Foto por Caê Oliveira

A banda de post-rock E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante está de volta.

Após lançar singles e EPs que mostraram ao mundo suas canções belíssimas e afiadíssimas, o grupo brasileiro lança hoje com exclusividade via Tenho Mais Discos Que Amigos! a inédita “Daiane”.

A canção antecipa o primeiro álbum cheio do E A Terra e também mostra que a banda manteve a base da sua sonoridade mas adicionou elementos distintos que a tornaram mais expansiva com seus integrantes se revezando nos instrumentos musicais.

Nós conversamos com a banda formada por Lucas Theodoro, Luden Viana, Luccas Villela e Rafael Jonke, que responderam as nossas perguntas a quatro mãos, e você pode ler logo abaixo junto com a estreia de “Daiane”.

A canção estará nas plataformas de streaming no dia 25 de Maio, através da gravadora Balaclava.

TMDQA!: “Daiane” é uma canção que marca uma nova fase da banda. Será o primeiro disco, a sonoridade amadureceu, os integrantes também. Como tem sido o processo de gravação dessas canções e o que os motivou a um álbum cheio, finalmente?

EATNMPTD: Estamos entrando na reta final de pré-produção. Tem sido um processo totalmente novo para nós. Não só pela questão de ser o primeiro álbum cheio, o que significa criar uma leva maior de músicas de uma vez, mas também por estarmos com um espaço de ensaio nosso, o que acabou alterando muito a dinâmica de composição. Estamos sempre tocando no mesmo lugar, com nossos equipamentos montados, sem pressão de horários ou algo do tipo. É um ambiente que facilita muito o surgimento de ideias novas e experimentações.

É realmente o início de um novo ciclo num momento que parece adequado para nós. Sempre conversamos muito sobre respeitar o tempo das coisas e dos processos. A vontade de lançar um álbum cheio existe desde o início da banda, mas agora, por vários motivos, parece um momento bom para isso ser feito.

E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante - Daiane

TMDQA!: A canção continua sendo fundamentada no post-rock e também tem elementos característicos, principalmente os timbres, de vocês. Mas ela também tem novidades e o frescor de quem está seguindo adiante. De onde vieram as inspirações e qual foi o Norte tanto para a composição de “Daiane” quanto para o resto do disco?

EATNMPTD: “Daiane” é a única faixa a entrar no disco que já tocávamos ao vivo. Ela representa a influência que o Villela teve ao entrar na banda. Apesar de não ser a primeira música que foi feita por nós quatro juntos, foi a primeira composição que partiu dele.

A música tem na sua estrutura três guitarras, bateria, duas caixas como percussão e um synth fazendo as camadas graves. Possivelmente isso diz muito sobre o que estamos fazendo para esse disco. Aproveitar ao máximo outros caminhos de arranjos, timbres, instrumentos percussivos, eletrônicos e etc. Tem sido muito divertido e coletivo o processo de composição, porque parece que estamos assimilando as músicas só depois de tocá-las.

 

TMDQA!: Bandas instrumentais costumam ter dificuldade para transitar em festivais, mas não parece ser o caso de vocês, que já tocaram no CoMA, Bananada, têm show marcado no Circadélica, na Virada Cultura, MECA Inhotim e mais. Como são preparados os shows de vocês para eventos assim e quais têm sido as respostas dos diversos públicos que assistem aos shows da banda?

EATNMPTD: Nossa experiência com festivais tem sido ótima! No geral o tempo de setlist é reduzido para as bandas nesse tipo de show, isso nos leva a optar por um set que seja mais emendado, sem quase nenhuma pausa.

Festivais são momentos de reencontrar ou conhecer pessoas do país inteiro. É um grande intercâmbio entre bandas e público. Esses festivais citados foram uma tremenda porta de acesso para outros estados onde pretendemos voltar assim que possível.

 

TMDQA!: A arte de capa de “Daiane” mostra uma mudança em relação aos trabalhos que vocês vêm lançando desde a fundação em 2013, mas ao mesmo tempo também cumpre o papel de transmitir sensações através das imagens usadas para isso. O que ela representa e como ela foi desenvolvida?

EATNMPTD: A arte da capa é do Lucas Fiacadori, com um frame de um vídeo de Diego Denardi. Ambos estão trabalhando em um clipe para a música, que mistura animação e vídeos de time-lapse. Nós nunca fomos muito de dar um significado exato para as artes mas, por outro lado, sempre buscamos algo que representasse a forma com que os quatro enxergam aquela ou aquelas músicas. De alguma forma subconsciente pode existir alguma mensagem que possivelmente nem nós percebemos (risos).

Mas é algo que acompanha a postura para com as músicas também. Estamos fazendo algo de diferente e que nos agrada nesse momento.

 

TMDQA!: Quando podemos esperar por mais novidades da banda e, finalmente, teremos o disco cheio em mãos?

EATNMPTD: Nos próximos shows já estaremos tocando algumas músicas novas ao vivo. Em breve “Daiane” ganha um videoclipe e o disco sai no início do segundo semestre!