EKT no tributo a Taylor Hawkins do Lollapalooza
Foto por @Creativeclub.today

Ao final desse dia 27 de Março, se tudo tivesse corrido como planejado, teríamos todos presenciado mais um show do Foo Fighters onde Dave Grohl gritaria até perder a voz e Taylor Hawkins detonaria sua bateria antes e depois de cantar alguma música do Queen no meio da performance.

Tanto na transmissão quanto presencialmente, as pessoas estariam comentando sobre pontos altos e baixos de mais um show dos Foos por aqui, falando bem e falando mal, mas todos estariam cantando clássicos como “Everlong”, “My Hero”, “Best Of You”, “The Pretender” e tantos outros.

Mas, como sabemos, nada ocorreu como o planejado.

Tributo a Taylor Hawkins no Lollapalooza Brasil 2022

E não é como se a organização tivesse falhado ou qualquer coisa do tipo.

Fato é que a vida nos pregou mais uma peça, como já fez tantas outras vezes, e na última sexta-feira, justamente no primeiro dia do “lolla do retorno” após o lockdown, recebemos a notícia de que Taylor Hawkins havia falecido.

Para o horário da apresentação da banda, o Lolla escalou um tributo que a princípio parecia meio deslocado do seu propósito, mas que depois fez todo sentido quando descobrimos que o foco principal, que o grande motivo de tudo, era a música.

Perry Farrell emocionado e último áudio

O começo da apresentação teve um vídeo no telão onde Perry Farrell, fundador do Lollapalooza e líder do Jane’s Addiction, falou sobre a sua relação com Taylor.

Claramente abatido, ele disse que os dois compartilhavam o amor pela música e que o baterista era alguém muito enérgico com quem ele trocava ideias e criava projetos em casa. Chegou, inclusive, a chamá-lo de “melhor amigo”.

Antes de se despedir, Perry chamou a sua companheira, Etty Farrell, e com os olhos marejados ela compartilhou com milhares de pessoas no Autódromo de Interlagos uma das últimas vezes em que Taylor Hawkins se comunicou com alguém em sua vida.

No último áudio recebido por ela (que você pode ouvir legendado em português aqui), ele disse:

Cuidem-se um do outro e eu cuidarei de mim. E eu irei vê-los em São Paulo.

Eu amo, amo, amo, amo vocês. Durmam bem.

A partir daí, a arte brasileira passou a dar as caras.

Emicida e um dos maiores encontros do Rap nacional já televisionados

Rael e Criolo no Lollapalooza (Tributo a Taylor Hawkins)
Foto por @Creativeclub.today

Michele Cordeiro, guitarrista de Emicida, apareceu ao lado de outras artistas incríveis como a também guitarrista Mônica Agena, e cantou a emocionante “My Hero”, um dos principais sons do Foo Fighters entoados mundo afora desde sexta-feira.

Nesse momento, emendado com o áudio de adeus de Hawkins, o que mais se viu na plateia foram pessoas chorando ou tentando conter as lágrimas.

Depois, Emicida ampliou o leque de convidados e trouxe ao palco Drik Barbosa, Bivolt, KL Jay, Ice Blue e DJ Nyack, como parte da sua banda base para fazer improvisos a respeito de batalhas de rima, Rap nacional e a oportunidade de estar mais uma vez no palco do Lollapalooza Brasil após o showzão de ontem.

Foi aí que entendemos que o show não seria uma celebração à obra de Taylor, com versões, referências, imagens e passagens da sua carreira, mas sim um show para a plateia do Lollapalooza. Um ato que substituiria a ausência de outro.

Mais grandes nomes se juntaram ao cara, e um dos pontos altos da festa do Rap foi quando Criolo apareceu usando uma camiseta que tinha a urna eletrônica e a palavra “VOTE” nas estampas.

Em sua primeira aparição no palco, ele cantou o mega hit “Não Existe Amor em SP” e manteve o clima melancólico do início do tributo, para depois fazer um mashup mais vibrante de “Grajauex” e “Convoque Seu Buda”.

Gigantes do Rap

DJ Nyack, Criolo e Emicida
Foto por @Creativeclub.today

As batidas e rimas rapidamente tomaram conta do show e quando a gente menos se deu conta, um time com alguns dos maiores rappers brasileiros de todos os tempos estavam ali juntos.

Mano Brown e Ice Blue, do Racionais MC’s, se juntaram à tropa e cantaram clássicos como “Mil Faces de um Homem Leal (Marighella)”, sendo reverenciados pelos nomes da nova geração.

Por falar em nova geração, Djonga apareceu e apesar de não participar de nenhuma canção, apresentou os que ali estavam, dando ênfase aos DJs: “já que tudo começou por eles, vamos apresentá-los duas vezes”.

Planet Hemp

Marcelo D2 no Lollapalooza (Tributo a Taylor Hawkins)
Foto por @Creativeclub.today

Após Emicida e Rael cantaram “Levanta e Anda”, que gravaram em parceria lá em 2014, o mestre de cerimônias da noite passou o bastão para a banda carioca Planet Hemp, e aí o Rock deu as caras de fato no tributo.

Com um show completo, inclusive de longa duração, Marcelo D2 e BNegão mostraram a energia e o entusiasmo de verdadeiros garotos, e transformaram a homenagem em um show de Hardcore, como Taylor provavelmente teria gostado bastante.

