Travis
Crédito: Steve Gullick

Fundado em 1990, o Travis é um dos grandes sobreviventes do Britpop. A banda escocesa, que sempre foi vista como coadjuvante na geração liderada por Blur e Oasis, é uma das poucas a se manter na ativa; e, ainda mais raro: com a mesma formação.

Claro que três décadas tocando juntos levam a algumas rusgas, mas o Travis vem buscando novos equilíbrios a cada álbum. É o caso de L.A. Times, em que o vocalista Fran Healy levou os demais membros – Dougie Payne, Andy Dunlop e Neil Primrose – à terra que escolheu para viver: Los Angeles.

O resultado já pode ser conferido em singles como a vibrante “Gaslight” e a recente “Raze The Bar”. A última é uma ode a um bar de verdade, o Black and White, que existiu em Nova York e não conseguiu manter as portas abertas durante a pandemia. O estabelecimento, escolhido por muitos músicos como ponto de celebração, se tornou um símbolo de um espaço onde todos são iguais.

A música é, por si só, um encontro: Fran trouxe para os backing vocals dois amigos, Chris Martin (Coldplay) e Brandon Flowers (The Killers). A faixa é um exemplo da atmosfera celebratória que o Travis está emanando nesta fase “noturna” da sua discografia. 

Continua após o vídeo

A capa do álbum, clicada pelo fotógrafo Stefan Ruiz, é uma progressão das outras que ele registrou: a de The Man Who, no alvorecer; The Invisible Band, com o sol dando as caras; The Boy With No Name ao entardecer; e, finalmente, L.A. Times com a noite dando o tom.

O vocalista conversou com o Tenho Mais Discos Que Amigos! sobre esta nova fase, passeou novamente pela discografia da banda e comentou o que ele mudaria se pudesse. Confira o papo abaixo!

TMDQA! Entrevista: Travis

TMDQA!: Olá, Fran. Como você está?

Fran Healy: Estou bem, obrigado.

TMDQA!: É um prazer falar com você novamente. Quando conversamos pela última vez, o álbum “10 Songs” estava saindo no meio da pandemia, e você não pôde fazer todo o ciclo do álbum como normalmente faria. Então, acho que minha primeira pergunta é: do que você sentiu mais falta, sabe, que você pode fazer desta vez e que não foi possível naquela época?

Fran: Hum, há tantas coisas, tantos aspectos de lançar um disco que não só nós, mas todas as bandas que lançaram álbuns naquela época não puderam fazer, e tudo foi muito difícil. É como se você fosse a uma estação de rádio para fazer uma sessão onde eles têm técnicos que colocam um microfone em você, depois alguém que grava, depois alguém que mixa, alguém que te entrevista… Na pandemia, você tinha que gravar sozinho, mixar sozinho, se entrevistar sozinho, e tudo demorava quatro vezes mais. Eu não senti falta disso, porque foi um bom descanso. Foi bom não ter que fazer nada. Acho que todos aproveitaram esse tempo estranho. Eu escrevi bastante. Então, desta vez, estou aproveitando para tocar ao vivo. Estou gostando de fazer entrevistas. Até porque depois desta entrevista, eu posso pegar o meu carro e fazer o que eu quiser.

TMDQA!: E viver, certo?

Fran: Sim, estamos livres. Mas foi difícil. Sim, foi realmente difícil.

TMDQA!: Verdade. Bom, quero falar sobre “Raze the Bar”, que vocês acabaram de lançar, porque sei que foi inspirada em um bar real de Nova York e acho que é uma celebração do ato se reunir, certo? E você convidou seus amigos, Brandon e Chris, para cantar junto. Então, eu estava curiosa, de onde veio a ideia? Sei que vocês são vizinhos ou algo assim, mas vocês eram frequentadores do bar?

Fran: Oh, não. Bem, na verdade, acho que alguns dos caras do Coldplay já foram a esse bar e sei que os caras do The Killers também. Toda banda ia a esse bar, em particular, que se chamava Black and White, mas a ideia surgiu porque eu fui ver o Chris para pedir ajuda na ordem do álbum, porque eu não conseguia ouvir, já estava tão acostumado com as músicas, eu precisava de um ouvido novo. Então liguei para ele e disse: “Ei, você se importaria de subir a rodovia por uma hora?” Então pegamos o carro, dirigimos, e essa música tocou. Ele disse: “Isso é incrível.” E quando voltamos para a casa dele, ele começou a tocá-la no piano, o que foi muito legal. E cantando, ele pegou, sabia os acordes e lembrou a melodia, e alguns dias depois pensei “seria legal se talvez Chris viesse e cantasse” e ele disse “sim, claro, eu canto”. E ele disse: “Mas você deveria chamar mais pessoas, deveria chamar mais alguns amigos”. E eu só tenho mais um amigo superstar, que é o Brandon, então mandei uma mensagem para o Brandon. E ele disse: “Claro.” E ficou ótimo, eu adorei. 

