Toca Discos
Foto de Vitrola via Shutterstock
 

A indústria da música já passou por muitas mudanças. Ao longo dos anos diferentes formatos de distribuição foram ganhando mais destaque, enquanto outros diminuíam suas vendas.

Com intuito de ilustrar a evolução dessa indústria nos últimos 47 anos, o Digital Music News produziu um gráfico animado mostrando em cada imagem a contribuição da receita dos diversos formatos nos Estados Unidos.

Registrando os valores desde 1973, o gráfico foi criado com base nos números de receita da Recording Industry Association of America (RIAA). Cada imagem completa apresentada do gráfico representa 100% da receita total de registro para o ano e foi calculada usando dados ajustados pela inflação com base nos Estados Unidos.

Evolução da Indústria da Música

Analisando alguns dados do gráfico, percebe-se que discos de vinil, cassetes, CDs, downloads e plataformas de streaming foram as formas predominantes de consumo de música em algum momento desse período de quase cinco décadas.

Vale destacar o surpreendente sucesso dos CDs, com álbuns completos, que mantiveram a maior receita de 1991 até 2015. Nos anos 2000, o formato correspondia a cerca de 90% do total de vendas de músicas gravadas, enquanto os LPs e fitas cassetes já estavam com receitas bem inferiores.

Mesmo com a repercussão predominante do CD, no início dos anos 2000 os fãs de música começaram a migrar para os downloads digitais à medida que os primeiros dispositivos portáteis foram se consolidando.

Já em 2015, os serviços de streaming começaram a ganhar destaque e suas receitas começaram a se aproximar da receita dos downloads de singles, porém eles ainda não tinham superado a venda do CD.

No ano seguinte, as receitas das plataformas tiveram o seu “boom” e continuaram crescendo até os dados finais apresentados em 2020, se tornando a principal forma de distribuição de música hoje em dia.

Você pode conferir todos os dados detalhadamente acessando aqui.