Iggor Cavalera
Foto: Wikimedia Commons

Parece que Iggor Cavalera não vai ficar nem um pouco em cima do muro quando o assunto é política.

Em papo recente com o ótimo Scream & Yell, o baterista que passou boa parte da sua carreira no Sepultura falou sobre a atual conjuntura e não poupou palavras. Quando questionado sobre o slogan “noise against nazi scum” (“barulho contra a escória nazista”) do Petbrick, seu novo projeto, e a decisão de deixar claro o seu posicionamento, ele respondeu:

Sim, nunca foi hora de ficar em cima do muro. Principalmente nos dias de hoje, com essa onda de Bolsonazis e Trump right wing boomers (‘boomers de direita apoiadores do Trump’)

A crítica naturalmente faz referência aos atuais presidentes de Brasil (Jair Bolsonaro) e Estados Unidos (Donald Trump), respectivamente. Para quem estava acompanhando o novo som de Cavalera, seus ideais não são nenhuma novidade e a música “Coming”, lançada em Outubro do ano passado, trata exatamente desse tema.

Em tempo, “boomer” é uma expressão que veio do termo “baby boomer”, definindo pessoas que nasceram entre os anos de 1946 e 1964 e hoje estariam entre os 56 e 74 anos. A palavra se popularizou entre jovens que vão contra os pensamentos conservadores dessas pessoas que, em muitos casos, defendem todo e qualquer tipo de material que encontram na Internet mesmo sem nenhuma checagem de fatos.

Iggor Cavalera

Recentemente, Iggor tem se dividido entre vários projetos. No momento, ele tem priorizado o Petbrick, que lançou seu disco de estreia no ano passado.

Ainda neste ano, ele tem compromissos com o Soulwax, com o Beneath/Arise (onde toca músicas do Sepultura com seu irmão Max) e com o Mixhell, duo de DJs onde atua com sua esposa.