E realmente fala sobre isso. A ideia da música é essa, como você disse, reunir-se. É sobre amizade. Bares são lugares onde todos se reúnem. E você pode ser intelectual. Você pode ser encanador. Você pode ser poeta ou qualquer coisa entre esses extremos e nos bares todos são iguais. Você vai lá para tomar uma bebida ou para esquecer tudo por um momento. E a música é a mesma coisa. Você vai a um show e isso te nivela. Você faz parte do lugar. Algumas músicas e bares sempre andam juntos. E acho que a música é uma bela homenagem a esse bar em particular. Toquei para algumas pessoas que conheciam o bar e ficaram bastante emocionadas ouvindo porque o bar não existe mais. Então é legal.

Continua após o vídeo

TMDQA!: Sim, você está honrando-o de certa forma. E, sabe, estava pensando que você é o principal compositor da banda, geralmente o único compositor da banda. E o fato de você viver nos EUA há uma década, tenho certeza que isso influenciou a música do Travis ao longo dos anos. Como você diria que esses tempos em L.A. mudaram o Travis?

Fran: Meu tempo em L.A. definitivamente teve um efeito em mim, mas vejo como, onde quer que você vá, o que quer que faça, cada experiência em sua vida é como uma folha de chá no saquinho de chá. Então, eu saio hoje e tropeço ou caio na rua e, não importa o que seja, grande ou pequeno, cada experiência vai para você, para o seu cérebro, para o seu corpo. E você talvez não se lembre delas na superfície, mas tudo se infiltra e então você escreve uma música e todas essas experiências, a música vem e escoa através de todas as experiências, talvez pegue mais de uma experiência do que de outra.

Mas eu nunca me sento e, por exemplo, com “Raze the Bar”, eu não sabia que ia escrever uma música sobre um bar em Nova York. Eu não tinha ideia antes de começar a escrever, você começa a escrever e encontra alguns acordes e pensa “isso é bom”. O primeiro verso era “está frio lá fora, mas está quente aqui dentro” então eu pensei, “sobre o que estou cantando? Sobre o que estou falando?”. E então a segunda linha vem, mas você não sabe. 

Músicas são como ter um bebê. Você não sabe como o bebê será. Você não sabe se vai ser um astronauta, um presidente, um varredor de rua, um professor, um monte de coisas. Você simplesmente não sabe. Você não sabe como será a aparência. Você não sabe como vai ser a sua voz. Você talvez saiba se é um menino ou uma menina, talvez, mas todas as outras coisas você não sabe. E é o mesmo com escrever uma música. Antes de eu escrever essa música, eu não sabia o que ela ia ser. Agora, essa música está no mundo. 

E lembro quando “Why Does It Always Rain on Me” saiu ou “Sing” ou uma das grandes músicas que tivemos no passado. Mas, digamos, “Why Does It Always Rain on Me” saiu. E nesse ponto, era apenas mais uma música, sabe, você não sabe o que vai ser, você não sabe o que vai se tornar. As pessoas podem dizer: “oh, isso é um sucesso” ou “não, isso não é”. A grande coisa democratizante sobre a música é que só o tempo pode dizer se algo vai ser uma música famosa. Então, assim como as crianças, “Why Does It Always Rain On Me” se tornou um astronauta! Você sabe, foi para o espaço, está lá fora agora.

TMDQA!: Foi longe!

Fran: Sim, está flutuando no espaço e todos podem vê-la quando quiserem. Isso pode ser o mesmo, pode não ser, mas você não sabe. Então, voltando à sua pergunta original sobre L.A. afetar minha composição, definitivamente afeta, mas ser pai também é algo que influencia minha composição, tudo. Todas as experiências, nenhuma mais do que as outras. É uma maneira estranha de ganhar a vida.

TMDQA!: Nem é uma pergunta, mas só queria comentar: mesmo morando 10 anos nos EUA, você fez a música mais escocesa da banda: The River!

Fran: Ah é verdade, dá essa sensação mesmo!

