Stranger Things
Crédito: divulgação

Como te contamos aqui, a nova temporada de Strangers Things trouxe Kate Bush de volta às paradas de sucesso ao incluir “Running Up That Hill” no episódio intitulado “Dear Billy”.

A música teve uma importância fundamental na trama e, segundo profissionais ligados à Netflix, o processo para a inclusão do single lançado em 1985 foi bem mais longo do que os fãs podem imaginar.

Em entrevista para a Variety (via Consequence), Nora Felder, supervisora musical de Stranger Things que liderou as tratativas para obter o direito de “Running Up That Hill”, revelou a caminhada da produção para receber o aval de Kate.

A profissional, que teve liberdade irrestrita dada pelos criadores, os irmãos Duffer, contou como tudo aconteceu para chegar até a canção que praticamente selou o destino da personagem Max, vivida por Sadie Sink:

Cada um dos possíveis espaços de música nos roteiros iniciais foi marcado com algo temporário, [que dizia] ‘música da Max, a ser definida’. A partir daí, eu fiz um esforço para me alinhar internamente com os elementos mais importantes apresentados pelos Duffer, e usei a minha intuição para entender os sentimentos complexos de Max. [A canção de Kate Bush] imediatamente me pegou com a possível conexão com as batalhas emocionais de Max e ganhou ainda mais significado conforme a música de Bush penetrava na minha cabeça.

As letras de Kate Bush podem significar muitas coisas para pessoas diferentes. Em relação ao isolamento doloroso de Max e seu afastamento dos outros, um ‘acordo com Deus’ podia perfeitamente refletir sobre como Max acreditava que somente um milagre salvaria sua vida. No caso de Max, a necessidade por esse ‘acordo com Deus’ pode, talvez, funcionar como uma metáfora para a busca desesperada por amor — para manifestar todo o apoio que Max precisava enquanto se sentia dolorosamente sozinha.

Depois da escolha de “Running Up That Hill”, Felder precisou correr atrás para convencer Kate a liberar o uso da música na série. A tarefa era quase impossível, já que Bush é notavelmente contrária à prática de sync — o uso de uma canção durante alguma cena de uma produção audiovisual.

Sem desistir, ela montou um esboço sobre como a música seria aplicada nas cenas e, em seguida, foi preciso encontrar a gravadora dona de “Running Up That Hill” — no caso, hoje, a Sony.

Nessa etapa, também entrou em jogo a executiva Wende Crowley, vice-presidente sênior do departamento de marketing, cinema e TV da Sony. Ela falou sobre a postura de Kate, detalhando a dificuldade e o plano para contorná-la:

Kate Bush é bastante seletiva quando se trata de licenciar músicas. E, por causa disso, nos certificamos de obter páginas de roteiro e gravações para ela revisar, para que pudesse ver exatamente como a música seria usada.

A cantora, então, junto com seus representantes, recebeu a equipe a fim de entender a inserção de “Running Up That Hill” na trama. Finalmente, depois da longa negociação, Kate concedeu a licença para sua utilização na obra e, de acordo com Felder, um motivo improvável colaborou bastante para isso: Bush já era fã da série!

Relembre o clipe de “Running Up the Hill” a seguir.

Kate Bush e trilha sonora de Stranger Things

Em tempo, a trilha sonora do Volume 1 da quarta temporada de Stranger Things, que inclui “Running Up That Hill”, estreou em 27 de Maio, mesmo dia em que a Netflix liberou os novos episódios. A última parte ficará disponível no streaming em 1° de Julho.

LEIA TAMBÉM: “Stranger Things”: conheça bandas de Metal que inspiraram o personagem Eddie Munson

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!