Foto: Jorge Bispo
 

Um nome se destacou quando foi anunciado o show, turnê e o DVD de Caetano Veloso e seus filhos: o de Zeca Veloso. Ao contrario de seus irmãos Moreno e Tom (conhecido por seu trabalho com a Dônica), Zeca ainda não tinham uma carreira musical conhecida. E ele foi o foco do primeiro lançamento do projeto, o maravilhoso single “Todo Homem”.

Tocada ao piano e com uma melodia surpreendente, a faixa era levada num falsete surreal gerando um clima completamente novo para o que esperamos da família Veloso. A faixa estará no DVD Ofertório, que será lançado em Abril e que já teve revelada também a faixa “Um Canto De Afoxé Para O Bloco Do Ilê” e ganhará o novo single “O Seu Amor”, nessa sexta-feira (09/03).

Confira a conversa que tivemos com Zeca por e-mail:

TMDQA: Olá, Zeca! Você está fazendo sua estreia musical como compositor com Todo Homem, nesse projeto com sua família. Como surgiu essa música?

Zeca Veloso: Foi num dia em janeiro, alguns anos atrás. Eu tocava a sequência de acordes da primeira parte da música e cantarolava a melodia. Comecei a pensar numa letra mais simples e direta, como fazia na época, em cima de bases instrumentais que compunha influenciado por soul e R&B (The Spinners, Four Tops, Marvin Gaye, Tim Maia, Cassiano e muitos outros), mas pensei em tentar para essa uma letra mais trabalhada, como as letras brasileiras bem feitas de que gosto. Não digo que consegui, mas tentei. Disso foram saindo, de forma um pouco impressionista, coisas que sentia e pensava. O refrão apareceu na hora em que cheguei nele, letra e música. Fui à praia logo depois, tentando mostrar a canção a meu irmão Tom, mas não o achei. Fiz a segunda parte lá. A canção não foi pensada, com intenção de dizer algo. Ela saiu. Não é normal acontecer isso, essa foi a única vez. Normalmente dá um trabalhão.

 

TMDQA: Ela parece muito pessoal, muito sentida. Teve algum momento de receio para mostrar essa canção em público?

Zeca Veloso: Nunca tive receio, disse numa entrevista que talvez o tivesse na época em que compus. Mas acho que não, pensando melhor.

 

TMDQA: Muita gente se surpreendeu com seus falsetes, remetendo a nomes como Bon Iver e Chet Faker. Quais são suas influências?

Zeca Veloso: Talvez lembre esses artistas pelo falsete e pela ciclicidade, mas não são influências. Acho que o falsete vem muito de Prince nos primeiros discos e de tentar cantar canções que, nas versões originais, têm melodias agudas mas não são cantadas em falsete, como coisas de Carole King, Jackson 5 e cantoras da disco. Meu pai no disco Zii e Zie, Thom Yorke no In Rainbows e Joni Mitchell no Blue também foram importantes para eu começar a cantar em falsete, anos antes de começar a compor. Fora isso, posso dizer que minhas maiores influencias são, mais do que as diretas e musicais, as de cabeça e gosto. Pessoas e artistas que me inspiram a tentar combinar influências e ideias de maneiras originais e instigantes. Não que eu diga que faço assim, mas miro nisso. Meu pai é a maior dessas. Quando faço música, ele é minha maior referência. Não o trabalho, a pessoa. Não que a música não me influencie, mas a cabeça dele, nossas conversas e as ideias que surgem delas são mais importantes para minha produção do que a matéria prima musical, são as ferramentas. Digo isso falando de música. Nas letras, a influência do trabalho dele pode ser mais presente, embora o outro tipo de influência ainda seja também maior. Já tentei fazer música mais como ele, não consegui. Ele vem muito das progressões do samba e de outros caminhos harmônicos e melódicos que não estão dentro de mim, pelo menos ainda. Gostaria que estivessem. Incluo como influências respostas brasileiras a coisas estrangeiras como Samba Rock e Samba Reggae, a música baiana e o mestre Djavan.

TMDQA: Seu trabalho com música eletrônica deixou algumas marcas no seu processo de composição?

Zeca Veloso: Não sei se o trabalho com música propriamente eletrônica deixou alguma marca, mas sempre gostei de música dançante: disco music, soul e R&B foram minhas primeiras grandes influências de composição. Minhas musicas só não parecem com esses gêneros porque não são arranjadas da mesma maneira.

 

TMDQA: E para fechar: você tem mais discos que amigos? :)

Zeca Veloso: Não tenho muitos discos, devo ter uns 50 discos de vinil comprados, fora todos os herdados de meu pai e alguns CDs e downloads meus. Mas os discos já são mais do que amigos próximos sim. :)