Rally da QAnon por Trump e Kennedy em show dos Rolling Stones
Reprodução/Twitter
 

Fake news ou clipe de “Thriller”? Os apoiadores de Donald Trump parecem estar contando com a presença de John F. Kennedy Jr. nas próximas eleições e foram até um show dos Rolling Stones que teria ligação com isso. Acontece que o filho de JFK está… morto. Calma que vamos te explicar.

Na última terça-feira (2), o grupo QAnon, formado em maioria por simpatizantes da extrema direita americana, promoveram um comício em Dallas, no Texas. O convidado de honra do dia era ninguém menos que o filho de John F. Kennedy que, assim como seu pai, já morreu. O político faleceu em 1999, em uma queda de avião.

Acontece que essas pessoas acreditam fielmente que JFK Jr. está vivo. Não só isso, eles acham que o político fará seu grande retorno para ajudar a reeleger Trump já que, também segundo eles, as eleições de 2020 não valeram, e o laranjão deve retomar seu cargo a qualquer momento.

Calma que tem mais: depois de levarem um bolo do defunto, as pessoas ainda contaram com a presença dele em um show dos Rolling Stones, na mesma cidade. Por lá, apareceram figuras com faixas que dizem “Trump Kennedy 2020”.

A teoria vai ainda mais longe, dizendo que Kennedy Jr. falsificou sua morte para “salvar crianças” de esquemas de pedofilia. Essa galera ainda pensa que é isso que Trump está “secretamente fazendo”, e que em breve ele vai revelar ao mundo uma rede de tráfico sexual infantil liderada pelos democratas.

Morto muito louco

Você acha que acabou? Não acabou, não. Isso porque John F. Kennedy pai, que hoje teria nada menos que 104 anos, também estaria vivo e tramando pela volta de Trump à presidência.

Uma participante do comício, chamada Micki Larson-Olson, disse que não mudaria sua crença caso o falecido não aparecesse nos dois eventos (via CoS):

Vamos descobrir que algo aconteceu com o plano e o deixou não seguro. Se não sair como eu acredito que vai, tudo bem. Vamos descobrir que não era a hora certa.

Que loucura, meus amigos. Que loucura.

QAnon e John F. Kennedy Jr.