Continua após o vídeo

TMDQA!: É, acho que é o cúmulo da Escócia em vocês! [risos] Bom, eu sei que tenho que deixar você ir, mas eu realmente queria falar sobre a arte da capa do álbum, que vocês revelaram. E sei que é a quarta que foi fotografada por Stefan Ruiz e na newsletter, você disse que eles eram os álbuns mais importantes do Travis. E tenho certeza de que você está certo. Quer dizer, os maiores sucessos estão lá, em The Man Who, The Invisible Band e The Boy with No Name. Mas eu estava me perguntando… bem, acho que isso é uma pergunta de duas partes. Onde os outros álbuns se situam para você em termos do que significam para a banda? E considerando que cada uma dessas capas representa uma hora do dia e vocês finalmente chegaram à noite em L.A. Times, então o que a noite representa para o Travis, já que vocês estão tocando juntos há 30 anos?

Fran: Bem, provavelmente a noite representa aquele momento da sua vida, na vida de uma banda de rock. No primeiro disco, é a manhã, quando você está nos seus 20 anos, a tarde é no final dos 20 e nos 30, o entardecer é nos 40, e então você chega aos 50 e é a noite. E então, se você puder ir além disso, adivinhe o que acontece? Você sabe, o sol nasce novamente e o dia começa novamente e você começa de novo. Mas você continua e então para mim parece uma continuação, vamos continuar fazendo o que fazemos e o sol vai nascer de novo e quem sabe, podemos usar o Stefan novamente e fazer outra capa de manhã de novo? Este [o novo] é um disco vital do Travis porque dá essa sensação e você não pode, como eu disse – lembra do que eu estava falando, sobre você não saber o que vai ser até que saia? Então, todas essas músicas juntas pareciam importantes, é como se você as pegasse e as pesasse e elas parecessem pesadas, pareciam que tinham peso. Com os outros álbuns, não quero dizer que não há peso nos outros, mas há um sabor ou algo que era muito essencialmente nós no disco [L.A. Times] e todos sentimos isso quando estávamos fazendo.

Good Feeling é uma exceção, é o primeiro álbum. Isso era nós apenas descobrindo “o que diabos estamos fazendo aqui?”. Aí vem The Man Who, The Invisible Band. 12 Memories, de novo, foi uma exceção porque estávamos todos em guerra e eu estava realmente tentando entender toda a loucura que aconteceu em The Man Who e The Invisible Band. Foi um ponto fora da curva.

E então The Boy With No Name foi quase como o Travis, outro disco muito essencial do Travis. Tinha aquela coisa, você sabe, aquela coisa que fazemos. E então, Ode to J. Smith. Então acho que há esses álbuns centrais e o que você chama de exceções. Então Good Feeling é uma exceção porque é o primeiro. 12 Memories é uma exceção, porque foi, sabe, uma coisa ligeiramente diferente. Foi mais difícil. Foi mais sombrio. Ode to J. Smith é totalmente fora da curva e Where You Stand e Everything At Once são exceções porque eu senti que não estava realmente completamente envolvido neles. Eu não estava completamente focado e estranhamente 10 Songs é uma exceção talvez porque a arte não é muito boa.

Eu não gosto da arte! Eu tinha feito uma arte e o empresário ou alguém na empresa de gerenciamento me disse que eles queriam diferente e me fizeram fazer algo que eu não queria. Seria apenas uma capa azul simples. Apenas dizia 10 Songs e seria realmente agradável e simples [risos], mas eu não pude fazer isso. Então talvez, eu poderia ter tido uma sensação diferente sobre esse disco, mas toda vez que olho para esse álbum, penso “aff”, porque não pude fazer o que queria, que é o que você deveria poder fazer se é um artista.

TMDQA!: Bem, estou feliz que você tenha conseguido fazer o que queria desta vez. E eu amo todos eles. Como você ama todos os seus filhos, eu amo todos os seus filhos também.

Fran: Oh, muito obrigado.

TMDQA!: Sim, então muito obrigada pelo seu tempo, Fran. Eu sei que tenho que deixá-lo ir, mas espero que você se divirta com este novo álbum e que ele o traga para o Brasil.

Fran: Certo. Obrigado. Muito obrigado!

OUÇA AGORA MESMO A PLAYLIST TMDQA! METAL

Nu Metal, Metalcore, Heavy Metal, Thrash e muito mais: todo peso das guitarras aparece na Playlist TMDQA! Metal para você ouvir clássicos e conhecer novas bandas agora mesmo. Siga o TMDQA! no Spotify!