Apesar de amplamente ligados ao Hip Hop, eles fizeram do show uma apresentação completamente voltada às guitarras, e apresentaram clássicos como “Legalize Já”, “Stab”, “Raprockandrollpsicodeliahardcoreragga” e “Fazendo a Cabeça”.

O show teve até uma música inédita, a ser lançada no aguardado novo disco do Planet Hemp, o primeiro em 22 anos (!).

Trata-se de “Distopia”, que foi executada pela primeira vez para grandes audiências e contou com Criolo, que também participou da sua versão de estúdio.

Continua após o vídeo

Após a execução de “100% hardcore”, onde pelo menos três rodas punk gigantescas foram abertas na plateia, o grupo celebrou a história do Hardcore brasileiro citando várias bandas como Olho Seco e Ratos de Porão.

Para homenagear a segunda, tocou uma cover de “Crise Geral” antes de embarcar em “Zerovinteum”, um verdadeiro retrato sonoro sobre a realidade social e política do Rio de Janeiro.

Apresentando a canção, D2 falou que era preciso “cortar o mal pela raiz”, já que tudo estava “nas mãos de milicianos”, fazendo referência ao atual presidente da República.

Críticas a Bolsonaro

Por falar nisso, D2 não foi nada sutil em relação às suas críticas contra Jair Bolsonaro.

Não apenas mandou o político para aquele lugar, mas também tirou sarro da decisão do TSE que determinou que manifestações políticas não poderiam acontecer no Lollapalooza.

Para “driblar” a imposição, ele disse que faria então uma homenagem ao festival, cantando “Olê Olê Olá, Lolla, Lolla”. A pronúncia, porém, se aproximou muito mais de “Lula” do que de “Lôla”, e a mensagem ficou bem clara.

Continua após o vídeo

Homenagem aos que se foram

Vale ressaltar que o show do Planet Hemp começou com Marcelo D2 falando que a noite era sobre amor.

É sobre Taylor Hawkins. Hoje é sobre Chorão. Hoje é sobre Chico Science.

No telão, eram exibidas imagens de alguns dos músicos citados e de outras lendas que perdemos, como Amy Winehouse, e D2 também se lembrou de Luís Antônio da Silva Machado, conhecido como Skunk.

Foi ele, que ao lado de Marcelo D2 lá no início dos Anos 90, fundou o Planet Hemp, e infelizmente o cara se tornou mais um caso entre aqueles de músicos que perdem a vida cedo demais.

Relembrando todos esses nomes e celebrando a existência, o vocalista comandou a banda no hino maconheiro “Quem Tem Seda?”, mas não sem homenagear o lendário Mr. Catra antes de tudo.

Ao final de tudo, “Mantenha o Respeito” veio com Emicida novamente no palco, e ele fez um improviso sobre como seus dois primeiros discos foram do Racionais e do Planet Hemp: “aulas, esses aqui são professores”.

Ego Kill Talent e Reprise de Show

Ego Kill Talent no Lollapalooza (tributo a Taylor Hawkins)
Foto por @Creativeclub.today

Depois de tudo isso e uma festa que fez a ponte entre Rap, Punk, Hardcore e a celebração da arte, o grupo brasileiro Ego Kill Talent subiu ao palco para mais um momento de emoção.

Visivelmente emocionados, eles tocaram a própria “We All” após o vocalista Jonathan Dörr relembrar que Taylor Hawkins estaria dando uma de Freddie Mercury no palco, imitando o cara imitando o líder do Queen.

Ficou a cargo do EKT, banda que não apenas excursionou com o Foo Fighters como gravou seu último disco no estúdio de Dave Grohl e criou uma relação próxima com a banda, tocar a última música dos Foos em toda noite.

Ela veio com “Everlong”, muita emoção, troca de bateristas e a sensação de que o rock brasileiro e a nossa plateia estavam intimamente conectados com um dos maiores hinos que Grohl já escreveu em toda sua vida e entoou, noite após noite, com o apoio brutal de Hawkins na bateria.

O telão ainda exibiu uma performance histórica de “Best Of You”, pelo Foo Fighters, em outra edição do Lollapalooza no mesmo palco onde a homenagem aconteceu, e todos ali cantaram a plenos pulmões as suas despedidas pessoais e particulares ao baterista que nos deixou.

Taylor Hawkins para sempre

Obrigado, Taylor Hawkins. Obrigado a tantos músicos mundo afora que nos inspiram com suas composições e inspiram o mundo através de ações e mudanças.

Artistas que sacrificam suas vidas pessoais em função de sonhos e comprometimentos maiores com aquilo que acreditam e com as pessoas ao seu redor. Que superam diferenças e não se importam com barreiras para congregar.

Em 2022, cada vez mais próximos da sonhada “pós-pandemia”, temos que aprender com os altos e baixos dessa vida tão rica e tão rara, dizer “eu te amo” a quem está conosco e a buscar sempre as conexões ao invés das discussões.

Emicida mostrou isso. Marcelo D2 mostrou isso. As lágrimas de todos na plateia mostraram isso e a performance final de “Everlong” com o EKT deixou bem claro que a música é universal e transformadora, e que segue em frente para nos dar conforto.

É nela que estamos nos apoiando nesse momento tão difícil e é nela que nos apoiaremos sempre para seguir em frente.

Viva a música! O hardcore, o rock, o pop, o funk, o hip hop e tantos outros gêneros musicais que temos a sorte de poder contemplar diariamente. Estamos todos juntos nesse barco imenso que é correr atrás de nossos sonhos.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!