Deep Purple
Foto por Ben Wolf

Neste sábado (23), o Deep Purple anunciou através de suas suas redes sociais a saída definitiva do guitarrista Steve Morse.

O músico, que entrou para o grupo em 1994, já estava afastado da banda há um tempo para cuidar da esposa que está com câncer. O comunicado oficial do Deep Purple começa dizendo (via Loudersound):

O Deep Purple anuncia que Steve Morse vai se afastar da banda, tendo sido seu guitarrista por mais de um quarto de século. As circunstâncias pessoais de Steve tornaram impossível para ele se comprometer com a agenda da banda ao longo de 2022 e além. Há alguns meses, Steve compartilhou abertamente com os fãs da banda o triste fato de sua esposa, Janine, estar lutando contra um câncer e, em suas próprias palavras, ele ‘simplesmente deve estar lá com ela’. Desde que ingressou na banda em 1994, Steve escreveu e gravou oito álbuns de estúdio com a banda: ‘Purpendicular’, ‘Abandon’, ‘Bananas’, ‘Rapture of the Deep’, ‘Now What?!’, ‘Infinite’, ‘Whoosh!’ e ‘Turning to Crime’. Além disso, Steve também gravou muitos discos ao vivo com o Deep Purple ao longo dos anos. Steve fará muita falta para a banda, equipe, empresários, gravadora e todos aqueles que tiveram o prazer de trabalhar com ele ao longo dos anos. Steve sempre foi extremamente grato pelo apoio e amor dos fãs do Deep Purple em todo o mundo. Um verdadeiro mestre…

Em seguida, a nota menciona as palavras de Steve sobre sua saída:

No outono passado, de repente, deixei a sessão de gravação do Purple na Alemanha
porque minha esposa estava tendo uma verdadeira crise médica. Quase um ano
depois, estamos aprendendo a aceitar o câncer agressivo de estágio 4 e o tratamento
de quimioterapia pelo resto da vida. Nós dois sentimos falta de estar em shows, mas
eu simplesmente não podia me comprometer com turnês longas ou distantes, já que as
coisas podem mudar rapidamente em casa. Eu sugeri arranjar um guitarrista substituto
no outono passado, esperando que pudéssemos ver a cura milagrosa do câncer de
que todos nós já ouvimos falar. Com o passar do tempo, pude ver como as coisas
estavam indo, depois de 28 anos na banda. Eu já fiz meu último show com o Purple na Flórida no Rock Legends Cruise. Gostaria de agradecer aos ouvintes que apoiaram tão fortemente a música ao vivo e transformaram cada show de um ensaio geral em uma experiência estrondosa e emocionante. Sentirei falta de todos na banda e na equipe, mas ser a ajudante e defensor de Janine fez uma diferença real em muitos pontos-chave. À medida que Janine se ajusta às suas limitações, ela é capaz de fazer muitas coisas sozinha, então tentaremos fazer algumas turnês mais curtas com amigos para, esperamos, tirar nós dois de casa! Eu sei que Simon já tem o show marcado, mas agora estou entregando as chaves do cofre que guarda o segredo de como a introdução de ‘Smoke on the Water’ de Ritchie foi gravada. Acho que você tem que balançar a chave direitinho, porque eu nunca a abri.

Já o vocalista Ian Gillan disse:

Em circunstâncias como essas, normalmente é difícil encontrar as palavras certas,
mas não no caso de Steve Morse; eu sei o que quero dizer. Ele veio de uma formação diferente do resto de nós no Deep Purple e ainda assim seu gênio musical foi de alguma forma compatível e desempenhou um papel importante na nova direção adotada pelo grupo quando ele se juntou e fez seu primeiro álbum conosco em 1996, e depois, por mais de um quarto de século, desfrutando da mais longa incumbência de qualquer guitarrista do DP e contribuindo para a formação mais longa e imutável, que começou quando Don Airey substituiu Jon Lord — que se aposentou em 2002 — até os dias atuais.

Tomei conhecimento de Steve pela primeira vez através do Dixie Dregs, particularmente a faixa ‘Take It Off the Top’, que foi a música tema do programa de rock de Tommy Vance na BBC e me impressionou muito. Eu não percebi na época que um dia eu teria a sorte de estar no palco com Steve e desfrutar de suas habilidades perigosamente de perto. Conheci-o como um homem muito gentil, cheio de ideias e paciência para vê-las desenvolvidas. Ele dizia: ‘você nunca sabe até tentar’. Nós com certeza nos divertimos debatendo essa abordagem, mas principalmente de um jeito bom e ele sempre dava o melhor que podia. Steve deixa um legado com o Deep Purple que nunca pode ser esquecido, e esse sorriso fará falta. Seria errado comentar sobre suas circunstâncias pessoais, basta dizer que ele está em uma situação ruim agora, mas lidando com isso com bravura e da melhor maneira possível; todos nós admiramos sua devoção e ele tem sido um homem de família forte durante toda a sua vida.

Tudo isso veio em um momento terrível para todos, incluindo os outros músicos do Deep Purple. Depois de dois anos fora da estrada por causa de quarentenas em
todos os lugares, tivemos que voltar ao que fazemos, que é tocar ao vivo ao redor do mundo e fazer música da maneira que sempre fizemos, desde 1968. À medida que envelhecemos, percebemos que estamos muito mais perto do fim, e isso desencadeia
uma urgência que não será domada. Do ponto de vista de Steve, posso apenas
imaginar que não há uma maneira ‘legal’ possível de continuar com um novo homem,
mas é isso ou encerrar o dia, porque a falta de impulso foi gradualmente se tornando
algo mais significativo; parecia terminal. A melhor maneira de descrever isso é usando as próprias palavras de Steve; quando lhe enviei uma carta de amor algumas semanas atrás, ele respondeu que era estranho estar em casa enquanto estávamos lá fora, mas ‘a realidade intervém’… e foi isso que aconteceu. Eu só posso manifestar amor e respeito, e vibrações positivas nas memórias de bons momentos juntos.

A gente lamenta o fim dessa parceria! Confira o comunicado do Deep Purple na íntegra a seguir ou clicando aqui.

LEIA TAMBÉM: Metallica disponibiliza EP ao vivo com covers de Beatles, Deep Purple, Ozzy Osbourne e mais

OUÇA AGORA MESMO A PLAYLIST TMDQA! ALTERNATIVO

Clássicos, lançamentos, Indie, Punk, Metal e muito mais: ouça agora mesmo a Playlist TMDQA! Alternativo e siga o TMDQA! no Spotify!

 

Compartilhar