SWU
 

SWU

No próximo fim de semana irá acontecer a segunda edição do Starts With You Arts + Music Festival, ou SWU, que irá trazer dezenas de bandas nacionais e internacionais a 3 palcos de Paulínia, além de uma tenda eletrônica, para uma festa que promete repetir o sucesso da primeira edição que rolou em 2010.

Nós do Tenho Mais Discos Que Amigos! estivemos lá como Insiders no ano passado e esse ano iremos repetir a dose com cobertura completa em tempo real, fotos, resenhas e tudo que pudermos trazer de lá para você, leitor do site.

Aliás, se você nos vir por lá usando uma camiseta do TMDQA!, venha conversar, peça um adesivo e nos conte o que está achando do evento.

Continuamos hoje a série com o que você deve esperar dos shows em cada dia e também informações gerais sobre o festival.

Hoje falaremos sobre as bandas de segunda-feira, dia 14.

Confira e aproveite a festa com a gente!

Palcos Principais

Serão 2 palcos principais: o Consciência e o Energia, onde os shows irão rolar de forma intercalada durante todo o dia.

Faith No More

Faith No More confirmado no SWU Brasil

Diretamente da Califórnia, o Faith No More é um dos precursores do “rap rock”, e antes mesmo de bandas como Red Hot Chili Peppers popularizarem o estilo, Mike Patton e cia. já faziam barulho por aí.

A banda acabou oficialmente em 1998, mas desde 2009 estão em uma eterna turnê de “despedida”. Inclusive, esta é a segunda passagem dessa excursão pelo Brasil: a banda tocou no Maquinaria Festival, em 2009, e fez uma elogiada apresentação.

Não há planos de gravar um novo álbum nem há novos singles à vista, mas com o FNM nunca é seguro descartar a possibilidade de boas surpresas.

Tocam no Palco Energia, das 1h30 às 3h15.

Alice In Chains

Alice in Chains

Uma das “quatro grandes” bandas do movimento grunge, ao lado de Nirvana, Pearl Jam e Soundgarden, o Alice In Chains sempre esteve entre as bandas mais pesadas daquela cena. A banda se separou em 1996, mas voltou à ativa em 2009 com o vocalista William DuVall – o legendário Layne Staley morreu de overdose em 2002.

É a segunda vez que o grupo vem ao Brasil. A primeira foi em 1993, no Hollywood Rock, ainda com a formação clássica. O último álbum do Alice in Chains, já com DuVall nos vocais, é Black Gives Its Way To Blue, de 2009.

Tocam no Palco Consciência, das 23h55 à 1h25.

Stone Temple Pilots

Stone Temple Pilots toca em São Paulo

Apesar das comparações com as bandas de Seattle, o Stone Temple Pilots surgiu na Califórnia, e tem origem em meados dos anos 80. Conhecida por sucessos como “Plush”, “Interstate Love Song” e “Trippin’ on a Hole in a Paper Heart”, a banda também a famosa pelos conflitos internos, com frequência iniciados pela turbulenta personalidade do vocalista Scott Weiland.

Após várias brigas e separações – a “oficial” veio em 2002 -, o grupo voltou à ativa em 2008. Em 2010, lançaram o sexto álbum de inéditas da carreira, e planejam começar a gravar outro em breve. A última passagem do STP por aqui não tem nem um ano: foi em dezembro de 2010.

Tocam no Palco Energia, das 22h35 às 23h50.

Megadeth

Músico do Megadeth fala sobre suas crenças

Depois de passar pelo Brasil no ano passado para comemorar o aniversário de 20 anos do clássico Rust In Peace e divulgar o elogiado Endgame, de 2009, o Megadeth chega ao SWU com um álbum novinho: TH1RT3EN.

O disco marca o retorno – em estúdio – do baixista Dave Elfson, que participou das turnês do ano passado mas não gravava material inédito com o Megadeth desde Rude Awakening, em 2002. É provavelmente a banda mais pesada do line-up do dia 14, e a única representante do trash metal no festival.

Tocam no Palco Consciência, das 21h30 às 22h30.

Primus

Primus

Mesclando rock progressivo com elementos de funk, heavy metal e experimentalismos diversos, o Primus tem um som único e difícil de classificar. Liderado pelo excelente baixista Les Claypool, o grupo se separou brevemente em 2001, mas retomou as atividades poucos anos depois.

O último álbum do trio, que nunca veio ao Brasil, é Green Naugahyde, lançado em setembro deste ano.

Tocam no Palco Energia, das 20h25 às 21h25.

Sonic Youth

Sonic Youth

Não se surpreenda se o show do Sonic Youth no SWU tiver um clima “fúnebre”. Calma: não tem nada a ver com o som da banda, uma fusão de punk e rock experimental feita com maestria. É porque o casal Thurston Moore (voz/guitarra) e Kim Gordon (voz/guitarra/baixo) anunciou recentemente o divórcio, após 27 anos casados.

A banda se comprometeu a cumprir a agenda de shows marcados, mas os integrantes ainda não decidiram se o grupo continuará junto após o show do SWU, o último previsto. Setlists recentes incluem várias faixas de Dirty, de 1992, e do mais recente álbum do quarteto: The Eternal, de 2009.

Tocam no Palco Consciência, das 19h20 às 20h20.

311

311

O 311 é adorado por fãs de rock alternativo e reggae justamente por misturar os dois estilos. Apesar de nunca ter atingido um sucesso comercial expressivo, a banda é assídua frequentadora das paradas, com singles como “Amber”, “All Mixed Up”, “Come Original” e o cover “Love Song”, originalmente do The Cure.

