Quentin Tarantino fala sobre acidente de Uma Thurman no set de Kill Bill

"Não é só um dos maiores arrependimentos da minha carreira, é um dos maiores arrependimentos da minha vida"

Quentin Tarantino em 2017
Foto via Shutterstock
 

Recentemente, a atriz Uma Thurman fez uma longa entrevista para o The New York Times onde entrava em detalhes sobre várias situações desagradáveis pelas quais passou ao longo de sua carreira.

Além de criticar o executivo Harvey Weinstein por diversos casos de assédio, Thurman também compartilhou um intenso vídeo de um acidente de carro que sofreu durante as filmagens de Kill Bill.

Na época, o diretor Quentin Tarantino teria recusado o uso de um dublê e insistido para que a atriz dirigisse o carro, que segundo Thurman não estava em boas condições. A atriz também disse que, após o acidente, acabou ficando com sequelas permanentes no pescoço e joelhos.

Agora, Tarantino deu o seu lado da história em uma entrevista para o site Deadline.

Primeiramente, o diretor falou que sabia que a história de Thurman seria publicada, uma vez que foi ele mesmo quem devolveu a gravação do acidente — após quinze anos — para a atriz.

Sobre o acidente, Tarantino assumiu a responsabilidade completa, e embora tenha admitido que estava irritado por conta da relutância de Thurman de dirigir o carro, ressaltou que não estava “completamente furioso” como havia sido mencionado no artigo.

“Eu fui falar com ela para dizer que ela com certeza iria conseguir gravar a cena, era uma linha reta, não vai ter problema”, ele comentou.

A resposta da Uma foi… ‘Okay’. Porque ela acreditava em mim. Porque ela confiava em mim. Eu disse pra ela que tudo ficaria bem. Eu disse que a estrada era uma linha reta. Eu disse que seria seguro. E não foi. Eu estava errado. Eu não forcei ela a entrar no carro. Ela entrou porque ela confiava em mim, acreditava em mim.

O problema foi que, por conta de decisões alteradas de última hora, a rota da estrada foi alterada — contando com uma curva que o diretor não esperava:

Vê-la lutar com o volante… me lembrar que eu havia falado para ela que era seguro e que ela conseguia fazer isso. Enfatizar que era uma estrada reta, uma estrada reta… o fato de que ela acreditou em mim, e eu literalmente vi essa pequena curva em ‘S’ aparecer, fazendo ela girar. Foi de partir o coração. Não é só um dos maiores arrependimentos da minha carreira, é um dos maiores arrependimentos da minha vida. Por inúmeras razões.

Você pode conferir a entrevista completa clicando aqui.

Pouco tempo após a entrevista de Tarantino, Thurman publicou uma nova mensagem em seu Instagram. Sem contradizer nada que o diretor havia declarado, a atriz afirmou que embora a situação tenha sido “negligente ao ponto de ser criminosa”, ela não possui mais mágoas em relação a Tarantino.

Quentin Tarantino estava muito arrependido e continua cheio de remorso por conta desse infeliz incidente, e ele me deu a gravação anos depois para que eu pudesse compartilhá-la e mostrá-la ao mundo, mesmo que isso fosse um evento onde a justiça nunca seria alcançada. Ele também o fez com conhecimento completo de que isso causaria a ele problemas pessoais, e eu estou orgulhosa dele de ter feito a coisa certa e pela sua coragem.

No entanto, a atriz insiste que existiu um “acobertamento” do incidente — o fato das gravações terem sido escondidas, ato pelo qual Thurman culpa os produtores Lawrence Bender, E. Bennett Walsh e Harvey Weinstein.

Tarantino também não nega que esse acobertamento tenha existido, e admite que “não consigo imaginar qual seria o pensamento do Harvey em relação a isso” após ter sido questionado se o executivo havia escondido a gravação para que Thurman não o processasse.

i post this clip to memorialize it’s full exposure in the nyt by Maureen Dowd. the circumstances of this event were negligent to the point of criminality. i do not believe though with malicious intent. Quentin Tarantino, was deeply regretful and remains remorseful about this sorry event, and gave me the footage years later so i could expose it and let it see the light of day, regardless of it most likely being an event for which justice will never be possible. he also did so with full knowledge it could cause him personal harm, and i am proud of him for doing the right thing and for his courage. THE COVER UP after the fact is UNFORGIVABLE. for this i hold Lawrence Bender, E. Bennett Walsh, and the notorious Harvey Weinstein solely responsible. they lied, destroyed evidence, and continue to lie about the permanent harm they caused and then chose to suppress. the cover up did have malicious intent, and shame on these three for all eternity. CAA never sent anyone to Mexico. i hope they look after other clients more respectfully if they in fact want to do the job for which they take money with any decency.

A post shared by Uma Thurman (@ithurman) on

Comentários