Incêndio na boate KISS

A tragédia na boate Kiss em Santa Maria aconteceu há pouco mais de uma semana e mexeu não apenas com o Brasil inteiro mas também com outros países, incluindo os Estados Unidos.

Lá, em 2003, um show da banda Great White teve um fim bastante parecido quando 100 pessoas morreram devido a uso de equipamentos pirotécnicos que não eram propícios para ambientes fechados.

Falando sobre isso, especialistas no assunto dos Estados Unidos, incluindo a empresa Strictly FX, que ficou responsável pelos efeitos do Super Bowl, disseram que estão esperando um grande aumento na inspeção por órgãos do governo em casas de shows e, principalmente, nas empresas que fabricam e instalam equipamentos.

Segundo Dave Greene, que trabalhou com efeitos especiais de Scorpions, Mötley Crue e Nickelback, “Toda vez que há um acidente, normalmente tem alguém que não é um pirotécnico licenciado envolvido. É isso que está causando tanto tumulto em nosso setor.”

Greene trabalha na empresa Stage And Effects, fundada em 1998 e com artistas como KISS e AC/DC no seu currículo.

Ainda de acordo com Greene, depois do acidente do Great White, os custos aumentaram muito, principalmente com seguros, já que se você tinha uma casa de show que permitia uso de efeitos pirotécnicos, pagava mais 25 mil dólares de seguro. Dessa forma, as casas de shows retiraram os efeitos e pequenas lojas de fogos de artifício faliram.

Enquanto isso, aqui no Brasil, Bombeiros e fiscais públicos estão realizando verdadeiros mutirões em casas de shows, interditando boa parte delas.

Fonte: Rolling Stone