A banda gosta de variar bastante os setlists de um show para outro, então ainda não sabemos o que eles devem tocar por aqui. Mas a expectativa é que, entre um hit e outro, rolem várias faixas de Universal Pulse, o último álbum dos caras, lançado este ano.

Tocam no Palco Energia, das 18h15 às 19h15.

Down

Down confirma show no SWU

Eternamente conhecido como projeto paralelo de Phil Anselmo, ex-vocalista do Pantera, o Down chega ao Brasil sem fazer muito barulho – pelo menos até a hora de subirem ao palco. Lá, a banda se garante, e com o apoio dos riffs do guitarrista Pepper Keenan (do Corrosion of Conformity), devem tocar bastante material de Nola, o álbum de estreia da banda, lançado em 1995.

Tocam no Palco Consciência, das 17h10 às 18h10.

Black Rebel Motorcycle Club

black-rebel-motorcycle-club

Deslocado entre as atrações do dia, o BRMC é um trio que consegue transformar influências de garage rock, shoegaze, post-punk e blues em uma coisa só. Apesar de ter pouco destaque no line-up do festival, a banda costuma fazer bons shows. Provavelmente vão incluir no repertório do SWU várias faixas de Beat The Devil’s Tattoo, o último dos caras, lançado no ano passado.

Tocam no Palco Energia, das 16h05 às 17h05.

Duff McKagan’s Loaded

Duff_Mckagan_Loaded

Com uma formação instável, o Loaded é claramente um projeto solo de Duff McKagan, ex-baixista do Guns n’ Roses e do Velvet Revolver. A banda foi montada para acompanhar McKagan na turnê de seu segundo disco solo, Beautiful Disease, de 1999, mas deu certo e lançou três álbuns desde então. O mais recente, The Taking, saiu em abril deste ano.

Tocam no Palco Consciência, das 15h às 16h.

Raimundos

raimundos-no-swu

Votada pelo público como a banda nacional mais desejada para fazer parte do SWU, os Raimundos foram escalados com a missão de abrir o terceiro e último dia de festival. A banda segue divulgando o CD e DVD ao vivo Roda Viva, que imortaliza antigos clássicos com a atual formação do quarteto, e inclui porradas novas como a pesada “Jaws”. Vale a pena chegar cedo para vê-los, hein?

Tocam no Palco Energia das 14h10 às 14h55.

New Stage

Além dos 2 palcos principais, o SWU também irá trazer o New Stage, palco paralelo onde irão rolar performances de diferentes bandas nacionais e internacionais.

Simple Plan

simple-plan-cant-keep-my-eyes

O Simple Plan fecha o New Stage do SWU como único representante do pop punk no festival. A banda surgiu em meados dos anos 90, no Canadá, e só lançaram o primeiro álbum em 2002. Mas foi com Still Not Getting Any…, de 2004, que a banda atingiu o estrelato, com singles como “Welcome To My Life”, “Shut Up” e “Crazy”. Get Your Heart On!, o quarto álbum do quinteto, acabou de ser lançado.

Tocam das 22h45 às 23h45.

Crystal Castles

O duo eletrônico canadense Crystal Castles é famoso pelos shows intensos e explosivos, mas resta saber como a apresnetação deles vai funcionar no New Stage do SWU. Têm dois álbuns na bagagem, ambos entitulados Crystal Castles, lançados em 2008 e 2010.

Tocam das 21h30 às 22h30.

Miyavi

miyavi

O roqueiro japonês Miyavi é atualmente o maior nome do rock nipônico. Enfeitado com maquiagens e figurinos exuberantes, ele também é conhecido pela virtuosidade na guitarra, que complementam a mistura de heavy metal, hip-hop, eletrônica e música tradicional japonesa. Passou pelo Brasil pela última vez em 2009.

Toca das 20h15 às 21h15.

Bag Raiders

bag raiders

Entre roqueiros alternativos e ídolos do pop rock, a house music da dupla australiana Bag Raiders pode ficar deslocada no terceiro dia do SWU. Mas dependendo da empolgação do público, pode até animar os presentes com um set recheado de novas leituras de canções próprias e remixes de grandes nomes da música eletrônica. Têm um álbum (Bag Raiders, 2010), e nove EPs.

Tocam das 19h às 20h.

The Black Angels

Adoradores do The Velvet Underground, o pessoal do The Black Angels também não é muito conhecido por aqui. A banda faz um rock psicodélico com influências de garage rock e blues. Lançaram três álbuns de material inédito até hoje; o mais recente, Phosphene, saiu no ano passado.

Tocam das 17h45 às 18h45.

Pepper

pepper

Se você curte o ambiente praiano e os sons inspirados nele, com certeza vai gostar do Pepper. Formado no Havaí, o trio mistura rock, reggae e dub, e chegou a participar da Warped Tour em 2007. Vem ao Brasil pela primeira vez, e tem cinco álbuns lançados. É o Sublime da edição 2011.

Tocam das 16h30 às 17h30.

Ash

Muita gente se surpreendeu com a escalação dos irlandeses do Ash, especialmente entre os primeiros nomes do New Stage. A banda surgiu no início da década de noventa, e apesar de não ter alçado voos muito altos fora do Reino Unido, chegam ao Brasil bem cotados para fazer uma boa apresentação. Recentemente, a banda tem tocado o disco Free All Angels na íntegra, em comemoração aos 10 anos de lançamento do trabalho.

Tocam das 15h30 às 16h15.

Medulla

medulla

Os cariocas do Medulla são a única atração nacional no palco secundário do SWU no dia 14. Com quatro álbuns no currículo, a banda aposta na divulgação pela internet e em conteúdo digital para atrair o público, e pode impressionar – a banda tem seguidores fieis e faz um rock alternativo interessante, como poucos no país.

Tocam das 14h30 às 15h15.