Frank Iero (My Chemical Romance) em SP
Foto: Stephanie Hahne

My Chemical Romance anunciou sua aguardadíssima reunião no final de 2019 e chegou até a fazer show antes de, infelizmente, ter que pausar toda a programação por conta da pandemia.

No entanto, o guitarrista Frank Iero relembrou recentemente em uma entrevista à Ernie Ball (via Kerrang!) o período logo após o fim da banda em 2013. Ele falou que sentiu “pânico” com o futuro, e explicou melhor a sensação:

Quando o My Chem acabou, foi um sentimento de ponto final nesse aspecto mas também, ao mesmo tempo, entra esse pânico porque você fez algo por tanto tempo e isso praticamente te definiu. Há conforto nisso, mas também há esse sentimento de, ‘Ai meu Deus, bom o que fazer agora? Quem é você?’. Se isso não te definia totalmente, o que você faz agora? É um período assustador, assustador.

Ainda no mesmo papo, Iero explicou algumas das influências da banda e pode surpreender alguns dos menos familiares com o trabalho do MCR ao citar nomes como Iron Maiden Queen como ídolos:

O My Chem era um monte de influências diferentes que, no papel, não necessariamente funcionavam em conjunto, mas de alguma forma, na vida real, funcionavam. A gente escrevia essas músicas com base no que queríamos ouvir e nas coisas que crescemos ouvindo. Tem [Iron] Maiden por lá, Misfits, [David] Bowie e Queen. Essa merda não estava acontecendo no Hardcore e Punk Rock na época, só não estava. Foi assim que começou e esse foi o ponto de partida. Aí, nós acabamos fazendo a nossa própria coisa e isso foi ainda mais uma loucura do caralho.

Entrar naquela banda naqueles primeiros dias de shows, foi difícil para nós porque éramos tão diferentes de todas as outras bandas que tocavam na época. Não éramos realmente aceitos ou apadrinhados de uma forma que, digamos, uma banda mais puramente de Hardcore seria.

My Chemical Romance

Vale lembrar que, apesar da pandemia, a reunião do My Chemical Romance está mantida e os shows foram adiados para 2021.

Ainda não há menção de uma possível passagem pelo Brasil.

 
Compartilhar