Ed Sheeran no Rio de Janeiro
Foto: Gabriel Von Borell
 

Cada vez mais bombado no mundo inteiro, Ed Sheeran provou, durante seu show na Jeunesse Arena realizado na última quinta-feira (25), que é um dos principais artistas da música pop na atualidade. Diante de uma plateia recheada de famosos e fãs enlouquecidos que esgotaram os ingressos da casa de eventos localizada na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, o músico britânico conduziu o público com maestria e fez os presentes experimentarem um universo de sensações através de suas músicas.

Enquanto os fãs chegavam aos poucos no local, o cantor Antonio Lulic, também do Reino Unido, surgiu em cena para aquecer a plateia até a hora da atração principal. Quando as cerca de 16 mil pessoas já se encontravam dentro da arena, Ed Sheeran, que havia tocado naquele mesmo palco dois anos atrás, deu o ar da graça, às 21h38, fazendo o público bramir. De cara, o astro de 26 anos, que em sua turnê se apresenta sozinho munido apenas de seu violão, tocou o recente single “Castle on the Hill”, do disco Divide, lançado em março deste ano.

Em seguida, antes de “Eraser”, Sheeran anunciou: “Eu quero que vocês cantem tudo”. “Se não conhecem, finjam que conhecem”, completou, bem-humorado. A missão, claro, foi tirada de letra pelos fãs. Vieram “The A Team”, do trabalho de estreia + (2011), “Don’t”, do álbum x (2014), e “New Man”. Mais uma vez, a plateia, composta por pessoas de diversas faixas etárias, de crianças e adolescentes até jovens adultos, cantou todas as músicas a plenos pulmões.

Tendo se apresentado recentemente na Argentina e sabendo da rixa entre brasileiros e hermanos, Sheeran provocou o público antes de “Dive”. “Rio, eu sei que vocês conseguem cantar mais alto que Buenos Aires”, desafiou o cantor. Os fãs não só confirmaram a suspeita do músico berrando o tanto quanto possível como puxaram gritos de “Ed, eu te amo” depois da execução da faixa e de um “isso foi alto” proferido pelo ídolo. A apresentação seguiu com “Bloodstream”, “Happier” e “Galway Girl”, enquanto os fãs reagiam animadamente.

Durante “Feeling Good”, Sheeran, brincalhão, perguntou se a plateia estava se sentindo bem. A cada faixa do setlist, projeções em alta definição percorriam os telões que ocupavam toda a extensão do palco, se tornando um espetáculo à parte. “Give Me Love”, “Photograph” e “Perfect” deixaram a Jeunesse Arena em clima romântico e o público cantava os versos das canções de olhos fechados. Já “Nancy Mulligan” fez subir a temperatura dos fãs novamente.

Em “Thinking Out Loud”, um dos pontos mais altos do show, Sheeran pegou a guitarra e encantou. Na sequência veio “Sing”, para fechar o repertório antes do bis e colocar todo mundo para requebrar o esqueleto, às 23h08. Enquanto isso, Sheeran agradeceu a energia de todos. Poucos minutos depois, o cantor retornou ao palco para tocar “Shape of You” e “You Need Me, I Don’t Need You”, fazendo a arena virar definitivamente uma pista de dança.

Após 1h45 de apresentação, Ed Sheeran, vestido com a camisa da seleção brasileira, hasteando a bandeira do Brasil e visivelmente empolgado com a reação da plateia, se despediu de forma calorosa do público carioca. Ao final do show, se tem algo que ficou claro é que a relação Sheeran-Rio de Janeiro ainda deve render muita história no futuro.

Setlist:

1- “Castle on the Hill”
2- “Eraser”
3- “The A Team”
4- “Don’t”/ “New Man”
5- “Dive”
6- “Bloodstream”
7- “Happier”
8- “Galway Girl”
9- “Feeling Good”/ “I See Fire”
10- “Give Me Love”
11- “Photograph”
12- “Perfect”
13- “Nancy Mulligan”
14- “Thinking Out Loud”
15- “Sing”

Bis:

16- “Shape of You”
17- “You Need Me, I Don’t Need You”