Robert Smith diz que não se considera gótico: “nunca levei isso a sério”

Em rara entrevista, o vocalista do The Cure fala sobre o rótulo e sua participação na curadoria do festival Meltdown

Robert Smith, do The Cure, em 2012
Foto de Robert Smith via Shutterstock
 

Apesar de seu característico visual trevoso, o vocalista do The Cure, Robert Smith, revelou em rara entrevista à publicação britânica Time Out que não se considera gótico.

Também guitarrista do Siouxsie and The Banshees nos anos 80, Smith conta que “tinha apenas que fazer o papel” como membro da banda.

Ficamos presos a isso [ser gótico] em determinado momento. O gótico era como uma representação pra mim. Eu nunca levei essa coisa toda da cultura a sério.

De fato, o The Cure foi responsável por algumas das músicas mais ensolaradas e divertidas da década de 1980, diferente da proposta do gótico, onde a banda é categorizada desde… sempre.

É uma coisa teatral. Faz parte do ritual de subir no palco.

O músico também fala do seu visual e associa o rótulo à sua “aparência doentia e palidez natural”, e conta que a ocasião da entrevista fora a primeira vez que usara maquiagem em quase dois anos.

Mas, mesmo rejeitando o rótulo, o vocalista demonstra ser grato pelo carinho que recebe dos fãs que vivem dentro da cultura gótica.

Todo gótico que conheci foi muito simpático, sabe? Como uma subcultura, acho que está cheio de pessoas maravilhosas. Mas nunca gostei do que é classificado como música gótica.

Meltdown

A edição desse ano do festival inglês, que rola agora entre os dias 15 e 24 de Junho, em Londres, teve curadoria totalmente feita por Robert Smith. Na entrevista, ele revela que o primeiro convite foi feito aos Rolling Stones, que o recusou.

“Fui no Wikipedia, olhei o line-up de outros festivais e pensei: ‘Certo, vou apostar bem alto’. Meu primeiro convite foi feito aos Rolling Stones. Eles não aceitaram, mas o restante da minha lista de atrações aceitou, o que me deixou incrivelmente honrado.”

“Eu ouço muita coisa, e nada combina com o Meltdown — se eu levasse todos, seria uma grande farofa. Me limitei às bandas que são realmente boas ao vivo.”

E dentre essas bandas estão o Nine Inch NailsDeftonesPlaceboThe LibertinesMy Bloody Valentine. No total, são 60 confirmados no line-up do festival, que começa nesta sexta-feira (15).

Compartilhar

Comentários