L' HOMME STATUE
Foto por Jonathan Wolpert e Alma Negrot

L’ HOMME STATUE é o projeto solo de Loïc Koutana, imigrante afro-francês que escolheu o Brasil como lar. Cantor, dançarino, modelo, performer e influenciador digital, o artista vem divulgando seu álbum de estreia, SER, lançado em Novembro de 2021, mês da Consciência Negra.

Nas últimas semanas, L’ HOMME STATUE revelou o videoclipe do single “Jalousie“, dirigido por Fred Ouro Preto. O projeto, já disponível no canal do artista no YouTube, chega marcado por uma performance de tom dramático e profundo.

Novo videoclipe de L’ HOMME STATUE

Na produção audiovisual, L’ HOMME STATUE apresenta um corpo disposto ao amor livre e que questiona — verso a verso, cena a cena — os obstáculos dessa plena realização. Embalando o mergulho no tempo mítico do tema e de sua ancestralidade, figuras sedutoras e iradas são destaque ao referenciar divindades de culturas africanas.

Clipe e canção se complementam. “Jalousie” expõe uma celebração às várias possibilidades de se envolver afetivamente, sem amarras e definições. Seguindo essa narrativa, logo na abertura do vídeo um desencontro mostra cenários que revelam solidão e os atravessamentos das paixões que estão sob a luz do ciúme, raiva e quase loucura.

Sobre samplers de violino e batidas abafadas, Loïc reafirma sua ousadia e versatilidade ao cantar em português e francês. Pedro Zopelar — produtor musical do projeto e maior parceiro criativo de Koutana — chama a atenção para o vocal mais falado e cadenciado no single.

Vale a pena destacar os graves e a introdução com toques de mensagem de celular que dão a entender que a faixa seria um grande desabafo enviado via áudio.

Continua após o vídeo.

O SER de L’ HOMME STATUE

Loïc Koutana é arte por natureza. Nascido em Paris, de família natural do Congo e da Costa do Marfim, o artista escolheu o Brasil por amor — e é aqui que ele lançou seu primeiro álbum, SER.

Produzido por L’ HOMME STATUE em parceria com Pedro Zopelar, o disco passeia pelo techno, funk, R&B, disco e trap, sonoridades que atravessaram o cantor durante sua trajetória artística. Sobre a parceria, Zopelar conta:

A forma despretensiosa e divertida com que trabalhamos ao longo do processo refletiu a pureza e a potência de cada composição, resultando em um trabalho muito único e autoral que sintetiza uma bela parte do mundo particular de L’ HOMME STATUE.

Esse mundo particular se destaca em cada verso, em cada canção: com toda a bagagem cultural (e ancestral) de STATUE, o cantor flui entre inglês, francês e português, formando a linguagem mista que ele já tornou sua.

SER é um retrato intimista mesmo para quem está habituado a se expor. Com uma carreira baseada em “emprestar seu corpo” dançando para artistas como Elza Soares, Baco Exu do Blues e Mahmundi, L’ HOMME STATUE é familiar à nudez; Loïc, nem tanto. Nesse disco, STATUE e Loïc se encontram, se reconhecem e se definem, reflete o artista.

Eu falei: ‘Eu vou eu mesmo me definir. Eu decido tomar o controle sobre o meu corpo, a minha sexualidade e quem eu sou’. Quero que as pessoas lembrem de mim pelo fato de ser.

O resultado é um álbum que parece uma declaração de independência do “corpo preto viado” que sempre foi definido por outros. Aqui, L’ HOMME STATUE controla a própria narrativa, transitando do romântico e delicado ao tenso e caótico sem perder a vulnerabilidade.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!