Doug Pinnick

Doug Pinnick, lendário vocalista e baixista do King’s X, uma das bandas mais influentes do Rock e considerada pioneira do Metal Progressivo, falou sobre temas sensíveis em uma entrevista recente ao The Chuck Shute Podcast.

O frontman, que sempre se identificou como gay mas manteve sua sexualidade em segredo até 1998, explicou sua relação com a religião no papo de dias atrás. Ele desabafou, afirmando até que chegou a “implorar” para que Deus lhe “convertesse” (via Blabbermouth):

Ouvir que se você é gay, isso é uma aberração, e que Deus odeia isso mais do que qualquer outra coisa que não seja a blasfêmia do Espírito Santo… De acordo com a Bíblia, um homem não pode se deitar com outro homem; é uma aberração. Então eu ouço isso a vida inteira e eu sou gay. Então eu não contava pra ninguém.

Uma vez eu decidi, ‘Bom, eu vou fazer como Jesus fez: eu vou fazer jejum por três dias e pedir para que Deus me mude’. E eu fui e me sentei em um trailer no interior e fiz jejum, não comi e só bebi água por dois dias. E eu rezei e rezei e chorei e implorei para que Deus me mudasse, e eu não senti nada. E eu parei e falei, ‘Eu desisto’.

E tudo que eu podia pensar no fundo era nas escrituras, que as pessoas dizem: ‘Não desista de Deus’ e ‘Deus ainda não terminou com você’ e ‘Você tem que esperar por Deus’ e ‘Você tem que ter as coisas no tempo de Deus’. Então qualquer coisa que eu fizesse que não funcionasse era culpa minha.

Em seguida, ele continuou citando a “opressão” que sofreu dentro do cristianismo. O tema espiritual sempre esteve bem presente nas letras do King’s X, que também lidam muito com a aceitação de si próprio, e Doug explicou alguns dos motivos por trás dessas palavras:

Veja, a religião para mim não era nada além de opressão. Eles não me deixavam fazer nada. Eu me lembro de sentar na igreja com a minha bisavó com quatro ou cinco anos, na fileira da frente, ouvindo o pastor gritar e esbravejar sobre como se você dançar, se você beber, se você fumar cigarros, você vai para o inferno, os demônios vão te pegar. Eu ia dormir toda noite morrendo de medo, enquanto era criança, pensando que o demônio iria vir e me incomodar. Eu tinha pesadelos o tempo todo, acordava gritando.

Para mim, a religião era abusiva. E para outras pessoas não é assim, e tudo bem por mim. Mas pra mim, é. E quando alguém vem me dizer que, ‘Ah, Deus te ama e Ele morreu pelos seus pecados’, eu sempre quero dizer, ‘Vá se foder’. Mas ao invés disso eu tenho que ser como eu quero que todo mundo seja — aceitar a pessoa por quem ela é e pelo que ela acredita e amá-la, porque não importa.

O amor cobre uma multidão de pecados — até a Bíblia fala isso. Bom, alguém me disse que vem da Bíblia. Eu não tenho certeza, então não me cobre.

Aos 71 anos de idade, Pinnick aproveitou para destacar a forte presença da hipocrisia dentro da religião e mostrar o seu respeito pelas pessoas que realmente acreditam no que pregam:

Eu acredito que há muitas, muitas, muitas, muitas pessoas que acreditam de verdade e que eu admiro e aplaudo. Mas eu acredito também que há muitas, muitas, muitas, muitas pessoas que são simplesmente pessoas más que estão ali só pelo seu próprio ganho pessoal — pessoas más e narcisistas que estão usando a religião para… Digo, quando um cara diz, ‘Me dê seu dinheiro, porque Deus quer que eu tenha um avião’…

Você tem [Jimmy Swaggart, famoso pastor de televisão dos EUA] e todas essas pessoas te pedindo o seu dinheiro, isso é só um monte de merda; eles são só mentirosos. Eles são um bando de narcisistas que encontraram uma forma de extorquir as pessoas. Eu tenho TANTO nojo deles. E eu tenho uma tristeza pelas pessoas que acreditaram nisso, e ainda acreditam nisso. Eu tenho uma tristeza por elas — não um desgosto; eu tenho uma tristeza.

E eu tenho que ficar longe porque eu não sou o tipo de pessoa que elas vão aceitar. E é triste para mim. Mas a vida é assim.

Você pode conferir esse papo de Doug Pinnick na íntegra clicando aqui.

Doug Pinnick e o King’s X

O King’s X surgiu em 1979 e logo se transformou em uma banda queridinha dos músicos, sendo amplamente citada como influência por artistas das gerações seguintes mas nunca obtendo o mesmo sucesso comercial que alguns destes, como Smashing Pumpkins, Pantera, Pearl Jam, Alice in Chains, Dream Theater, Soundgarden e tantos outros.

Parte dessa falta de sucesso pode estar relacionada ao fato de que as letras com temáticas espirituais fizeram a banda ser considerada parte do Rock Cristão por alguns anos, até que a revelação da sexualidade de Pinnick causou um boicote que levou o vocalista e baixista a pensar até mesmo em suicídio.

Felizmente, o grupo segue ativo e deve lançar em breve seu primeiro disco em 14 anos. O sucessor de XV (2008) ainda não tem data para chegar.

NOTÍCIAS MAIS QUENTES no RESUMO DA SEMANA

Fique por dentro das notícias mais quentes do mundo da música, bem como dos lançamentos nacionais, ouvindo o Resumo da Semana, programa do Podcast Tenho Mais Discos Que Amigos!

 

Compartilhar