Agradecimento de Dave Mustaine em vídeo

Há muitos anos, Dave Mustaine e o Metal possuem uma sintonia impressionante. O astro surgiu como guitarrista do Metallica e, depois de deixar o grupo, fundou o Megadeth, que também se tornou uma das bandas mais influentes do gênero.

Apesar do gênero pesado ser seu maior aliado, o vocalista revelou ser dono de um gosto musical versátil ao compartilhar com a Louder Sound os discos que mudaram sua vida e em que situação eles se encaixariam.

Indo de obras de David Bowie a Pink Floyd e Johnny Winter, a maior surpresa da lista provavelmente é Love, disco da banda escocesa de indie rock Aztec Camera. Sobre a escolha, o vocalista do Megadeth aponta que o cantor Roddy Frame “é um ótimo compositor pop”.

Confira a seguir os 10 discos que mudaram a vida de Dave Mustaine e as explicações do músico sobre cada uma de suas escolhas!

Os 10 discos que mudaram a vida de Dave Mustaine

Primeiro disco comprado: David Bowie – Changesonebowie (1976)

O primeiro álbum que tive foi do Kiss, ‘Hotter Than Hell’. Mas eu roubei esse. Na escola que frequentei, havia alguns músicos realmente excelentes que faziam parte do pequeno círculo do qual eu fazia parte. Havia os atletas e os maconheiros, e a maioria dos maconheiros tocava, e esses caras tocavam muitas músicas de catálogo de Bowie. ‘Diamond Dogs’ foi uma das músicas que eu realmente gostei, e ‘Rebel Rebel’ foi legal. Devo dizer que a letra de ‘Diamond Dogs’ ressoou em mim e no rumo que minha vida estava tomando. ‘As they pulled you out of the oxygen tent / You asked for the latest party…’ Bem, se isso não parecia comigo naquela época, não sei o que parecia, sabe?

Disco que faz lembrar do ensino médio: UFO – Phenomenon (1974)

Ou é ‘Phenomenon’ do UFO ou ‘Let There Be Rock’, do AC/DC. Esses foram os dois discos que mais ouvi nesse período. Black Sabbath também estava sendo tocado bastante ao mesmo tempo, mas não lembro qual era… Acho que era o que tinha ‘Changes’. Estávamos enrolando baseados de 50 centavos e então aparecia ‘Changes’ e era a minha música menos favorita, então é por isso que me lembro dessa em particular. Mas eu vou com UFO. Ouvimos muito esse disco.

Disco preferido de todos os tempos: Led Zeppelin – Presence (1976)

Se vale de alguma coisa, é difícil apontar apenas um disco. Diamond Head foi uma ótima banda para mim. O mesmo vale para muitas coisas do Mercyful Fate. Lembro-me de dirigir pela estrada com Hetfield, ouvindo Venom e Motörhead o tempo todo. Eram duas bandas de que gostávamos muito. Mas se você colocar uma arma na minha cabeça, eu teria que escolher o Led Zeppelin. ‘Presence’ é aquele que surgiu quando eu estava me tornando fã, porque eu era muito jovem quando os discos anteriores foram lançados.

Disco que define o Metal: Judas Priest – Sad Wings Of Destiny (1976)

Aqueles que definem o metal para mim? Tudo remonta ao Motörhead e ‘No Sleep Till Hammersmith’. Esse foi o epítome dos riffs. Mas quando se trata de Heavy Metal clássico, ‘Sad Wings of Destiny’ do Judas Priest é definitivamente uma das grandes obras de todos os tempos. Ouvir a guitarra em uníssono de Glenn Tipton e KK Downing e ouvir Rob Halford soltar… quem canta assim? Ninguém. Fiquei tão fascinado por aquela banda e tudo sobre eles, que fui a uma loja de chapéus e comprei um Fedora porque Glenn Tipton estava usando um na contracapa de ‘Sad Wings’… Eu tenho cabelos cacheados, então os chapéus não ficam tão bem. Não durou muito [risos].

Disco para dirigir rápido: Motörhead – Ace Of Spades (1980)

Eu tenho que voltar para o Motörhead novamente. Você poderia dizer que a guitarra tocada em ‘Killers’ do Iron Maiden está lá em cima. Esse foi um disco importante para mim também, mas o ritmo não era tão alucinante quanto as faixas mais rápidas do Motörhead. Eles são a banda perfeita para acelerar… ou ir para a cadeia! [risos].

