Ivo Meirelles e Frejat lançam música com tom político e crítica à violência nas favelas do Rio

“No Morro Não Tem Play” critica intervenção no Rio de Janeiro com uma mistura de rock e samba

ivo-meirelles-frejat
 

Ivo Meirelles, com seu grupo Funk’n Lata, e o cantor Frejat, lançaram recentemente uma música com um tom bem político. “No Morro Não Tem Play” discute a falta de paz nas favelas do Rio de Janeiro, inclusive com uma crítica negativa à intervenção militar.

Ivo nasceu e foi criado na Mangueira e sabe, por experiência própria, o que é criar os filhos num ambiente hostil, onde a bala perdida é uma constante. E foi esta a inspiração para compor esta faixa:

“Ser criança num morro carioca é andar no fio da navalha. A sorte vai te transformar num adulto sem transtornos. Não existe uma forma correta de proteção, principalmente se for do sexo feminino. Quando se chega à idade adulta, todos, sem exceção, lembram das mazelas que passaram para sobreviver”, aponta Ivo Meirelles, que já lançou outras músicas que discutem o tema, como “Help ao Morro” e “O Coro Tá Comendo“.

O posicionamento do artista sobre a intervenção é que não adianta colocar o exército no morro:

O exército tem que combater nas fronteiras, a Marinha nos portos e a Aeronáutica nos aeroportos. No morro o Estado precisa se fazer presente. Tem que ter saneamento básico, coleta de lixo, postos de saúde, escolas com profissionais capacitados, serviços bancários, vigilância policial respeitosa, emprego, e outros serviços que atendem a população das classes A e B.

A parceria com Frejat para cantar ‘No Morro não tem Play’ não é por acaso, o cantor já participou do primeiro CD do Funk’n Lata, trazendo a força do rock para as canções onde faz participação.

Ouça:

A faixa vai estar no álbum #21, preparado por Ivo e Funk’n Lata, que conta com 14 faixas incluindo diversas participações especiais, entre elas Gilberto Gil, Samuel Rosa, Seu Jorge, Elba Ramalho, Molejo e alguns outros. As músicas estão sendo lançadas separadamente, mês a mês, nas plataformas digitais.

Comentários