Teco Martins - Solar
Foto da capa por Kimberly Christie

Você pode conhecer Teco Martins por outros trabalhos que o músico fez nos últimos anos.

No início da carreira, ele conduziu multidões através dos sons catárticos do Rancore, e mais recentemente abriu o coração para compartilhar canções e experiências com o belíssimo Sala Espacial.

Agora, porém, a fase é nova: Teco irá lançar o seu primeiro disco solo.

Solar é o resultado de uma campanha de financiamento muito bem sucedida que impulsionou Teco Martins a gravar canções nesse formato em estúdio pela primeira vez.

As jornadas solo não eram lá uma grande novidade para o cara, já que ele rodou esse Brasilzão algumas vezes tocando suas canções em shows intimistas pertinho do público, mas agora tudo estará devidamente gravado para a eternidade.

Solar

Teco Martins
Foto por Caique Pereira

Assim como a carreira de Teco Martins, o álbum explora lados bem diferentes dos seus campos de atuação: gravado entre outubro de 2017 e fevereiro de 2018, sua primeira metade nasceu na calmaria da primavera de Indaiatuba, interior de São Paulo, e a segunda veio a partir de gravações no inverno rigoroso de Berlin, na Alemanha.

Essa mistura fica bastante evidente quando percebemos que a sonoridade traz diversos sons brasileiros aliados a experimentos com sintetizadores, microfonias e frequências que “harmonizam os átomos, elétrons e prótons”, como podemos ouvir na letra de “Células”, a primeira faixa.

Segundo o próprio autor, Solar é um resumo da sua carreira iniciada em 2001 com o Rancore, passando pelo Sala Espacial mais recentemente e pela produção e lançamento do álbum do Céu Luz Ametista, gravado com músicas utilizadas em rituais xamânicos.

No álbum colaboraram mais de 30 musicistas, e a gente recomenda que ele seja ouvido com calma, várias vezes, com aquele bom fone de ouvido, para que todas as nuances de tanta gente boa envolvida no processo sejam captadas da melhor forma possível.

Solar ainda é o primeiro disco ao lado de Henrique Uba (Candinho) desde Seiva, lançado pelo Rancore em 2011.

Aqui, o músico co-produziu o álbum, trabalhou em samples e gravou sintetizadores e guitarras, com a mixagem e masterização ficando nas mãos de Guilherme Chiappetta (África Lá Em Casa, Cafuá, Emicida, Rappin’ Hood, Terno Rei).

Verão e Melancia

Teco Martins - Verão e Melancia
Desenho da capa por Thamiris Finelon

O primeiro disco solo de Teco Martins só sai no dia 31 de Março, às 22:22, mas hoje, com mais de dez dias de antecedência, temos o prazer de estrear a canção “Verão e Melancia”, segunda faixa do álbum.

A canção é um baita exemplo de tudo que é ouvido no disco, com influências diversas, muita luz e participações especiais das percussões do Ogã Vitor da Trindade, o baixo de seis cordas do gitano-pataxó Sandro Livahck, Jô Fauno (que aprendeu música em orquestra evangélica e também toca no Sala Espacial) no sax e trompete, e no trombone toda influência do funk/soul de Fernando Feijão, além das guitarras, synths e samples do Candinho.

Você pode ouvir o primeiro single do novo disco solo de Teco Martins, Solar, logo abaixo. Em 2018 Teco Martins irá fazer uma turnê que, literalmente, pretende excursionar o Brasil do Oiapoque ao Chuí.

A canção já aparece nas plataformas digitais de streaming e você pode encontrar os links logo abaixo:

Acompanhe a carreira de Teco Martins nas redes sociais através dos links abaixo:

   
 
Compartilhar