Morrissey detona homenagens após morte de Sinéad O’Connor:
Foto: Wikimedia Commons | Shutterstock

Após a notícia do falecimento de Sinéad O’Connor nesta quarta-feira (26), Morrissey decidiu compartilhar sua indignação com algumas homenagens dedicadas à cantora.

O músico utilizou seu site oficial para publicar uma declaração criticando membros da indústria da música e da imprensa que estão elogiando o legado da artista irlandesa mas que, na verdade, não apoiaram seu trabalho enquanto ela estava viva. Em um trecho do texto, ele disse:

Vocês a elogiam agora APENAS porque é tarde demais. Vocês não tiveram coragem de apoiá-la quando ela estava viva e procurando por vocês.

O ex-líder do The Smiths também relembrou de um dos momentos difíceis encarados por Sinéad depois dela ter alcançado sucesso:

Ela tinha tanto ‘eu’ para dar. Ela foi dispensada por sua gravadora depois de vender 7 milhões de álbuns para eles. Ela ficou louca, sim, mas desinteressante, nunca. Ela não tinha feito nada de errado. Ela tinha uma orgulhosa vulnerabilidade… e há um certo ódio na indústria da música por cantores que não ‘se encaixam’ (isso eu sei muito bem), e eles nunca são elogiados até a morte – quando, finalmente, eles não podem responder.

De fato, a cantora foi perseguida durante boa parte de sua carreira e até te contamos em um especial há algum tempo sobre como ela foi eleita a “mulher mais mal vestida do mundo” em um dos momentos mais absurdos dos anos 90.

Morrissey critica homenagens a Sinéad O’Connor

Sendo ainda mais direto sobre a postura de alguns meios de comunicação e de celebridades, Morrissey continuou seu texto:

A imprensa rotula os artistas de pestes por causa do que eles têm… e chamaram Sinéad de triste, gorda, chocante, louca… Ah, mas não hoje! CEOs da música que vestiram seu sorriso mais charmoso ao recusá-la para sua lista estão fazendo fila para chamá-la de ‘ícone feminista,’ e celebridades passageiras, duendes do inferno e gravadoras de diversidade artificialmente despertada estão se espremendo no Twitter. […] Quando foram VOCÊS que convenceram Sinéad a desistir… porque ela se recusou a ser rotulada e foi degradada, como aqueles poucos que movem o mundo sempre são degradados.

Além disso, o cantor fez uma comparação entre Sinéad O’Connor e outras artistas famosas que morreram cedo, como Judy Garland, Whitney Houston, Amy Winehouse, Marilyn Monroe e Billie Holiday, questionando quem fez qualquer tipo de esforço para salvá-las e destacando que essa “loucura” com a música “não valeu a vida de Sinéad”:

Ela era um desafio e não podia ser rotulada, e ela teve a coragem de falar quando todos os outros permaneceram em silêncio. Ela foi assediada simplesmente por ser ela mesma. Seus olhos finalmente se fecharam em busca de uma alma que ela pudesse chamar de sua.

Como sempre, os ‘lamestreamers’ não identificam a questão latente e, com as mandíbulas travadas, retornam ao ‘ícone’ e à ‘lenda’ insultuosamente estúpidos, quando na semana passada palavras muito mais cruéis e desdenhosas teriam servido.

Sinéad O’Connor, dona do hit “Nothing Compares 2 U”, faleceu aos 56 anos de idade recentemente. Até o momento, a causa de sua morte não foi revelada. Como te mostramos aqui, a família emitiu um comunicado pedindo privacidade.

LEIA TAMBÉM: 5 músicas essenciais de Sinéad O’Connor além do hit “Nothing Compares 2 U”

GARANTA SEU INGRESSO PARA A GPWEEK

Kendrick Lamar, Halsey, Machine Gun Kelly, Iza e MUITO mais: não fique de fora de um dos festivais mais legais do país e garanta seu ingresso clicando aqui.