Disco que ninguém acredita que gosta: Aztec Camera – Love (1987)

Estávamos em Paris e a televisão estava na MTV. Lembro que estava muito doente na época, e Roddy Frame estava cantando ‘Deep and Wide and Tall’, e ele é um ótimo compositor pop. Você pode dizer que os caras do Metal que têm carreiras duradouras e de sucesso geralmente são pessoas que ouvem música fora do domínio óbvio e têm influências externas ao metal. Se estivermos apenas repetindo o que nossos colegas estão fazendo, não estamos realmente forçando os limites. Eu também possuo um single do Scritti Politti chamado ‘Wood Beez’. Ele veio com um toca-discos que alguém havia deixado em uma casa para onde eu e David Ellefson nos mudamos, e eu meio que o adotei. É um pouco pop para mim.

Disco com a melhor capa: Pink Floyd – Wish You Were Here (1975)

Esse é muito fácil. Eu teria que dizer ‘Wish You Were Here’ do Pink Floyd, com os caras apertando as mãos e o cara pegando fogo. Storm Thorgersen é um artista incrível, tanto que usamos um cara chamado Hugh Syme, que era um protegido dele, para ‘Countdown to Extinction’ e ‘Youthanasia’. Queríamos algo original e instigante e não apenas uma ilustração. Fomos rotulados e todo mundo ficou tipo ‘Onde está [o mascote] Vic [Rattlehead]?’ toda vez.

Com ‘Youthanasia’, as pessoas ficaram chocadas porque pensavam que penduramos bebês de cabeça para baixo e tiramos fotos. O que fizemos foi pedir às mães que entrassem e os bebês ficassem nessas mesas transparentes com a luz embaixo, então as mães agarravam os dedos dos pés e esticavam as pernas para que parecessem que estavam pendurados pelos pés. Achei isso brilhante.

Disco mais subestimado de todos os tempos: Angel – Angel (1975)

Eles estavam na Casablanca Records. Eles eram o yin do yang do Kiss. O Kiss estava vestido de preto e o Angel estava vestido de branco. Eles tinham um guitarrista notável chamado Punky Meadows, de quem Frank Zappa zombava nas músicas. Mas ele tinha algumas músicas notáveis ​​como ‘Tower’ e ‘Any Way You Want’. Elas eram quase progressivas até certo ponto, mas músicas realmente ótimas. Sempre pensei em fazer uma cover da música ‘Tower’. O cantor tinha uma voz muito estranha. Você tem que ter a mente super aberta para apreciá-lo, porque ele tem um vibrato super-rápido, e muitas pessoas não acharão isso atraente. Mas eles foram uma das minhas bandas favoritas enquanto crescia.

Disco para tocar em seu funeral: Johnny Winter – Still Alive And Well (1973)

Sempre brinquei sobre isso. Não estou ansioso para morrer! Não tenho medo de morrer e já morri uma vez, mas não ser mais capaz de viver e não poder compartilhar a vida? Eu amo minha família, amo minha banda, amo onde minha vida está agora e minha carreira está indo muito bem. Acredito que a comunidade do metal neste momento… o pêndulo oscilou de forma positiva para todos nós, não apenas para os Big Four, mas também para os pequenos 400! [risos]

Disco pelo qual quer ser lembrado: Megadeth – Dystopia (2016)

Em termos de aprimorar minha forma de tocar e compor, e o reencontro de David Ellefson e de mim mesmo, e com Kiko sendo um guitarrista tão inacreditável, eu teria que escolher ‘Dystopia’ neste momento. Mas agora que Dirk Verbeuren está na banda, estou realmente ansioso pelo que vem por aí. Quando entramos na sala de ensaio, nos aquecendo para os shows, e ouvimos Dirk tocando algumas batidas explosivas, fico questionando como o Megadeth vai soar quando gravarmos o próximo disco e tivermos aquelas batidas entorpecentes acontecendo; isso vai elevar meu som a limites sobrenaturais. Estou animado porque posso fazer coisas de metal rápido, mas tendo o talento e a profundidade musical que Kiko tem e com Ellefson segurando a base, estou realmente ansioso pelo próximo disco. Comecei a pensar nisso no dia em que saímos do estúdio depois de fazer ‘Dystopia’. É assim que estou conectado.

Nota: A entrevista foi publicada antes da saída de Kiko e David da banda, e antes do lançamento de “The Sick, the Dying… and the Dead!”, de 2022.

OUÇA AGORA MESMO A PLAYLIST TMDQA! ALTERNATIVO

Clássicos, lançamentos, Indie, Punk, Metal e muito mais: ouça agora mesmo a Playlist TMDQA! Alternativo e siga o TMDQA! no Spotify!