Flea com baixo da Fender que tem sua assinatura
 

Clint Eastwood se mostrou uma pessoa bem menos agradável ao conversar com a revista Esquire ao lado do seu filho, Scott.

A conversa deveria ser um papo de pai e filho com o jornalista a respeito da carreira, obras e futuro, mas lá, como cá, tudo acaba em discussão política e Clint mostrou de que lado está na disputa entre Democratas e Republicanos:

Trump apenas está dizendo o que está em sua mente. E às vezes não é algo bom. E às vezes é… Quero dizer, posso entender o que ele quer dizer e de onde tira, mas nem sempre concordo com tudo.

Mas eu teria que votar em Trump… sabe, porque ela declarou que irá seguir os passos de Obama. Ela ganhou muito dinheiro fazendo carreira política. Eu perdi dinheiro para ser político [Clint é Republicano e já se envolveu em cargos na Califórnia]. Tenho certeza de que Ronald Reagan perdeu dinheiro para ser um político.

Ao falar sobre a chamada geração de “millennials” ele não mediu palavras:

Trump faz sentido porque secretamente todo mundo está de saco cheio do jeito correto da política, puxando saco. Essa é a geração de puxa-sacos em que vivemos. Estamos vivendo em uma geração de bundas-moles. Todo mundo pisando em ovos. Estamos vendo as pessoas acusando outras pessoas de serem racistas e outras coisas. Quando eu cresci, essas coisas não eram chamadas de racismo.

O repórter da Esquire pergunta, então, se politicamente ele faz parte do partido “Anti-Pussy”, e a palavra “pussy” significa tanto “vagina” quanto é uma expressão para algo como “bunda mole”.

A participação do filho de Clint, Scott, se resume a dizer que isso é verdade mas que não deve ser confundido com “anti-vaginas”, já que como seu pai então afirma, “somos todos pró-vaginas”.

Flea

O baixista do Red Hot Chili Peppers, Flea, viu a matéria com Clint e usou a sua conta oficial no Twitter para se manifestar:

Hey Clint Eastwood pode me contar como um bunda mole enquanto tentamos evoluir e passar por cima do racismo.

Ouça o novo disco do The Who!