, o músico foi enfático:

Já faz tempo que eles não lançam um disco novo, por isso, precisam decidir se são apenas uma banda ou uma banda muito séria e que representa o rock and roll do século 21.

Na opinião de Sam, o Black Keys precisa intensificar o seu jogo dentro do cenário musical. Apesar de estarem em falta com trabalho novo, os integrantes estiveram bem ocupados nos últimos anos.

Patrick Carney casou com Michelle Branch e se tornou papai. Ele ainda conseguiu tempo para trabalhar no primeiro álbum de estúdio de sua esposa, e chegou a produzir também uma faixa do último álbum da cantora inglesa Karen Elson, ex-mulher de Jack White.

Já Dan Auerbach trabalhou na produção de “Tell Me I’m Pretty”, do Cage The Elephant e lançou trabalhos com a banda americana The Arcs.

Segundo disco do Greta Van Fleet

O baixista falou ainda sobre a pressão em cima do Greta Van Fleet sobre o álbum novo.

Não dá pra ficar pensando muito sobre isso, porque acaba se tornando algo antinatural. Mas sim, vamos fazer música e procurar evoluir.

Kiszka comentou que espera que o GVT 2 seja mais mundano, o que não será difícil pelas experiências que os integrantes estão tendo de viajar pelo mundo e conhecer novos sons.

Isso só aumenta nossa criatividade, porque conseguimos ver tantas coisas belas que nunca tínhamos visto antes.

Agora é aguardar.