Institution
Foto por Camila Mira e Fabiano Battaglin. Direção de Arte por Viviane Gratz.
 

No último ano, a banda paulista de metal/hardcore Institution apresentou ao mundo o fantástico Ruptura do Visível. O álbum, que traz letras em português, aborda o desenvolvimento de uma consciência crítica e o rompimento de práticas sociais opressoras.

Agora, quase um ano e meio após o lançamento do registro, o grupo liberou a inédita “Espectador Inconsciente“, uma música b-side gravada nas sessões do aclamado disco.

O single foi produzido por Rodolfo Duarte e Muriel Curi, mixado por Fernando Sanches e masterizado por Brad Boatright. A arte que acompanha a novidade é assinada por Antonio Augusto. Trata-se de uma colagem com base na arte original do álbum, de Gustavo Magalhães.

Vaine

Vaine
Foto por Thiago Paulino

Falo de mim ao mesmo tempo em que falo da vivência do outro”, explica o rapper paulistano Vaine sobre o single “O Dia Nasce e Morre Aqui“, lançado nas últimas semanas.

O artista é um sujeito naturalmente calado, mas que encara a música como uma possibilidade de conversa. Segundo Vaine, a força e o sentido do seu trabalho vêm das experiências cotidianas:

É daí que surge a conexão com quem me escuta. Falo de questões sensíveis, sociais, raciais e políticas, numa roupagem leve e espontânea. Me esforço pra abandonar o tom professoral, de quem sabe tudo e quer traçar um panorama da situação. Eu falo do que sinto e preciso colocar pra fora.

Produzido por XavBeatz, o novo single de Vaine conta com a participação da cantora e compositora Uiara e antecipa o álbum de estreia do rapper, Colibri, previsto para Novembro deste ano.

eliminadorzinho

Eliminadorzinho
Foto por Yamin Kalaf

Formada em São Paulo por Gabriel Eliott (Voz e Guitarra), João Pedro Haddad (Baixo) e Tiago Souto Schützer (Bateria), a banda de rock alternativo eliminadorzinho acaba de lançar o seu álbum de estreia, Rock Jr..

O disco, que chega em parceria com o selo e produtora Cavaca Records, retrata e dá continuidade aos caminhos percorridos pelo trio nos seus primeiros 5 anos de banda. Para colaborar musicalmente nessa análise, o grupo contou com o produtor e amigo Luden Viana (E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante).

Rock Jr. venera, com criatividade e bom humor, influências que vão do punk ao indie, passando sempre pelo rock e shoegaze com apelo pop. O trabalho reúne nove canções que têm em comum algo que vai além da sonoridade: falam sobre a bagunça do começo da vida adulta. Em tom confessional, refletem sobre romances, amizades, convivência, tempo e rotina.

Deltas

Deltas
Foto por Tatiana Moreira

Em seu novo single, o grupo luso-brasileiro de música instrumental Deltas aposta na fusão da world music com elementos regionais brasileiros. A faixa, intitulada “Loyo“, já se encontra nas principais plataformas digitais, via selo Estelita.

A música chega pra mostrar a riqueza da diversidade cultural e aponta o caminho do segundo disco da banda, Deltas II, que chegará em breve sob assinatura da Groovin Produções. Sobre a composição e o nome do single, o guitarrista Dirceu Melo explica:

A principal figura harmônica e musical do tema foi criada por Hugo Osga, enquanto praticava com seu instrumento (a sanfona portuguesa, conhecida mundialmente como Hurdy Gurdy) no quarto de um hotel durante uma digressão. O hotel se chamava LOYO e daí de onde veio o nome.

Para a construção do tema, somaram-se o violino de Miguel Berkemeier e a guitarra elétrica de Dirceu. Tudo aparece muito bem costurado pela cozinha segura de Carlos Garrote no contrabaixo e Rogério Pitomba na bateria.

Os Roucos

Os Roucos
Foto por Antonio Frugiuele

O trio Os Roucos fez sua estreia em 2020, com Noel Rouco (guitarra e voz), Rodrigo Luminatti (baixo e voz) e Guto Gonzalez (bateria). O grupo segue firme em suas produções e lançou recentemente o seu terceiro single, “Movimento Contínuo“.

A faixa fará parte do álbum de estreia da banda, previsto para o primeiro trimestre de 2022, e carrega influências do rock nacional e do post punk dos anos 80, além do rock alternativo brasileiro dos anos 2000.

A música foi produzida e masterizada pelo baterista Guto Gonzalez no estúdio Canto da Coruja e recebeu um videoclipe, dirigido por Raul Machado e Yuri Alexei, que mistura diversas referências dos anos 70 e 80, como os filmes “Warriors – Os Selvagens da Noite” e “Laranja Mecânica”.