Machine Gun Kelly no Lollapalooza Brasil
Foto por @Creativeclub.today

Machine Gun Kelly se descreve como o “desfibrilador do Rock” há algum tempo e, no que depender do público do Lollapalooza Brasil, parece que o cara acertou em cheio.

Apesar de ter começado a carreira no Rap, a mudança para o Pop Punk nos últimos anos deixou MGK na linha de frente de um retorno das guitarras ao mainstream mas também, ao mesmo tempo, levantou inúmeras polêmicas lideradas pelos “puristas” do gênero e por sua personalidade (no mínimo) irreverente, sempre associada a drogas, tretas e confusões — algo que definitivamente se soma à mística do Rock que o cara tenta trazer.

Machine Gun Kelly no Lollapalooza Brasil
Foto por @Creativeclub.today

Se o público não se animou tanto na apresentação do Onix Day na última quinta-feira, a história de sexta-feira foi bem diferente. Confirmando seu potencial como co-headliner, Machine Gun Kelly viu principalmente as músicas do disco Tickets to My Downfall (2020) serem extremamente bem recebidas pelo público, que cantou junto com força.

Ainda assim, as canções do recém-lançado mainstream sellout também fizeram sucesso, mostrando principalmente que a grande maioria das pessoas estava ali pela fase Pop Punk de Colson Baker, nome de batismo do artista. Talvez a exceção seja “papercuts”, single de 2021 que teve sua performance interrompida pelo cantor para pedir mais participação do público.

Machine Gun Kelly no Lollapalooza Brasil

Quando resgatava sua carreira no Rap, MGK recebia uma resposta bastante mista do público. “El Diablo”, primeira canção dessa fase no setlist, viu o público tentando se animar sem muito sucesso — algo que pode, claro, ser explicado simplesmente pela pegada diferente da canção em relação ao resto do show.

As críticas, no entanto, não parecem fazer muita diferença para Machine Gun Kelly. Logo depois de “papercuts”, ele aproveitou para fazer um discurso sobre o poder da música e as polêmicas que permeiam sua vida e a de seus fãs, afirmando que “a música é a única religião” na qual ele acredita antes de declarar guerra aos que falam contra ele com “WWIII”.

Machine Gun Kelly no Lollapalooza Brasil
Foto por @Creativeclub.today

Falando em polêmica, talvez o ponto mais divisivo da apresentação sem si seja a versão do cara para “Misery Business”, hit do Paramore. A cover virou notícia nos últimos tempos após ser revivida por fãs da banda de Hayley Williams, que majoritariamente fizeram duras críticas, mas o público do Lollapalooza — ao menos o que estava próximo do artista — pareceu se empolgar bastante.

No fim das contas, só o tempo dirá se MGK realmente vai conseguir o status que quer ter dentro do Rock. Hoje, com a chegada de mainstream sellout e o show do Lollapalooza Brasil mais focado do que nunca no gênero, a impressão é a de que realmente o título de “desfibrilador do Rock” faz jus ao que ele oferece: uma solução quase que emergencial para quem sente falta das guitarras no mainstream. Só faltou uma aparição de Megan Fox, pedida durante toda a noite!

Confira o setlist do show de Machine Gun Kelly no Lollapalooza Brasil logo abaixo.

Setlist de Machine Gun Kelly no Lollapalooza Brasil

  1. title track
  2. kiss kiss
  3. maybe
  4. concert for aliens
  5. all i know
  6. ay!
  7. El Diablo
  8. papercuts
  9. WWIII
  10. Misery Business
  11. I Think I’m OKAY
  12. my ex’s best friend
  13. emo girl
  14. jawbreaker
  15. forget me too
  16. bloody valentine

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!