Neil-Young

Nas últimas semanas, Neil Young tem se posicionado bastante com relação às informações falsas que são propagadas sobre a pandemia e a vacinação contra a COVID.

O veterano artista chegou até a retirar seu catálogo do Spotify quando o serviço de streaming não quis tirar de sua plataforma o podcast de Joe Rogan, que propagou fake news a respeito das vacinas e mais.

Com tantos holofotes voltados para Young, o cantor começou a sofrer ataques de várias frentes. O mais recente foi a acusação de que sua música estaria atrelada ao nome de uma das maiores fabricantes de vacinas contra a COVID, a Pfizer.

Isso porque existe atualmente uma teoria da conspiração sugerindo que o catálogo de Neil pertence ao laboratório farmacêutico e que, por isso, o músico vem se comportando da forma como se comporta.

Ciente do problema, Young fez uma publicação em seu site oficial para desmentir a história toda, como informou o Stereogum (via NME).

Na postagem, Young descreveu a teoria da conspiração como “inteligente, mas errada”. Em seu texto, Neil também ironizou quando disse que tudo era “muito Pharm Aid” – referência à teoria da Big Pharma (que acredita que a comunidade médica e as empresas farmacêuticas operam com objetivos contra o bem público) e também ao seu festival de música solidário Farm Aid.

Ainda segundo o veículo, a carta foi deletada após sua publicação.

Ex-CEO da Pfizer causou confusão para Neil Young

A acusação que recai sobre Young está relacionada ao fato do ex-CEO da Pfizer, Jeffrey B. Kindler, ter um cargo de grande posição na Blackstone, instituição financeira que tem parceria com a Hipgnosis — empresa ligada ao ramo musical que comprou o catálogo de Neil há algum tempo.

Em sua resposta, o cantor rechaça o que vem sendo afirmado:

A porcentagem do catálogo que a Hipgnosis tem dos meus copyrights está na Hipgnosis Songs Fund, que é aberta ao público como parte da bolsa de valores de Londres. O investimento da Blackstone chega através de um fundo privado da Hipgnosis, e nenhuma parte desse dinheiro foi usada para o fundo do setor de música da Hipgnosis. A Pfizer não investiu na Hipgnosis, mas um CEO antigo da Pfizer é consultor sênior da Blackstone.

Resolvido, então!

LEIA TAMBÉM: Neil Young cresce quase 40% nas plataformas de streaming após saída do Spotify

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar