Julian Casablancas + The Voidz
Foto: Wikimedia Commons
 

Um dos assuntos mais comentados no mundo da música essa semana é uma infame entrevista que Julian Casablancas fez para a Vulture.

Lá, o cantor fez uma série de declarações curiosas: além de basicamente confirmar que só toca no Strokes para pagar as contas, Casablancas também disse achar que Jimi Hendrix não obteve sucesso em vida.

Agora, o músico deu outra entrevista — dessa vez, em um podcast para a Rolling Stone — que também tocou em assuntos delicados: em especial, a situação política atual nos Estados Unidos e no mundo.

Ao mencionar as polêmicas envolvendo o presidente dos Estados Unidos, Casablancas disse que Donald Trump é “como uma fachada simbólica, um fantoche dos verdadeiros problemas”.

Ele foi além e disse que assuntos mais pertinentes e vozes dissidentes são “tão reprimidas” que ele resolveu começar a acompanhar a Russia Today, rede de televisão pró-Putin.

Às vezes dissidentes como Martin Luther King e Malcolm X costumavam aparecer no mainstream, e agora isso é tão reprimido que as pessoas precisam ir para lugares como o Russia Today para dar sua opinião — e agora, eles querem acabar com o RT. É como o novo filme do Star Wars onde existem somente umas 10 pessoas numa nave e isso é considerado a ‘Resistência’. É só isso que sobrou.

Casablancas citou o escritor Chris Hedges e Jesse Ventura como vozes alternativas que acabaram ganhando espaço com o RT para poderem falar sobre o que quiserem sem qualquer tipo de censura.

“De qualquer forma, eu não estou dizendo que o RT é a resposta, mas meu ponto é que toda essa resistência mainstream contra o Trump está perdendo o ponto principal disso tudo”, completou.

Você pode conferir mais detalhes clicando aqui, incluindo o áudio completo da entrevista.

O novo álbum de Casablancas com o The Voidz, seu projeto paralelo, sairá no dia 30 de Março.

Compartilhar