Música pode ser usada para aprender novas línguas
Foto por Felix Lichtenfeld via Pixabay
 

Um novo estudo da Deezer mostrou que o Brasil é um dos países que mais usa a música para aprender novas línguas.

Mas como assim? A gente te explica: segundo os dados obtidos pela plataforma em uma pesquisa que entrevistou mais de 12 mil pessoas de seis países diferentes, 90% das pessoas acreditam que ouvir música é uma boa ferramenta para “dominar uma nova língua”.

Por aqui, especificamente, quem está em alta é o espanhol. O estudo afirma que houve um aumento de 700% no streaming das músicas do idioma nos últimos cinco anos, e também é por aqui que foi identificado o maior índice de interessados em aprender com as canções — 62% dos entrevistados. O México veio logo atrás, com 61%.

Já os países europeus, no geral, tiveram apenas 33% de respostas positivas; para os EUA, o número sobe um pouco, para 43%, mas ainda fica bem abaixo das marcas de Brasil e México. Segundo Susanna Zaraysky, especialista em idiomas e música, um dos fatores que explica isso é que línguas estrangeiras não são tratadas como disciplinas prioritárias nos colégios e que ambos os países têm suas festas culturais muito ligadas à música, como o Carnaval e a Festa Junina.

Música para aprender outras línguas

O mesmo estudo mostra ainda que as pessoas entrevistadas elencaram gama maior de vocabulário (31%), pronúncia aprimorada (30%) e melhor memorização (29%) como os os maiores benefícios de associar a música à aprendizagem de outra língua.

Há, também, um interesse pelas culturas estrangeiras — em especial na pandemia, afirma Susanna. Segundo ela, “queremos aprender mais sobre a cultura por trás de nossas músicas favoritas. E isso é uma das razões pelas quais é uma ferramenta ideal para a aprendizagem de línguas”. Mais de 40% dos entrevistados concordam com essa fala da especialista.

Um dos aprendizados mais importantes é o das gírias — a música, segundo Zaraysky, “pode fornecer uma visão inestimável de um estilo de vida e cultura estrangeiros que contribuem com nossas habilidades de conversação”. Faz sentido, então, quando descobrimos que um quinto dos participantes homens já usaram letras de músicas estrangeiras em cantadas.

Dito tudo isso, os editores da Deezer usaram as dicas de Susanna para montar playlists voltadas ao aprendizado — elas podem ser acessadas por este link, e incluem versões para inglês, espanhol, português brasileiro, francês e alemão.

Por lá, a ideia é dar o play e seguir a letra; as faixas de 1 a 5 buscam ajudar a construir vocabulário, enquanto as faixas de 6 a 10 tentam ajudar com a pronúncia e as canções de 11 a 15 aparecem para auxiliar no aprendizado de gírias locais. Por fim, as cinco últimas músicas se concentram em significados culturais.

   
Compartilhar